A LGBTIFOBIA COMO AGENTE DA EXCLUSÃO ESCOLAR

Uma aposta no combate a essa fobia.

Autores

Palavras-chave:

lgbtifobia; exclusão escolar; bullying.

Resumo

É comum ouvirmos que brincadeiras e piadas sempre existiram na escola e que isso não devia ser visto como práticas de bullying. Contudo, pesquisas desenvolvidas (SEPULVEDA, 2012; FREITAS, 2010; JUNQUEIRA, 2014) nos últimos anos evidenciam que tais ações são formas de exclusões envolvendo o contexto escolar. Estas opressões podem ser caracterizadas por atos contínuos de abuso, sejam estes físicos, verbais ou materiais, numa relação desigual entre xs envolvidxs. A LGBTIfobia são formas de bullying praticados contra lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros, travestis e intersexuais e se configuram como práticas de exclusões. Apesar da ascensão do tema, a LGBTIfobia não é apenas um problema educacional, pois está presente na sociedade como um todo. Portanto, não cabe apenas a esta instituição tentar resolver tal questão, pois também é social, uma vez que afeta a qualidade de vida e o bem-estar de todxs xs abrangidxs. A escola, muitas vezes, e aqui precisamos afirmar, que não são todas as escolas, pois cada uma é diferente da outra, não estão isentas de reproduzirem tais fenômenos sociais contra grupos minoritários, mas acima de tudo é um espaço de educação e de socialização. Contudo, também não podemos deixar de analisar que as práticas de exclusão LGBTIfóbicas que ocorrem em algumas dessas instituições, como reprodutoras do que está presente na sociedade, precisam ser problematizadas neste artigo, pois levam muitxs alunxs LGBTIS+ ao sofrimento (SEPULVEDA, 2012 e 2015). 

Biografia do Autor

José Antonio Sepulveda, Universidade Federal Fluminense

Mestre e Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atua como Professor na Universidade Federal Fluminense. É líder do Grupo de Estudos e Pesquisa Conservadorismo e Educação Brasileira (GEPCEB) e Sub-líder do Grupo de Estudo e Pesquisa Gêneros, Sexualidades e Diferenças nos Vários EspaçosTempos da História e dos Cotidianos (GESDI). E-mail: jamsepulveda3@hotmail.com

Referências

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
CASTEL, Robert. As armadilhas da exclusão. In: CASTEL, Robert; WANDERLEY, Luiz Eduardo W.; WANDERLEY, Mariangela Belfiore. Desigualdade social e a questão social. São Paulo: Educ, 2007.
DAVIS, A. (2016). Mulheres, raça e classe, trad. Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo.
FERRARI, Anderson. Você já deve saber sobre minha “orientação sexual” (se não sabia, ficou sabendo agora, hehe) – subjetividades e sujeitos em negociação. In: FERRARI, Anderson. Sujeitos, subjetividades e Educação. Juiz de Fora: UFJF, 2010.
FERREIRA, Maria Elisa Caputo; GUIMARÃES, Marly. Educação Inclusiva. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.
FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.
FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos: estratégia − poder e saber. Rio de Janeiro: Forense, 2006. vol. 4.
GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas e sinais. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
JUNQUEIRA, Rogerio Diniz. Heteronormatividade e vigilância de gênero no cotidiano escolar. In: RODRIGUES, Alexsandro; DALLAPICULAM Catarina; FERREIRA, Sérgio Rodrigo da S. Transposições Lugares e Fronteiras em Sexualidade e Educação. Vitória: EDUFES, 2014.
JUNQUEIRA, Rogerio Diniz. Currículo Heteronormativo e Cotidiano Escola Homofóbico. Espaço de Currículo, v. 2, pp. 208 – 230. Setembro de 2009 a Março de 2010.
LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.
LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 10. Ed. Petropolis, RJ: Vozes, 1997.
MARCHESI, Alvaro; MARTÍN, Elena. Da terminologia do distúrbio às necessidades educacionais especiais. In: COLL, César; PALACIOS, Jesús; MARCHESI, Alvaro. Desenvolvimento Psicológico e Educação: necessidades educativas especiais e aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
SANTOS, Boaventura de Sousa. Um ocidente não ocidentalista? A filosofia à venda, a douta ignorância e a aposta Pascal. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENEZES, Maria Paula. Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.
SAWAIA, Bader. As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.
SEPULVEDA, Denize. Emancipação social e exclusão no cotidiano escolar: a homofobia e sua influência nas tessituras identitárias. Tese de doutorado em Educação. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2012.
SEPULVEDA, Denize; SEPULVEDA, Jose Antonio. Laicidade do Estado e da educação: valorizando as discussões sobre gêneros e sexualidades nas escolas públicas. Restratos da Escola, v; 14, n. 28, p. 91-105, jan./abr. 2020.
SEPULVEDA, Jose Antonio; SEPULVEDA, Denize. O pensamento conservador e sua relação com práticas discriminatórias na educação: A importância da laicidade. Revista Teias, v. 17, n. 47, 2016.
SILVA, Adriana da. A roda de conversa e sua importância na sala de aula. 75 f. Monografia (Licenciatura em Pedagogia) – Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2012.
UNESCO. Final Report on the World Conference on Special Needs Education: Access and Quality. Salamanca: Ministry of Education and Science, 1994.

Downloads

Publicado

2021-03-30

Como Citar

CORREA, R.; SEPULVEDA, J. A. A LGBTIFOBIA COMO AGENTE DA EXCLUSÃO ESCOLAR: Uma aposta no combate a essa fobia. Communitas, [S. l.], v. 5, n. 9, p. 95–110, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4670. Acesso em: 17 abr. 2021.