CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NA AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA NA EDUCAÇÃO DE SURDOS

Palavras-chave: Educação de surdos, Contação de histórias, Aquisição da língua portuguesa escrita, Bilinguismo.

Resumo

RESUMO: A presente pesquisa tem por objetivo investigar a importância da contação de histórias na aquisição da língua portuguesa escrita como L2 por alunos surdos, uma vez que sua primeira língua é a de sinais e é nela que o ensino dos surdos deve ser priorizado de acordo com a proposta embasada no Bilinguismo, conforme esse trabalho se propõe. A contação de histórias oferece ao aluno surdo o legado cultural ao qual ele não tem acesso se não tiver contato com indivíduos de um grupo familiar ou social com o qual possa se comunicar na língua de sinais, assim como oportuniza um aprendizado tanto de sua L1, no caso brasileiro a Libras, como da língua portuguesa escrita trabalhada de forma prática, uma vez que por meio da interação e da imitação o aluno surdo desenvolverá seus métodos de contação de histórias como também de produção escrita na língua portuguesa.

 

 

Biografia do Autor

Paulo Augusto Nedel

Graduado em Letras - Português e Literatura - pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001), Mestre em Letras - Literaturas Portuguesa, Brasileira e Africanas de Língua Portuguesa - pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2007), Especialista em Educação Especial e Processos Inclusivos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Especialista em Educação para Surdos pela Universidade Luterana do Brasil, Especialista em Psicopedagogia Institucional pela Universidade Castelo Branco. Professor das redes municipais de educação de Viamão e Alvorada desde 2003. Atualmente é professor na EMEF Presidente Getúlio Vargas.

Referências

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

A EDUCAÇÃO que nós surdos queremos. Documento elaborado pela comunidade surda a partir do Pré-Congresso ao V Congresso Latino Americano de Educação Bilíngüe para Surdos, realizado em Porto Alegre – RS, no Salão de Atos da Reitoria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul nos dias 20 a 24 de abril de 1999. Disponível em: <https://docplayer.com.br/18634121-A-educacao-que-nos-surdos-queremos. html>. Acesso em: 25 jan. 2008.

ALVES, A. C. C.; KARNOPP, L. B. “O surdo como contador de histórias”. In: LODI, A.C.B.; HARRISON, K.M.P.; CAMPOS, S.R.L.; TASKE, O. (Orgs.) Letramento e minorias. Porto Alegre: Mediação, 2002.

BETTELHEIM, B. A Psicanálise dos Contos de Fadas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

COELHO, N. N. Literatura Infantil: teoria – análise – didática. São Paulo: Ática, 1991.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989.

FREITAS, M. T. A. O pensamento de Vygotsky e Bakhtin no Brasil. Campinas: Papirus, 1994.

HESSEL, C.; ROSA, F.; KARNOPP, L. Cinderela Surda. Canoas: Ed. ULBRA, 2003.

KELMAN, C. A. Multiculturalismo e surdez: uma questão de respeito às culturas minoritárias. In: FERNANDES, E. (Org.). Surdez e Bilingüismo. Porto Alegre, Mediação, 2005.

LEBEDEFF, T. B. “Práticas de letramento na pré-escola de surdos: reflexões sobre a importância de contar histórias.” In: THOMA, A. S.; LOPES, Maura Corcini. A Invenção da Surdez: Cultura, alteridade, identidade e diferença no campo da educação. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2004.

PEREIRA, Maria Cristina da Cunha. Papel da língua de sinais na aquisição da escrita por estudantes surdos. In: LODI, A.C.B.; HARRISON, K.M.P.; CAMPOS, S.R.L.; TASKE, O. (Orgs.) Letramento e minorias. Porto Alegre: Mediação, 2002.

PEREIRA, M. C. C. Aquisição da língua(gem) por crianças surdas, filhas de pais ouvintes. In: FERNANDES, E. (Org.). Surdez e Bilingüismo. Porto Alegre, Mediação, 2005.

QUADROS, R. M. O ‘BI’ em bilingüismo na educação de surdos. In: FERNANDES, Eulalia (Org.). Surdez e Bilingüismo. Porto Alegre, Mediação, 2005.

SÁ, L. R. L. Educação de Surdos: a caminho do Bilingüismo. Niterói: EdUFF, 1999.

SÁNCHEZ, C. Los sordos, la alfabetzación y la lectura: sugerencias para la desmistificación del tema. Venezuela, Mérida: Asociación Civil para la Prevención de la Repitencia Injusta (ARI), 2003.

SILVA, A. P. B. V. Psicogênese da Linguagem oral e escrita. Curitiba: IESDE, 2005.

THOMA, A. S. Educação de surdos; dos espaços e tempos de reclusão aos espaços e tempos inclusivos. In: THOMA, A. S.; LOPES, M. C. (Org.). A Invenção da Surdez II: espaços e tempos de aprendizagem na educação de surdos. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2006.

Publicado
2019-06-17