Communitas https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS <p>A&nbsp;<strong>Revista Communitas</strong>&nbsp;&nbsp;é uma publicação semestral, voltada para a publicação de textos inéditos na área de&nbsp;Educação, Letras, Linguística e áreas afins das Ciências Humanas. A revista publica artigos e resenhas e conta com a colaboração de pesquisadores nacionais e estrangeiros. Os trabalhos encaminhados para publicação devem ser inéditos, em meios eletrônicos, não sendo permitida a sua apresentação simultânea para avaliação em outro periódico.</p> <p><strong>ISSN:</strong>&nbsp;2526-5970 |&nbsp;<strong>Ano de criação:&nbsp;</strong>2017 |&nbsp;<strong>Área do conhecimento:&nbsp;</strong>Educação e Letras |&nbsp;<strong>Periodicidade:</strong>&nbsp;Semestral&nbsp;|&nbsp;<strong>Qualis:</strong>&nbsp;B1 (2017/2018) |&nbsp;<strong>DOI:&nbsp;</strong>em registro</p> pt-BR <p>Os Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, resguardando-se os direitos de&nbsp;<strong>primeira publicação</strong>&nbsp;para a Revista Communitas. Em virtude da aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são&nbsp;<strong>de uso gratuito,</strong>&nbsp;com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais.</p> communitas.revista@ufac.br (Prof. Dr. Rafael Marques Gonçalves) revistas@ufac.br (Portal de Periódicos da UFAC) Ter, 15 Dez 2020 00:00:00 -0500 OJS 3.1.2.4 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 EDITORIAL https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4513 <p>Editorial</p> Yvonélio Nery Ferreira Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4513 Ter, 15 Dez 2020 16:25:23 -0500 ESCRITAS, DESDOBRAMENTOS, DEVORAÇÕES: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4496 <p>Texto de abertura para o dossiê temático “Desdobramentos: paisagens literárias no século XXI”</p> Tânia Regina Oliveira Ramos, Jair Zandoná Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4496 Ter, 15 Dez 2020 16:26:46 -0500 SEREIAS BÊBADAS: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4405 <p>&nbsp;O presente artigo analisa a obra de Adriana Varejão “Sereias bêbadas”, reconhecendo a arte como veículo de significação e comunicação visual. O corpo é uma forma de identificação do feminino e do masculino, mas é especialmente tido como um estigma da representação do poder masculino. É para o âmbito da representação artística que voltaremos nosso olhar, ou seja, para a análise de como se dá o olhar estético da autora na captação da concepção dominante na poética do corpo feminino. Adotamos o método hermenêutico de interpretação; a hermenêutica moderna engloba não somente textos escritos, mas também tudo que há no processo interpretativo. Isso inclui formas verbais e não verbais de comunicação, assim como aspectos que afetam a comunicação. Interpretar significa atribuir o conteúdo, sentido e alcance de um texto normativo, visando à sua aplicação a um caso concreto.</p> Nincia Cecilia Ribas Borges Teixeira Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4405 Ter, 15 Dez 2020 16:37:50 -0500 O TRAÇO NEOBARROCO DE MANA BERNARDES https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3648 <p>O presente artigo propõe uma leitura neobarroca dos poemas sonoros da poeta, designer, joalheira e artista visual Mana Bernardes. Atualmente em plena atividade, sua produção tanto plástica quanto poética é marcada pelo apelo à materialidade. Em suas leituras de poemas e em suas performances, a proposta artística de Mana Bernardes se aprofunda a ponto mesmo de exaurir também a concretude da matéria orgânica. O próprio corpo de Mana Bernardes é parte do signo poético e se veste de palavras ao mesmo tempo em que as lê. Na obra da artista reside o oxímoro de matriz barroca na medida em que o que se apresenta para o público é o jogo entre uma arte pensada por e para a elite burguesa brasileira, mas constituída de elementos populares, tendo como foco a ordinariedade do material utilizado (seja nas palavras de sua poesia, seja nos objetos de suas esculturas).</p> Anna Viana Salviato Copyright (c) 2020 REVISTA COMMUNITAS http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3648 Ter, 15 Dez 2020 17:00:04 -0500 REDEMOINHOS DE SILÊNCIOS: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4133 <p>Um problema histórico e estrutural que ronda a sociedade é a violência contra a mulher, algo discutido incansavelmente por diversas áreas do conhecimento e que é objeto de estudo deste artigo. Com base no conto “Telhado quebrado com gente morando dentro”, da coletânea <em>Redemoinho em dia quente</em>, de Jarid Arraes, nos aprofundamos em algumas estruturas sociais que ocasionam a violência contra mulher. Examinamos aspectos sociais que foram organizados, ao longo de séculos, com o intuito de assegurar a submissão da mulher frente ao homem, assim como as desigualdades instauradas entre ambos. Com isso, abordamos teorias referentes ao patriarcalismo, aos silêncios e às violências, tomando como base pressupostos teóricos de Dubar (2009), Ferreira (2018), Olga (2014), Saffioti (2004), Teles e Melo (2017), entre outros, com o objetivo de entender como essas estruturas nascem e se mantém, seu contexto de dominação e, sobretudo, como isso ainda é recorrente na sociedade contemporânea, finalizando nas consequências que isso traz à vítima.</p> Duilio Fernandes Vieira Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4133 Ter, 15 Dez 2020 16:56:27 -0500 LÉSBICAS QUE (NÃO) SAEM DO ARMÁRIO: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4391 <p>Este artigo propõe uma leitura de três contos selecionados da coletânea <em>Amora</em>, da escritora brasileira Natalia Borges Polesso: “Vó, a senhora é lésbica?”, “Minha prima está na cidade” e “As tias”, no intuito de dar visibilidade à literatura nacional contemporânea escrita por mulheres – e, mais especificamente, por mulheres lésbicas – cujas personagens são também mulheres em relações homossexuais não estereotipadas. A partir das reflexões sobre a epistemologia do armário por Eve Kosofsky Sedgwick (1993) e a heterossexualidade compulsória e existência lésbica por Adrienne Rich (1980), observa-se de que maneira as personagens homossexuais são representadas no texto literário, como encaram a experiência e a identidade lésbica e quais mecanismos usam para decidir se é seguro ou não sair do armário. As narrativas sugerem que, embora possam criar ambientes e dinâmicas próprias para encontrar um sentido de identificação e segurança, as mulheres lésbicas se veem constantemente forçadas a negociar com o que se convencionou chamar de <em>armário</em>.</p> Aline Veingartner Fagundes Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4391 Ter, 15 Dez 2020 16:45:20 -0500 A POÉTICA DO CONTÁGIO EM "O TRIBUNAL DA QUINTA-FEIRA", DE MICHEL LAUB https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4390 <p>Neste artigo buscou-se analisar o romance de Michel Laub, “O tribunal da quinta-feira”, a partir da perspectiva do HIV/AIDS e sua inserção metafórica na paisagem literária do século XXI. Em vista dos traumas históricos produzidos pela pandemia nos anos 1980, a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida dificilmente foi abordada no espaço da ficção literária canônica e tampouco essa enfermidade pôde ser usada como dispositivo metafórico na arte. Ao ter sido atrelada a corpos dissidentes da sociedade – sobretudo gays, negros haitianos, profissionais do sexo –, é possível compreender porque há um lastro de abjeção caracterizando a natureza da doença, razão que a limitaria no campo das metáforas. Logo, ao contrário de outras doenças, tais como a tuberculose ou a sífilis, largamente empregadas de forma dramática na literatura, o HIV/AIDS enfrenta certo desuso poético e certa repelência nos domínios simbólicos. A obra de Laub, revisitando a história da epidemia a partir de um soropositivo contemporâneo, apresenta uma renovada metáfora viral na qual convergem o orgânico (o vírus corporal) e o cibernético (a viralização em rede), permitindo outra percepção da doença e dos processos atuais de comunicação na internet. Por meio de tal confluência, denominada aqui como poética do contágio, discorreu-se sobre temas como gênero, sexualidades dissidentes, abjeção, contaminação, mundo virtual.</p> Marcio Markendorf, Marthina de Alexandri Baldwin Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4390 Ter, 15 Dez 2020 16:46:22 -0500 A INVIABILIDADE DA EXPERIÊNCIA HUMANA EM DIÁRIO DA QUEDA https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4377 <p>Este presente artigo se trata de uma análise do livro <em>Diário da Queda</em> (2011), do escritor gaúcho Michel Laub, cujo foco é o que o narrador determina como “a inviabilidade da experiência humana em todos os tempos e lugares”. Para tanto, utilizaremos a definição de experiência defendida por Walter Benjamin (1987), problematizando o posicionamento do narrador dentro do referido assunto: a transmissão de experiências entre gerações. Em um segundo momento, utilizaremos os estudos de Stuart Hall (1992) para analisar o indivíduo fragmentado que o narrador se revela ser em sua particular crise de identidade. Por fim, discutiremos a obra em caráter testemunhal ainda às voltas com a definição da experiência como inviável, observando os fragmentos de memória presentes no discurso do narrador ancorados nos estudos de Seligmann-Silva (2008/2010) e Michael Pollak (1989) dentre outros autores com a intenção de compreender o caráter indizível de memórias traumáticas, tornando mais claro o monólogo entre o narrador e o narratário.</p> Ana Paula Vicente Carneiro Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4377 Ter, 15 Dez 2020 16:47:29 -0500 RELAÇÕES PERNICIOSAS: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4393 <p>Este artigo tem por objetivo discutir a construção de personagens não-hegemônicas na obra <em>Nossos ossos</em>, de Marcelino Freire (2013). À luz de Butler (2000) e Bauman (1998), a presente análise apresenta de que modo o narrador-personagem, Heleno de Gusmão, enquanto póstumo, utiliza construções sociais estereotipadas a respeito da personagem travesti, Estrela, e dos michês com os quais ele se relaciona na trama, dando a ver discursos que objetificam esses sujeitos. Discute-se de que forma o narrador se constrói em função de uma hegemonia social – branco, rico e cisgênero – para atrair o leitor em função de seu ponto de vista sobre os outros. Ainda a respeito de Estrela, observa-se que Heleno deslegitima a existência de Estrela e sua possibilidade de construir seu corpo e produzir-se feminina, além de tratá-la como perigosa e mercenária. Sobre os “michês”, nomenclatura escolhida pela voz narrativa, Heleno separa o que possui seu afeto, chamando-o de <em>boy</em>, dos demais que são estereotipados: o índio, como vetor de doença sexualmente transmissível (HIV); o malandro, como usurpador de seu dinheiro; e o negro como paradoxo de seu poder econômico atrelado a sua branquitude. Conclui-se que o narrador se aproxima dos ideais hegemônicos da cultura ocidental judaico-cristã, branca e abastada como forma de valorizar a sua vida e seu esforço em erguer-se frente às dificuldades impostas aos sujeitos homoeróticos, gerando seu desprezo em relação aos “estranhos”.</p> Guilherme Augusto da Silva Gomes Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4393 Ter, 15 Dez 2020 16:44:00 -0500 CLAVES PARA NARRAR LO INSÓLITO EN LA CUENTÍSTICA DE ADOLFO BIOY CASARES Y ROBERTO BOLAÑO https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3598 <p>En este trabajo procuramos indagar las claves de narrar lo insólito en "El otro laberinto", y "El perjurio de la nieve" de Adolfo Bioy Casares, y "William Burns" y "El policia de las ratas" de Roberto Bolaño.</p> <p>El enfoque policiaco, la hibridez y fusión de géneros, la polifonía de voces, la intertextualidad son herramientas de las que se sirven nuestros escritores para afrontar los miedos del ser humano, resaltar el mundo de la incertidumbre, o,&nbsp; exteriorizar la angustia ante el entorno político y social. Por otra parte, los cuentos elegidos para este estudio nos invitan a reflexionar sobre la relación texto-lector a través de presentar hechos insólitos. Nos apoyamos en la gama de artículos centrados en la literatura de lo fantástico y la de lo insólito en aras de plantear la hipótesis sobre la posibilidad de considerar los resultados a los que llega la investigación como claves que sirven para narrar lo insólito en los relatos estudiados.</p> Hayam Abdou Mohamed Copyright (c) 2020 REVISTA COMMUNITAS http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3598 Ter, 15 Dez 2020 16:59:04 -0500 O ABUSO SEXUAL DE MENINOS COM A OBRA TRÊS PORCOS, DE MARCELO LABES https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4396 <p>O objetivo central da análise é sobre como se comportam os personagens do romance publicado em 2020, acerca do abuso sexual sofrido pelo personagem da obra <em>três porcos</em>. De que maneira há o desenrolar das tramas tecidas entre as ações sofridas pelo protagonista. Ao mesmo tempo, houve, em algum momento, alguma preocupação daqueles que praticaram a ação ou alguma dúvida sobre os direitos da criança e dos adolescentes? O abuso sexual é mais comum do que imaginamos e encontra perfeitas condições de assentamento em famílias economicamente menos favorecidas. Como reagir a tais condições, se o próprio discurso se vê interditado pelos que cometem tais abusos, ameaçando inclusive as vítimas? O escritor Marcelo Labes toca na ferida que, especialmente nós homens, insistimos em nos desvencilhar, como se o perigo estivesse sempre no outro. Mas sabemos que muitos são forçosamente silenciados e sofrem com possíveis distúrbios e sofrimentos. Não iremos entrar em estudos aprofundados do ponto de vista psicológico e/ou antropológico mais vasto. Por ora, o objetivo é olhar o romance e dele retirar algumas conclusões para fins de análise, tendo por base teórica alguns autores, como: Lígia Chiappini; Renata Pimentel Teixeira; Gaston Bachelard; Antonio Candido; dentre outros.&nbsp;&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> <p>Palavras-Chaves: Romance. Abuso sexual infantil. Vingança. Violência. Reencontro.&nbsp;&nbsp;</p> José Carlos Mariano do Carmo Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4396 Ter, 15 Dez 2020 16:41:48 -0500 DEL COMPROMISO SOCIOPOLÍTICO EN ÁFRICA Y AMÉRICA https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4342 <p>A sabiendas de que las artimañas de los hombres políticos tienen un efecto a nivel social. El propósito de nuestro artículo es el de demostrar cómo en <em>Baabou Roi</em> Wole Soyinka y Marco Antonio De la Parra con <em>King Kong Palace</em> por medio de una doble discusión se empecinan en hacer la radiografía del absolutismo, que experimentaron numerosos países africanos y latinoamericanos fuera de Nigeria y Chile. A tal efecto, fundamentado este cometido en algunos enfoques teóricos que son la Postcolonialidad y la Sociocrítica según Samba Diop y Roger Fayolle, junto con el concepto del Compromiso al sentir de Mongo Béti, llegamos a sacar en limpio que los dramaturgos no se contentan sólo con despabilar y denunciar, sino que van más allá. Tomando la manifestación de la rebeldía universal, ante la injusticia de un sistema que preconiza la resignación y castiga al disidente.&nbsp;</p> <p>Palabras clave: Compromiso; Sociopolítica; Africa/Nigeria; América/Chile; Lesión postcolonial</p> <p>&nbsp;</p> Rémi Assoumou Ngoua, Yanick Obame Nguema Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4342 Ter, 15 Dez 2020 16:48:45 -0500 A LITERATURA DISTÓPICA INFANTO-JUVENIL COMO UM ESPAÇO PARA DISCUSSÕES FORA DO ESPAÇO ACADÊMICO: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4392 <p>Com a ascensão do governo de Bolsonaro, evidenciou-se que as humanidades estão enfrentando um período de grande desvalorização. Entendido por muitos como estudos inúteis e/ou de difícil compreensão, as áreas de humanas parecem perder cada vez mais o seu espaço frente aos estudos tecnicistas e/ou de exatas tanto dentro do espaço acadêmico como fora dele. Em contrapartida, observa-se que discussões acerca de questões políticas, sociais e culturais permanecem presentes em outros meios, sendo o abordado neste artigo, a literatura distópica infanto-juvenil. A partir da discussão de Marjorie Perloff (2015) acerca da crise das humanidades em uma perspectiva estadunidense, propõe-se uma análise acerca da influência da literatura distópica infanto-juvenil no Brasil para permanência de debates humanísticos em espaços não acadêmicos, como uma forma de reinventar os modos de discussão a partir do viés literário. Para tanto, será discutida a influencia no atual governo para a desvalorização desse ensino, bem como os outros meios de tornar essas discussões possíveis em espaços menos elitizados, utilizando autores que tratam do gênero distópico, principalmente Claeys (2010), bem como fontes que permitem observar a ascensão do gênero no país. Conclui-se que a literatura distópica infanto-juvenil possui um papel importante na formação dos novos leitores brasileiros.</p> Eduardo Marks de Marques, Luana de Carvalho Krüger Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4392 Ter, 15 Dez 2020 16:42:54 -0500 O INCOMUM INCOMODA: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4119 <p>O presente artigo tem como finalidade compartilhar experiências de uma história vivida, ouvida e partilhada, numa escola pública, da rede estadual de ensino na cidade de Viçosa - Minas Gerais. O grupo pesquisado foi o segundo segmento do Ensino Fundamental (alunos do 6º ao 9º ano), ou seja, estudantes adolescentes. As cenas narradas tratam-se dos conflitos, resistências e invenções produzidas no momento do “recreio”. O acompanhamento na escola partiu de uma perspectiva cotidiana, a qual vai além da rotina e da repetição, uma vez que o cotidiano é o campo da multiplicidade, da diversidade, das tensões e dos processos inventivos produzidos pelos sujeitos pesquisados. O caminho metodológico utilizado parte do princípio construtivista, em que os pesquisadores não “coletam os dados”, mas “produzem” por meio da participação das redes tecidas no cotidiano. Para a produção dos dados, fizemos o uso do diário de campo, que podem conter acontecimentos da vida cotidiana, informações, reflexões, reações afetivas, conversas informais e escritos teóricos. Em suma, tentamos atribuir outras experiências à tentativa de encaminhar os alunos para o retorno à sala de aula após o momento recreio, evitando gritar, zangar ou ameaçá-los. Nosso objetivo foi compor com os alunos outras vivências, outros sentidos, outras conexões. Acreditamos na necessidade de criar formas interativas e saudáveis com os adolescentes, de modo a contribuir com a boa convivência dos sujeitos/participantes no cotidiano escolar.</p> Jaqueline Lopes, Cintia Castro Monteiro Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4119 Ter, 15 Dez 2020 16:57:36 -0500 COMUNIDADE BOOKTUBER E SUA RELAÇÃO COM O INCENTIVO À LEITURA https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4308 <p>Esse artigo propõe-se a analisar a relação da comunidade <em>booktube</em> com o incentivo à leitura. Em um primeiro momento, procura-se contextualizar essa comunidade e a plataforma na qual ela se hospeda. Foi também necessário traçar o perfil do leitor contemporâneo para assim, compreender melhor suas escolhas. Em seguida, o texto destaca as estratégias utilizadas pelos <em>booktubers</em> às quais apresentam uma articulação com o incentivo à leitura. A pesquisa exploratória foi feita com o apoio de três diferentes questionários, através desses últimos foi possível evidenciar o impacto positivo dos <em>booktubers</em> em seus espectadores, no que diz respeito a encorajá-los como leitores.</p> Diana Vieira de Oliveira Barbosa, Roberta de Fátima Martins, Tânia Regina Oliveira Ramos Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4308 Ter, 15 Dez 2020 16:51:10 -0500 A ESCRITA DIARÍSTICA DE NI BRISANT E O CONTRATO DE LEITURA DA LITERATURA MARGINAL https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4315 <p>O objetivo do trabalho parte da questão de como se caracteriza a escrita de si em <em>A Revolução dos Feios</em> (2016), do escritor Ni Brisant, e de que maneira tal estilo relaciona-se com o valorizado efeito de real da cultura do hip-hop. Além disso, como o tema da viagem é recorrente na obra do escritor, buscou-se refletir sobre a maneira como o gênero diarístico colabora para a elaboração do referido tema. Nesse sentido, com o suporte da teoria das escritas de si, principalmente dos estudos de Lejeune (2014), analisou-se os contos/relatos diarísticos “Coveiro no Éden” e “A Revolução dos Feios”. Assim, foi possível perceber que, além de o gênero diarístico oferecer recursos produtivos para a escrita de Ni Brisant, uma vez que intensifica o “efeito de real” prestigiado pelo grupo, ainda tensiona a configuração do lugar de enunciação marcadamente paulistano da literatura marginal, pois os relatos autobiográficos do escritor baiano lidam com o estranhamento em relação a esse lugar.</p> Diego Kauê Bautz Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4315 Ter, 15 Dez 2020 16:50:02 -0500 A ESCOLA NUNCA VAI ENTENDER A COMUNIDADE .........E SERÁ QUE A COMUNIDADE ENTENDE O SIGNIFICADO DA ESCOLA? https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4484 <p style="margin: 0px 0px 10.66px; text-align: justify;"><strong><span lang="PT-BR" style="margin: 0px; line-height: 107%; font-family: 'Times New Roman',serif; font-size: 12pt;">&nbsp;</span></strong></p> <p style="margin: 0px 0px 10.66px; text-align: justify;"><span lang="PT-BR" style="margin: 0px; line-height: 107%; font-family: 'Times New Roman',serif; font-size: 12pt;">O artigo apresenta uma análise da educação escolar para o povo indígena Krahô e discute as dificuldades do entendimento entre a escola e duas comunidades daquela etnia. Coloca a relação do conhecimento tradicional e do chamado universal nas escolas krahô, como também a expectativa dos Krahô jovens e idosos a respeito da instituição escolar. Outro aspecto investigado neste trabalho é a comparação entre as escolas de ensino médio dos Krahô e as do Alto Rio Negro no estado do Amazonas. Reflete sobre as alterações culturais e interferência na identidade krahô ocorridas após a implantação do ensino médio nas aldeias.</span></p> José Manuel Ribeiro Meireles Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4484 Ter, 15 Dez 2020 16:30:34 -0500 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO CIENTÍFICO NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC): https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4401 <p>Diante da sociedade da informação e do conhecimento, se faz necessária a discussão a respeito da Alfabetização e Letramento Científico, uma vez que podem promover a compreensão de conhecimentos científicos à população. Assim, é importante que o ensino de Ciências ocorra nas escolas de forma sistematizada, visando formação de indivíduos capazes de solucionar problemas e se apropriarem da cultura elaborada. O presente artigo tem por objetivo analisar a Alfabetização e Letramento Científico apresentados na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para os anos iniciais do Ensino Fundamental. A pesquisa foi de natureza teórica, optou-se pela abordagem qualitativa e análise de conteúdo para averiguar os dados do material selecionado. Os resultados indicam que a BNCC apresenta ideias simplistas e tecnicistas acerca da Alfabetização e Letramento Científico. Os debates aqui realizados podem trazer direcionamentos mais efetivos na construção do currículo para o ensino de Ciências dos sistemas de ensino.</p> Claudia Amorim Francez Niz, Thaís Cristina Rodrigues Tezani , Aline Juliana Oja Persicheto Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4401 Ter, 15 Dez 2020 16:39:19 -0500 ESCOLA INTEGRAL DE ENSINO MÉDIO: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4389 <p>O presente artigo analisa aspectos de três documentos curriculares oficiais do Ensino Médio da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte do Acre - SEE/AC ou adotados por essa unidade estatal. São objetos de análise as Diretrizes Operacionais da Escola Jovem (ACRE, 2016); Cadernos de Orientações Curriculares para o Ensino Médio (ACRE, 2010) e o Caderno de Metodologias de Êxito da Parte Diversificada do Currículo do Instituto de Corresponsabilidade pela Educação - ICE (ICE, 2015b). Nosso objetivo é examinar o desenho curricular a partir da perspectiva adotada nesses documentos. Nas análises, dialogamos principalmente com os aportes teóricos de Hall (1997), Foucault (2000), Laclau e Mouffe (2004; 2010), Canclini (1997) e com os seguintes críticos: Candau (1999), Lopes (2001), Freitas (2012), Veiga-Neto (2000; 2003), Lopes e Macedo (2011), Ball, Bowe e Gold (1992), Arroyo (2017), Silva (1995). Importou-nos analisar os documentos em foco, fazendo uma exegese entre aspectos que emergem deles, tentando detectar características diferenciadas que se possa apontar como as novidades prometidas nos discursos empreendidos nas Escolas Jovens do Acre. A partir dos documentos analisados, não encontramos descontinuidades ou rupturas com o desenho curricular anunciado no primeiro e no segundo documento, enxergamos uma roupagem mais “nova”, no sentido da perspectiva visual, estética e atraente a partir de um discurso redentor e salvador para promover uma transformação na vida de estudantes. Observamos que não há deslocamentos na compreensão de currículo, sobretudo porque ambos reforçam o trabalho a partir de competências, de modo prescritivo e sustentado pelo poder dominante.</p> <p>&nbsp;</p> Emilly Ganum Areal, Valda Inês Fontenele Pessoa Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4389 Ter, 15 Dez 2020 17:03:47 -0500 O ENSINO DE AURICULOTERAPIA PARA ESTUDANTES DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4360 <p>A auriculoterapia é uma técnica milenar da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), que segue os princípios da acupuntura chinesa. É uma prática capaz de realizar o diagnóstico, prevenção e tratamento de doenças físicas, mentais e de ordem emocional através do exame do pavilhão auricular. O tratamento ocorre através da estimulação de pontos auriculares, resultando no estímulo da área correspondente do corpo pelo cérebro. O estudo é um relato de experiência, que possui como objetivo descrever e discutir a experiência que foi implementar o ensino de auriculoterapia para os alunos de Medicina participantes da Liga Acadêmica de Práticas Integrativas e Tradicionais em Saúde - LAPITS da Universidade Federal do Acre, durante o período de fevereiro a dezembro de 2019. Para os estudantes de medicina, a auriculoterapia foi de grande valia e só acrescentou benefícios na vida acadêmica e profissional desses futuros profissionais médicos.</p> Mônica da Silva-Nunes, Thais Caroline Batista Dantas, Gustavo Gomes Dib Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4360 Ter, 15 Dez 2020 16:52:39 -0500 POR QUE EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO NA ESCOLA? https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4256 <p>Este texto propõe a possibilidade de construção do conhecimento sobre o trânsito a partir do espaço escolar como um meio para formar uma sociedade mais consciente. O objetivo é refletir sobre a educação para o trânsito como contribuição para a formação cidadã. A sustentação teórico-metodológica do presente estudo está pautada em estudos bibliográficos e documentais, considerando a legislação vigente, bem como pesquisadores que podem auxiliar nas reflexões. Quanto aos resultados, apresentam-se as possibilidades de desenvolver este tema na escola, trabalhando as regras, os valores e o respeito ao próximo nas questões de convivência tanto no espaço escolar como além deste. Neste sentido, o enfoque não é propor uma disciplina específica sobre educação para o trânsito, mas incluir este conhecimento a partir da ideia de que todos fazem parte deste contexto. Com isso, vai-se além das questões relativas às regras de circulação, resgatando o sentimento de cidadania e comprometimento nas relações sociais.</p> <p>&nbsp;</p> Elmir Jorge Schneider Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4256 Ter, 15 Dez 2020 16:53:49 -0500 IMPACTOS DO PARFOR: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4162 <p>Resumo: O presente estudo tem como objetivo refletir a respeito dos impactos que o Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (Parfor) promove na prática e na vida dos discentes da turma 01 do curso de Pedagogia da cidade de Cruzeiro do Sul-AC. Trata-se de uma investigação de caráter qualitativo e bibliográfico. Para realizá-la, além da pesquisa de campo e da aplicação de um questionário, também foi necessário recorrer a obras de autores como Lüdke e André (1986), Gil (1994), para fundamentar a metodologia; Saviani (2009) para obter informações sobre a formação docente no Brasil; Paulo Freire (2005) para pensar sobre a educação libertadora; entre outros.&nbsp; Ao término da pesquisa, é possível afirmar que o programa promove impactos positivos na prática pedagógica e na vida dos acadêmicos, os quais, a partir da formação que estão recebendo seguem transformando o mundo em seu entorno e sendo transformados por ele, tanto como profissionais quanto seres humanos.</p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> Formação docente; Transformações; Parfor.</p> <p>Resumo: O presente estudo tem como objetivo refletir a respeito dos impactos que o Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (Parfor) promove na prática e na vida dos discentes da turma 01 do curso de Pedagogia da cidade de Cruzeiro do Sul-AC. Trata-se de uma investigação de caráter qualitativo e bibliográfico. Para realizá-la, além da pesquisa de campo e da aplicação de um questionário, também foi necessário recorrer a obras de autores como Lüdke e André (1986), Gil (1994), para fundamentar a metodologia; Saviani (2009) para obter informações sobre a formação docente no Brasil; Paulo Freire (2005) para pensar sobre a educação libertadora; entre outros.&nbsp; Ao término da pesquisa, é possível afirmar que o programa promove impactos positivos na prática pedagógica e na vida dos acadêmicos, os quais, a partir da formação que estão recebendo seguem transformando o mundo em seu entorno e sendo transformados por ele, tanto como profissionais quanto seres humanos.</p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> Formação docente; Transformações; Parfor.</p> Anderson Vale da Rocha Rocha, Vera Lúcia de Magalhães Bambirra Copyright (c) 2020 REVISTA COMMUNITAS http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4162 Ter, 15 Dez 2020 16:55:19 -0500 APRENDIZADOS E TRANSFORMAÇÕES NA PRÁTICA PROFISSIONAL: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3619 <p>O presente artigo tem como principal objetivo trazer uma reflexão das experiências vivenciadas dentro de um contexto prisional, a partir das ideias de Foucault (2003), Albuquerque Júnior (2012), Le Goff (2012), Zaffaroni (1991) entres outros teóricos, em torno das questões sobre discurso, poder, sujeito e construção de identidades. Fazer essa reflexão não foi tarefa fácil, uma vez que os discursos, assim como comportamentos que permeiam o sistema prisional são impregnados de conflitos, relações de poder e significações considerando todos os sujeitos envolvidos nesse universo. Pensando, desta forma o presente artigo propõe descrever as relações de poder que estão por traz desses discursos e o papel do sujeito que vivência as experiências no local descrito através da prática profissional oportunizando a reflexão acerca de um universo pelo qual poucos vivenciam e que não se torna não menos importantes para discussões e aprofundamentos sobre a temática dos relacionamentos, vivências, aprendizagens e prática profissional.</p> Jirlany Marreiro Costa Bezerra Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3619 Ter, 15 Dez 2020 17:01:16 -0500 ASPECTOS MORFOSSINTÁTICOS DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS EM ASURINI DO XINGU https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3374 <p>RESUMO: Este artigo discute a formação das orações subordinadas em Asurini do Xingu e mostra como funcionam em relação à oração principal. A nominalização é o recurso largamente utilizado para formar essas orações. Entretanto, há um subconjunto de orações adverbiais que é constituído por morfemas subordinantes. A sintaxe é essencial para distinguir um tipo oracional de outro quando suas estruturas são morfologicamente idênticas. Em relação às orações independentes, as orações subordinadas apresentam marcadores de pessoa e concordância que as distinguem morfológica e sintaticamente daquelas orações. Os dados foram analisados em consonância com a abordagem tipológico-funcional, partindo de pressupostos teóricos encontrados em autores, como: Comrie (1989), Givón (2001), Dixon (2006).</p> <p>PALAVRAS-CHAVE: Morfologia; Sintaxe; Asurini do Xingu; Argumentos</p> <p>&nbsp;</p> Antônia Alves Pereira Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3374 Ter, 15 Dez 2020 16:35:56 -0500 IMAGENS SOB DESCRIÇÃO DO TELEJORNALISMO: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3926 <p>A audiodescrição é uma ferramenta fundamental de acessibilidade e de inclusão de pessoas com deficiência visual no contexto do telejornalismo. A partir da importância da audiodescrição, o objetivo deste artigo é fazer uma reflexão da audiodescrição na campanha “Desafio Farroupilha - Olhos do Coração”. Como conclusão, entendemos que a audiodescrição no telejornalismo é fundamental para que o acesso à informação seja mais igualitário entre os diversos públicos.</p> Michele Negrini, Milene Lages, Ester Caetano Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3926 Ter, 15 Dez 2020 17:02:36 -0500 O PROCESSO DE LUTA PELA TERRA E DE ESPACIALIZAÇÃO: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4400 <p>A partir da década de 1990, ocorre no país transformações significativas, e no contexto da questão agrária brasileira, crescem a organização de grupos e movimentos sociais que demonstram, por meio de sua luta e resistência, a intenção de garantir a viabilização e aplicação de políticas que atendam as demandas sociais. Diante das lutas e da resistência de homens e mulheres organizados em grupos e movimentos sociais, buscou-se identificar e analisar o processo de luta por terra e de espacialização em Ituiutaba. Para tal realizou-se levantamento bibliográfico, identificação dos principais grupos e movimentos sociais, verificação de legislações e leis, coleta de dados primários e secundários. A partir disso, identificou-se que a construção de territórios e a constituição dos primeiros assentamentos rurais do município são resultantes da organização, luta e resistência de sujeitos oriundos, majoritariamente, de municípios do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba e nas áreas desapropriadas do município de Ituiutaba, as famílias assentadas com o acesso à terra construíram seus modos de vida e trabalho.</p> Elaine Aparecida Ramos, Ana Claudia Giannini Borges Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4400 Ter, 15 Dez 2020 16:40:25 -0500 O TERCEIRO SETOR SOB A PERSPECTIVA DO DIREITO EMPRESARIAL: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4428 <p>O presente trabalho questiona o papel e a eficiência da atuação do terceiro setor como contributo estatal e, mais além, pondera os reflexos do advento de sua atuação em atividades tipicamente empresárias. Dada as mudanças ocorridas na sociedade com o passar do tempo o Estado necessitou enxugar sua máquina com o fim de possibilitar a melhoria na qualidade dos serviços públicos prestados a fim de alcançar uma execução eficiente da atividade econômica. É nesse cenário que o Estado, na qualidade de principal garantidor das prerrogativas fundamentais, adotando o modelo neoliberal, descentraliza sua esfera de atuação, firmando uma parceria pública-privada e agindo lado a lado com sociedade civil, fazendo surgir na estrutura legal brasileira as agências reguladoras. Cumpre, então, investigar se o terceiro setor atua conforme o esperado, prestando um serviço eficiente e menos oneroso, o que, em última análise, legitimaria sua existência no seio da Administração Pública. Para tanto, foram feitas pesquisas qualitativas bibliográficas e utilização do método hipotético-dedutivo.<br><br></p> Reinaldo Rosa dos Santos, Bruno Valverde Chahaira Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4428 Ter, 15 Dez 2020 16:34:25 -0500 O TOMISMO ARISTOTÉLICO E A FILOSOFIA DO DIREITO: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4430 <p class="Corporesumoabstract"><a name="_Hlk29456907"></a>O seguinte estudo tem por tema a importância do movimento filosófico do Tomismo Aristotélico para o desenvolvimento das ciências filosóficas e jurídicas de forma geral. O objetivo principal foi realizar uma apresentação desta corrente de pensamento, de maneira que buscou-se tratar, por meio de uma pesquisa bibliográfica, da relevância do Tomismo para a formação de um panorama desta linha de estudo da filosofia do Direito.</p> Francisco Nathan de Amorim Silva, Diego Marques Gonçalves, Rafael Marcos Costa Pimentel Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4430 Ter, 15 Dez 2020 16:31:46 -0500 O PNAIC EM UM CONTEXTO HISTÓRICO-CRÍTICO DAS POLÍTICAS DE FORMAÇÃO NO BRASIL https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4429 <p>Esta pesquisa traz como um dos objetivos, analisar a implementação do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa -PNAIC- na condição de política pública recente para a formação de professores no Brasil. Utilizamos a perspectiva histórico-crítica e seus desdobramentos na dialética materialista a partir de autores, a saber: Marx e Engels (1998), Saviani (1993, 2012), Nosella e Frigotto (2012). Entre nossos questionamentos destaca-se: sob qual perspectiva política e pedagógica o programa foi pensado? Que constructos históricos justificam esta proposta de formação docente no Brasil recente? Quais foram os pontos consensuais que precisam ser avaliados? Nos aspectos metodológicos, utilizamos observação, documentos oficiais e não oficiais, módulos de formação, entrevistas, entre outros. A pesquisa evidenciou a apropriação fragmentada e oportunista do sistema político educacional ante as tendências pedagógicas difundidas historicamente no Brasil.</p> Juliana Cândido Matias, Josemir Almeida Barros Copyright (c) 2020 Communitas http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4429 Ter, 15 Dez 2020 16:33:13 -0500 A ORGANIZAÇÃO DO ENSINO ESCOLAR VISANDO O DESENVOLVIMENTO DO PENSAMENTO TEÓRICO https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4103 <p>Este artigo busca refletir sobre a organização do trabalho docente com os conteúdos escolares a fim de promover o desenvolvimento do pensamento teórico nos estudantes. Parte da necessidade de superar a base ainda prevalecente em grande medida no ensino escolar brasileiro, que tem como característica a formação do pensamento empírico, prático-utilitário, uma vez que os conceitos são trabalhados de modo superficial, reprodutivo, na observação de objetos e fenômenos. Planejar as ações pedagógicas visando o desenvolvimento do pensamento teórico encontra na Psicologia Histórico-Cultural referencial teórico que possibilita aos professores a organização intencional da prática pedagógica, baseada no conceito de atividade de ensino, tendo em conta o desenvolvimento integral dos educandos durante o processo de aprendizagem, promovendo a consciência não ingênua. Logo, esta pesquisa exploratória, de cunho bibliográfico, teórico-conceitual, aponta considerações a respeito da organização do trabalho pedagógico sob a compreensão histórico-cultural de desenvolvimento humano, o que exige do professor intencionalidade, atingida por meio de conhecimento teórico-metodológico consistente.</p> Maria Silvia Rosa Santana, Daniela Cristina Gomes Souto Copyright (c) 2020 REVISTA COMMUNITAS http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4103 Ter, 15 Dez 2020 00:00:00 -0500