AS CONTRIBUIÇÕES DA DEFECTOLOGIA E DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL NO ENSINO DE QUÍMICA PARA O DEFICIENTE VISUAL: UM ESTADO DA ARTE EM TESES E DISSERTAÇÕES (2000-2019)

Autores

Palavras-chave:

Estado da arte; Deficiência visual; Ensino de Química; Teoria Histórico-Cultural

Resumo

Essa pesquisa apresenta um estudo do tipo estado da arte sobre as pesquisas brasileiras no Ensino de Química para deficientes visuais publicadas no banco de dissertações e teses da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações no período de 2000 a 2019. Os objetivos desse estudo foram identificar e analisar as contribuições dos Fundamentos da Defectologia e da Teoria Histórico-Cultural de Vigotski nessas pesquisas. A metodologia utilizada foi a de abordagem qualitativa. Foram encontradas 26 pesquisas (3 teses e 23 dissertações). O resultado evidenciou que os autores compreenderam que não existe diferença no processo cognitivo de um aluno com deficiência visual e um aluno vidente; que a partir da mediação do professor o aluno deficiente visual tem condições de participar do processo de ensino e aprendizagem como os videntes; que a utilização de meios alternativos é essencial para auxiliar na construção do conhecimento do aluno com deficiência visual.

Biografia do Autor

Carmem Lúcia costa Amaral, Universidade Cruzeiro do Sul – UNICSUL

Professora Pesquisadora do Programa de Mestrado e Doutorado em Ensino de Ciências e Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Cruzeiro do Sul – UNICSUL – São Paulo/SP. 

Referências

ALVES, Fernanda Lassenck de Matos. Ensino de química para alunos com deficiência visual: subsídios teóricos e práticos. 2018. 235 f. Dissertação (mestrado em Educação para a Ciência e a Matemática) - Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2018.
AMIRALIAN, Maria Lucia Toledo Moraes. Comunicação e participação ativa: a inclusão de pessoas com deficiência visual. In: AMIRALIAN, Maria Lucia Toledo Moraes (Org.) DEFICIÊNCIA VISUAL: perspectivas na contemporaneidade. São Paulo: Vetor, 2009.
ARAGÃO, Amanda Silva. Ensino de química para alunos cegos: desafios no ensino médio. 2012. 122 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2012.
ATAÍDE, Katia Fabiana Pereira. Ensino de Química com aluno cego: desafios do professor, dificuldades na aprendizagem. 2019. 125f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática - PPGECEM) - Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2019.
AMAZONAS, Jackline Torres. Química através dos sentidos: texturização de fórmulas para alunos com deficiência visual. 2014. 194 f. Dissertação (Mestrado em Ensino das Ciências na Educação Básica) - Universidade do Grande Rio "Prof. José de Souza Herdy", Duque de Caxias, 2014.
BERTALLI, Jucilene Gordin. Ensino de geometria molecular, para alunos com e sem deficiência visual, por meio de modelo atômico alternativo. 2010, 70f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) - Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências, Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande - MS, 2010.
BRITO, Lorena Gadelha de Freitas. A tabela periódica: um recurso para a inclusão de alunos deficientes visuais nas aulas de química. 2006. 88 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências Naturais e Matemática) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2006.
BLANCK, G. Prefácio. In: VYGOTSKY, L. S. Psicologia Pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2003.
CREPPE, Carlos Henrique. Ensino de química orgânica para deficientes visuais empregando modelo molecular. 2009. 106 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ensino das Ciências) - Universidade do Grande Rio, Duque de Caxias.
COSTA, Emilia Lima da. A formação de conceitos científicos para sujeitos com deficiência visual: sequência Fedathi como aporte metodológico no ensino de química. 2016. 78f. – Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira, Fortaleza (CE), 2016.
CAMARGO, Eder Pires. Ensino de Física e deficiência visual: dez anos de investigações no Brasil. São Paulo: Plêiade/FAPESP, 2008a, 205p.
COSTA, Dóris Anita Freire. Superando limites: a contribuição de Vygotsky para a educação especial. Revista Psicopedagogia, v. 23, n. 72, p. 232-240, 2006.
DANTAS NETO, Joaquim. A experimentação para alunos com deficiência visual: proposta de adaptação de um livro didático. 2012. 86 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências). Universidade de Brasília, Brasília, 2012.
FRANÇA, Fernanda Araújo. A formação docente em química para a inclusão escolar: a experimentação com alunos com deficiência visual. 2018.117 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática). Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2018.
FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 79, p. 257-272, ago. 2002.
FIORENTINI, et al. O professor que ensina matemática como campo de estudo: concepção do projeto de pesquisa. In: FIORENTINI, Dario; PASSOS, Carmem Lúcia Brancaglion; LIMA, Rosana Catarina Rodrigues. C. R. (org.) Mapeamento da pesquisa acadêmica brasileira sobre o professor que ensina Matemática: (Período 2001-2012). 2016, p.17.
FERNANDES, Tatyane Caruso. Ensino de química para deficientes visuais: a importância da experimentação e dos programas computacionais para um ensino mais inclusivo. 2014. 88 f. Dissertação (Mestrado em Formação Científica Educacional e Tecnológica). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2014.
GOMES, Maria de Fátima Cardoso. Construindo relações de inclusão/exclusão na sala de aula de química: histórias sociais e singulares. 2004. 250f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais. Minas Gerais, 2004.
JESUS, Raine Luiz de. O ensino de química através de maquetes didáticas de estruturas moleculares a estudantes com deficiência visual de uma escola pública de Manaus. 2014. 112 f. Dissertação (Educação e Ensino de Ciências na Amazônia). Universidade do Estado do Amazonas, Manaus, 2014.
LIMA, Bruna Tayaneda Silva. Proposta de Química Orgânica para alunos com deficiência visual: desenhando prática pedagógica inclusiva. 2017. 172f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática). Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2017.
LOURENÇO, I. M. B. Ensino de Química: proposição e testagem de materiais para cegos. 2003. 170 f. Dissertação (Mestrado em Química) - Instituto de Química, Instituto de Física, Instituto de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.
LUBOVSKY, D. Lev Vygotsky as a methodologist of psychology. Moscow: Moscow State University of Psychology and Education, 3 jul. 2012. (Informação verbal: registro escrito durante a palestra apresentada no 3rd International ISCAR Summer University “Moving with and beyond Vygotsky”, promovida pela Moscow State University of Psychology and Education.
MOLENA, Juliane Cristina. Ensino de química para alunos com deficiência visual: investigando a percepção de professores sobre o processo de conceitualização. 2018 158 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2018.
MELO, Érika Soares de. Ações colaborativas em contexto escolar: desafios e possibilidades do ensino de química para alunos com deficiência visual. 2013. 139 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013.
NUERNBERG, Adriano Henrique. Contribuições de Vygotsky para a educação de pessoas com deficiência visual. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 13, n. 2, p. 307– 316, abr./jun. 2008.
PAULA, Tatiane Estacio de. Um estudo sobre as necessidades formativas de professores de química para a inclusão de alunos com deficiência visual. 2015 409 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e em Matemática). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.
PEROVANO, L. P., Desenvolvimento de recursos didáticos para alunos cegos: um estudo de caso no ensino de reações químicas. 2017. 143f. Dissertação (Mestrado em Ensino na Educação Básica). Universidade Federal do Espirito Santo, Vitória, 2017.
PIRES, Rejane Ferreira Machado. Proposta de guia para apoiar a prática pedagógica de professores de química em sala de aula inclusiva com alunos que apresentam deficiência visual. 2010. 158 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências). Universidade de Brasília, Brasília, 2010.
RIVERO, Alberto Rosa; OCHAÍTA, Esperenza. Introduccion. ¿Puede hablarse de una psicología de la ceguera? In: ROSA, A.; OCHAÍTA, E. (orgs.). Psicología de la ceguera. Madrid: Alianza Editorial, 1993.
SANTOS, Rodrigo Medeiros dos. Estado da arte e história da pesquisa em Educação Estatística em programas brasileiros de pós-graduação. 2015. 348 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.
SIMÕES, Guilherme Soares. Me ajuda a entender: website como ferramenta de apoio para professores no ensino de Química a estudantes com deficiência visual. 2018. 127 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.
SANTOS, Grazielle Alves dos. Página web com conteúdos de química acessível a estudantes com deficiência visual. 2012. 103 f., Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências). Universidade de Brasília, Brasília, 2012.
SILVA, Laianna de Oliveira. Proposta de um jogo didático para ensino de estequiometria que favorece a inclusão de alunos com deficiência visual. 2014. viii, 98 f., il. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciência). Universidade de Brasília, Brasília, 2014.
SILVA JUNIOR, Bento Selau da. Fatores associados à conclusão da educação superior por cegos: um estudo a partir de L. S. Vygotsky. 2013. 288 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2013.
SILVA, Larissa Vendramini da. Inclusão escolar para alunos cegos: acessibilidade ao conceito de Substância em um livro didático de Química em formato Daisy. 2019. 151 f. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência). Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2019.
TOLEDO, Juliana Barretto de. Ensino de química para pessoas com deficiência visual: um estudo por meio da revisão sistemática. 2017 121 f. Tese (Doutorado em Química). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2017.
ULIANA, Marcia Rosa. Formação de professores de matemática, física e química na perspectiva da inclusão de estudantes com deficiência visual: análise de uma intervenção realizada em rondônia. 2015. 313 f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemática. Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá, 2015.
VAN DER VERR, R.; VALSINER, J. Vygotsky, uma síntese. Trad. Cecília C. Bartalotti. São Paulo: Loyola, 1996.
VYGOTSKY, L.S. Obras escogidas V: fundamentos de defectologia. España: Visor, 1983.
______. Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.
______. Obras escogidas. Tomo V. Fundamentos de defectologia. Cuba: Editorial Pueblo y Educación, 1989.
______. Pensamento e Linguagem.Trad. Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: MartFontes, 1993.
______. Obras escogidas: fundamentos de defectología. Tomo V, Visor, Madrid, 1997.
______. A formação social da mente. Martins Fontes, São Paulo, 1998.
______ A Formação social da mente. Trad. José Cipolla Neto, Luis Silvera Menna Barreto Solange Castro Afeche. 7º. ed . São Paulo: MartFontes, 2007.

Downloads

Publicado

2021-03-30

Como Citar

SILVA, R. S.; CARMEM LÚCIA COSTA AMARAL. AS CONTRIBUIÇÕES DA DEFECTOLOGIA E DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL NO ENSINO DE QUÍMICA PARA O DEFICIENTE VISUAL: UM ESTADO DA ARTE EM TESES E DISSERTAÇÕES (2000-2019). Communitas, [S. l.], v. 5, n. 9, p. 346–364, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4699. Acesso em: 18 abr. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)