<b>VIRAGEM PARADIGMÁTICA: NOTAS SOBRE O PERÍODO EXTRACLASSE

  • Juliana Godói de Miranda Perez Alvarenga Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Macaé
  • Clarissa Moura Quintanilha Faculdade Cnec- Ilha do Governador
Palavras-chave: Formação de professores Extraclasse, Viragem Paradigmática, Políticas de Formação,

Resumo

O presente artigo busca refletir algumas questões apontadas sobre a incorporação do período extraclasse docente como momento formativo, introduzindo como jornada de trabalho os atos de: Planejar, Estudar e Avaliar. Nesse sentido, a proposta de Kenneth Zeichnner (1993) do professor-pesquisador/professor-reflexivo, no entendimento de que o contato com o campo possibilita uma avaliação sobre sua prática e de novas possibilidades de atuação, apontam para uma viragem paradigmática na educação. Desta forma, pautamos o trabalho no levantamento do Plano Nacional de Educação (PNE), na Lei 13.005 de 25 de junho de 2014, no Piso Salarial Profissional Nacional para os profissionais do Magistério e na Lei 11.738 de 16 de julho de 2008, na busca pela discussão legal que conceitua os novos rumos da formação de professores dando enfoque em sua permanente construção. Haja visto que, nesta análise, a categoria docente é tida como sujeitos em permanente processo de aprendizagem e construção de sua práxis.

Biografia do Autor

Clarissa Moura Quintanilha, Faculdade Cnec- Ilha do Governador
Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Educação: Processos Formativos e Desigualdades Sociais (FFP/UERJ). Possui graduação em licenciatura plena em Pedagogia pela Universidade do Estado Rio de Janeiro- Faculdade de Formação de Professores- UERJ/ FFP (2011) e em Psicologia (bacharelado) pela Faculdades Integradas Maria Thereza- FAMATH/ RJ (2016). Tem especialização no campo da Arteterapia e Expressões Criativas pela Faculdade das Ciências e da Saúde de São Paulo- FACIS IBEHE/ SP (2013) e em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Faculdades Integradas Maria Thereza- FAMATH/ RJ (2015). Estudante do curso de Filosofia (bacharelado e licenciatura) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro- UERJ. Também está em formação em Terapia de Casal e Família ministrada pelo Centro de Atendimento e Aperfeiçoamento em Psicologia- CAAPSY/ RJ. Atualmente é professora em regime parcial da Faculdade CNEC Ilha do Governador dos cursos de Pedagogia, Engenharia e Administração. Pesquisa o campo da Educação, dialogando com as narrativas docentes, a abordagem (Auto)Biográfica, a formação transdisciplinar do professor, a teoria da complexidade e a psicologia analítica. É membro dos Grupos de pesquisa: "Formação de Professores, Processos e Práticas Educativas", coordenado por Helena Amaral Fontoura da FFP/UERJ e "Cultura, Subjetividade, Linguagem e Educação", coordenado por Maria Lucia de Abrantes Fortuna

Referências

BRAGANÇA, Inês Ferreira de Souza; PEREZ, Juliana Godói de M. Formação continuada em Escolas de Tempo Integral: narrativas de professoras. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 4, p. 1161-1182, out./dez. 2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP n. 02/2015, de 1o. de julho de 2015. Brasília, DF, 2015.Disponívelem:http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17719-rescne- cp-002-03072015&Itemid=30192. Acesso em: 01 de junho de 2018.

BRASIL. Lei 11.738 de 16 de julho de 2008. Regulamenta a alínea “e” do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 17 jul. 2008. P. 1. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11738.htm . Acesso em: 07 maio de 2018.

BRASIL. Lei nº 12.796, de 4 de abril de 2013. Dispõe sobre a formação dos profissionais da educação e das outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, F, 5 abr. 2013. P. 1. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm . Acesso em: 13 maio 2018.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências, 2014. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 26 de jun. 2015. P. 1. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/fnde/legislacao/leis/item/5774- lei-n%C2%BA13-005,-de-25-de-junho-de-2014 . Acesso em: 15 junho de 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Básica n° 9/ 2009. Estudo sobre a Lei do Piso Salarial. Brasília, DF, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/pceb009_09.pdf. Acesso em: 25 de maio de 2018.

CNTE - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Retrato da escola II. Brasília, DF: CNTE, 2001. Disponível em: http://www.cnte.org.br/index.php/institucional/a-cnte.html. Acesso em: 27 de maio de 2018.

. ______. Diretrizes para a carreira e remuneração. Cadernos de Educação, Brasília, DF, v. 14, n. 21, out. 2009.

FINGER, Matthias; NÓVOA, António (Org.). O método (auto)biográfico e a formação. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

FERNADES, Maria Dilnéia Espíndola; RODRIGUES, Margarita Victoria. O processo de elaboração da lei n. 11.738/2008 (lei do piso salarial profissional nacional para carreira e remuneração docente): trajetória, disputas e tensões. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.41, p. 88-101, mar 2011 - ISSN: 1676-2584.

GATTI, Bernardete Angelina. Análise das Políticas Públicas para Formação Continuada de Professores na Última Década. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 37, p. 57-72, jan./abr. 2008.

______. (coord); BARRETO, Elba Siqueira de Sá. A formação continuada em questão.

Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: Unesco, 2009.

______. Por uma política nacional de formação de professores.1ª Ed. São Paulo: 2013. pp. 199-210.

MAURICIO, Lúcia Velloso. A opção pelo magistério representada por professoras de ensino fundamental em memoriais. Belo Horizonte: Educação em Revista, v. 25, n° 1. p. 115-137, 2009.

MONTEIRO, Ana Maria. Ciep – escola de formação de professores. MAURÍCIO. Lúcia Velloso (Org) Educação integral e tempo integral. Em Aberto / Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. v. 1, n. 1,(nov. 1981- ). – Brasília : O Instituto, 2009.

MORIN, Edgar. Os setes saberes necessários à educação do futuro. 2ª ed. São Paulo: Cortez; Brasília: Unesco, 2000.

NÓVOA, António. O passado e o presente dos professores. In: Nóvoa. António (org.)Profissão Professor. Portugal: Porto Editora. 2a ed. 1999. pp. 13-34

______. Os professores e as Histórias da sua vida. In: NÓVOA, António (Org.) Vidas de Professores. Portugal: Porto Editora. 1992. pp. 7-25

RIBEIRO, Darcy. O livro dos CIEPs. Rio de Janeiro: Bloch, 1996.

ZEICHNER, Kenneth M. A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa, 1993.

Publicado
2018-06-02