A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NA AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM E DE APRENDIZAGEM

  • Ana Regina e Souza Campello INES
  • Wendel de Oliveira UNIR - Universidade Federal de Rondônia
Palavras-chave: Balbucio, Libras, Aquisição de Linguagem, Família

Resumo

A importância da língua de sinais Brasileira na aquisição da linguagem e de aprendizagem diz respeito ao estudo da importância de se manter a cultura surda dentro das instituições de ensino, para que o aluno surdo venha a ter um bom desempenho educacional e social. Utilizando a técnica da metodologia de investigação qualitativa que é a Observação Participante na educação do surdo e todos os parâmetros necessários para que ocorra a aquisição da língua de sinais, como a primeira língua e a língua portuguesa, que é considerada a sua segunda língua oficial. Chegando à conclusão que se faz necessário a prática e utilização da língua de sinais brasileira e tudo que envolve a cultura surda dentro da instituição de ensino, para que ocorra um melhor desempenho educacional desse aluno surdo.

Biografia do Autor

Ana Regina e Souza Campello, INES

Profa. e Dra. do Departamento de Ensino Superior
Pesquisadora Líder do CNPQ

Ex Professora Colaboradora da POS Graduação Estudos de Tradução - UFSC

Colaboradora do CMPDI - UFF

Wendel de Oliveira, UNIR - Universidade Federal de Rondônia

Professor de Libras

Departamento de Letras / Libras

Referências

BRASIL. Decreto no 5.626, 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o artigo 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial [da) República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm. Acessado em agosto de 2018.

CAMPELLO, Ana Regina e Souza. Aspectos da visualidade na educação de Surdos. Tese de Doutorado. Florianópolis: UFSC. 2008.

CAPOVILLA, F. C.; CAPOVILLA, A. G. S. Educação da criança surda: o bilinguismo e o desafio da descontinuidade entre a Língua de Sinais e a escrita alfabética. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília: ABPEE, v. 8, n. 2, p. 127-156, 2002.

COLUNISTA. Portal Educação-Fonoaudiologia, 2018. Disponível em: https://www.portaled ucacao.com.br/conteudo/artigos/fonoaudiologia/cultura-surda/12141. Acessado em agosto de 2018.

DANESI, Marlene Canarim. O admirável mundo dos surdos: novos olhares do fonoaudiólogo sobre a surdez. Porto Alegre, 2001.

EDUCAÇÃO. Revista Brasileira. A Revista Brasileira de Educação e a difusão da pesquisa educacional (2007-2011), 2012. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302005000200014. Acessado em agosto de 2018.

FERNANDES, S. F. Educação bilíngue para Surdos: Identidades, Diferenças, Contradições e Mistérios. Tese de doutorado em Letras, Estudos Linguísticos da UFPR. Curitiba, 2003.

KARNOPP, L. Língua de sinais na educação dos surdos. In: THOMAS, A. S.; LOPES, M. C. A invenção da surdez: cultura, alteridade, identidades e diferença no campo da educação. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2004, p. 103-113.

KARNOPP, Lodenir. Aquisição da Linguagem de Sinais: uma entrevista com Lodenir Karnopp. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL. Vol. 3, n. 5, agosto de 2005. Disponível pelo link: www.revel.inf.br. Acessado em janeiro de 2019.

KARNOPP, Lodenir e QUADROS, Ronice M. de. Educação infantil para Surdos. IN: ROMAN, Eurilda Dias; STEYER, Vivian Edite (Org). A criança de 0 a 6 anos e a educação infantil: um retrato multifacetado. Canoas, 2001, p. 214-230.

KYLE, J. O ambiente bilíngue: alguns comentários sobre o desenvolvimento do bilinguismo para surdos. In: SKLIAR, C. (Org.). Atualidades da educação bilíngue para surdos. Porto Alegre: Mediação, 1999. p. 15-26.

LACERDA, C. B. F. de. Um pouco da história das diferentes abordagens na educação dos surdos. Caderno CEDES, v. 19, n. 46, Campinas, p. 1-8, 1998.

________________. A Inclusão Escolar de Alunos Surdos: O que dizem alunos, professores e Intérpretes sobre esta Experiência. Caderno Cedes, Campinas, vol. 26, n. 69, p. 163-184, maio/ago. 2006. Disponível pelo link: HTTP://www.cedes.unicamp.br. Acessado em janeiro de 2019.

LEBEDEFF, T. B. O povo do Olho: Uma discussão sobre a Experiência visual e Surdez. IN: LEBEDEFF, Tatiana B. (orgs.). Letramento Visual e Surdez. Wak Editora: Rio de Janeiro. 2017. p. 226-251

LUTERMAN, D. M., KURTZER-WHITE, E. & SEEWALD, R. C. The young deaf child. Baltimore, Maryland: York Press. 1999.

MARQUES, H. de C. R.; BARROCO, S. M. S.; SILVA, T. dos S. da; O ensino da língua brasileira de sinais na educação infantil para crianças ouvintes e surdas: considerações com base na Psicologia Histórico-Cultural. Revista Brasileira de Educação Especial. Marília, v. 19, n. 4, p. 503-518, 2013.

MÓNICO, Lisete S.; ALFERES, Valentim R,; CASTRO, Paulo A.; PARREIRA, Pedro M. A Observação Participante enquanto metodologia de investigação qualitativa. Atas CIAIQ. Investigação Qualitativa em Ciências Sociais (Investigación Cualitativa en Ciencias Sociales) Volume 3. 2017.

MOURA, Maria Cecília de. O surdo: caminhos para uma nova identidade. Tese de Doutorado. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 1996.

PERLIN, Gladis. As Diferentes Identidades Surdas. Revista da FENEIS. Ano IV, Número 14, Abril/Junho. 2002, p. 15-16. https://issuu.com/feneisbr/docs/revista_feneis_14. Acessado em janeiro de 2019.

PINHEIRO, Lucineide Machado. Língua de sinais brasileira: libras I. São Paulo: Know How, 2010.

RIBEIRO, Marília de Fátima C.; SANTO, Wladia Félix E. Libras: língua materna do surdo brasileiro. In: ROSA, Suely Pereira da Silva et al. Fundamentos Teóricos e Metodológicos da Inclusão. Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2008.

QUADROS, R.M. Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre. Artmed, 1997.

QUADROS, R. M. de & LILLO-MARTIN, D. Aquisição das línguas de sinais e a morfologia verbal nas línguas de sinais brasileira e americana. In Anais do I Encontro do Nordeste em Aquisição da Linguagem – I ENEAL – 2005. (CD)

QUADROS, R. M.; LILLO-MARTIN, D.; MATHUR, G. O que a aquisição da linguagem em crianças surdas tem a dizer sobre o estágio de infinitivos opcionais? Letras de Hoje, Porto Alegre, p. 391-398, 2001.

QUADROS, RONICE M. DE. KARNOPP, LODENIR B. Língua de Sinais Brasileira: Estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

QUADROS Ronice Muller De; CRUZ, Carina Rabello. Língua de Sinais: Instrumentos de Avaliação Porto Alegre, Artes Médicas, 2011.

STELLING, Esmeralda e STELLING, Luiz Felipe. A criança é Surda, a família quer saber. Atual Design: Niterói: RJ. 2016. 139 p.

STUMPF, M. Aquisição da escrita de língua de sinais. Letras de Hoje, 2001, p. 125; 373-381.

___________. Transcrições de língua de sinais brasileira em signwriting. In: LODI, Ana Claúdia B. et al. (Orgs.). Letramento e minorias. Porto Alegre: Mediação, 2003. p. 62-70.

___________. Sistema Signwriting: por uma escrita funcional para o surdo. In: THOMAS, A. S.; LOPES, M. C. A invenção da surdez: cultura, alteridade, identidades e diferença no campo da educação. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2004, p. 143-159.

STUMPF, M. R.; RANGEL, G. M. M. A pedagogia da diferença para o surdo. In: LODI, Ana Claudia Balieiro; HARRISON, Kathryn Marie Pacheco; CAMPOS, Sandra Regina Leite de; TESKE, Ottmar. (Org.). Leitura e escrita no contexto da diversidade. 1ed. Porto Alegre: Mediação, 2004, v. 533, p. 86-97.

SKLIAR, Carlos (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: 1998.

STROBEL, Karin. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis, Editora UFSC: 2008.

Publicado
2019-06-17