ENTRE LAÇOS QUE EDUCAM

gênero, sexualidade e resistência na trajetória de mulheres lésbicas

Autores

Palavras-chave:

gênero; pedagogia do sexo; dispositivos; heterossexualidade compulsória; resistência.

Resumo

Neste artigo, nos propomos a analisar algumas problematizações sobre gênero e sexualidade emergentes na trajetória de mulheres que se autodeclaram lésbicas. Interessa-nos os processos de generificação e pedagogização do sexo/sexualidade vividos através de suas relações familiares e escolares, e, em especial, durante as infâncias e adolescências. Metodologicamente, trabalhamos com a análise do discurso foucaultiana e com os estudos feministas, em especial, com as autoras Judith Butler e Adrienne Rich, entre outras autoras e autores que nos ajudaram a compreender como funcionam os dispositivos de sexualidade e pedagógicos, quais seus efeitos e as resistências que deles irrompem. Voltamo-nos às vivências familiar e escolar por operaram nos processos de feminilização e na tentativa de destinar estas sujeitas, compulsoriamente, à heterossexualidade. Todavia, para além desses processos que são instaurados e reiterados, discutiremos sobre algumas estratégias de resistência que são produzidas no interior dessas tramas e através das quais estes padrões de gênero e sexualidade instituídos são confrontados, rejeitados e reconfigurados no curso de vida dessas mulheres.

Biografia do Autor

Patricia Almeida, Universidade Federal de Pernambuco

Doutorado em Educação - em andamento - desde 2018, na Universidade Federal de Pernambuco/UFPE. Mestrado em Educação(2014) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte/UFRN na linha de pesquisa em Práticas pedagógicas e Currículo. Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade de Pernambuco/UPE.Integra o Grupo de Estudo em Religiosidades, Educação, Memórias e Sexualidades (REMS/UFPE) inscrito no CNPq. Atualmente está vinculada à Gerência de Políticas Educacionais em Educação Inclusiva, Direitos Humanos e Cidadania - GEIDH /PE. Desde 2009, é professora de Educação física vinculada à rede pública estadual de Pernambuco no Ensino fundamental e Ensino médio. Atuou no Ensino superior como professora no curso de Licenciatura em Educação física e no Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT).Teve experiências com formação continuada junto aos professores/as indígenas e demais professores/as da rede estadual nas áreas de Educação/Educação Física e tem interesse nos seguintes temas: aspectos históricos, filosóficos e sociológicos da Educação/Educação física,gênero, sexualidades, Educação física escolar, currículo, prática pedagógica e Educação escolar indígena.

Aurenéa Maria de oliveira, Universidade Federal de Pernambuco

Aurenéa Maria de Oliveira é licenciada em História pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), mestre em Ciência Política e doutora em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). É pós-doutorada pela PUC-PR. Atualmente é professora associada da UFPE, Centro de Educação, Departamento de Fundamentos Sócio-Filosóficos da Educação. É também professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPE (Núcleo de Identidades e Memórias) e líder do Grupo de Estudo em Religiosidades, Educação, Memórias e Sexualidades (UFPE) cadastrado no CNPq. É igualmente pesquisadora do grupo Teoria e História da Educação (UFPE) também cadastrado no CNPq. Tem experiência no campo da Educação, Sociologia, História e Ciência Política com ênfase nas discussões sobre tolerância/intolerância religiosa, inclusão/exclusão social, multiculturalismo, pluralismo/diferença, atuando principalmente nas temáticas que envolvem Educação, Ensino Religioso/Religiosidades e Gênero, Sexualidades/Construção de Corpos nos Espaços Escolares e não Escolares. 

Referências

ALTMANN, Helena. Rompendo fronteiras de gênero: Marias (e) homens na educação física. Dissertação de Mestrado em Educação. Belo Horizonte: UFMG, 1998. p. 111.
AUSTIN,J.L. Quando Dizer é Fazer. Trad. Danilo Marcondes de Souza Filho. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.
ARIÈS, P. História social da infância e da família. Tradução: D. Flaksman. Rio de Janeiro: LCT, 1978.
BEAUVOIR, Simone. O Segundo Sexo – fatos e mitos; tradução de Sérgio Milliet. 4. ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1980.
BUJES, Maria Isabel E. Infância e maquinarias. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.
BUSIN, Valéria Melki. Religião, sexualidades e gênero. Rever – Revista de Estudos de Religião, ano 11, n. 1, p. 105-124, 2011.
BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.
FINCO, Daniela. Relações de gênero nas brincadeiras de meninos e meninas na Educação Infantil. Pro-Posições: Dossiê: Educação Infantil e Gênero, vol. 14, nº 42, 2003, p. 89-102.
FOUCAULT, Michael. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979. p. 289.
_____________. História da Sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1999.
_____________. Poder e Saber. In: Ditos e Escritos IV: Estratégia, Poder-Saber. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2003.
_____________. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Trad. Lígia M. Ponde Vassalo. Petrópolis: Vozes, 1987.
FRANZINI, Fábio. Futebol é "coisa para macho"? Pequeno esboço para uma história das mulheres no país do futebol. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 25, n. 50, p. 315-328, 2005.
GOELLNER, Silvana V. Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades. Rev. Bras. Educ. Fís. Esp., São Paulo, v. 19, n. 2, p. 143-51, abr/ jun 2005.
LORDE, Audre. A transformação do silêncio em linguagem e ação. In: Associação de Línguas Modernas, painel Lésbicas e literatura, 1977. Disponível em: < https://www.geledes.org.br/a-transformacao-do-silencio-em-linguagem-e-acao/> . Acesso em: 08 jun. 2019.
LORDE, Audre. Irmã Outsider: Ensaios e conferências. Trad. Stephanie Borges. São Paulo: Autêntica, 2019.
NARVAZ, Martha; NARDI, Henrique Caetano. Problematizações feministas à obra de Michel Foucault. Rev. Mal-Estar Subj., Fortaleza, v. 7, n. 1, p. 45-70, mar. 2007. Disponívelem:<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151861482007000100005&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 6 jul. 2020.
PLATERO, Raquel (Lucas). “Sobrevivir al instituto y a la facultad: voces y vivencias sobre la heteronormatividad, la homofobia y la masculinidad de las chicas”. Revista de Estudios de Juventud, 89, 2010.
_____________. La masculinidad de las biomujeres: marimachos, chicazos, camioneras y otras disidentes. Ponencia impartida el 6 de diciembre de 2009 en las Jornadas Estatales Feministas de Granada. Disponivel em http://www.feministas.org/IMG/pdf/La_masculinidad_de_las_biomujeresPlatero.pdf Acesso em 7 de jun 2020.
RIBEIRO, Jucélia Santos Bispo. Brincadeiras de meninas e de meninos: socialização, sexualidade e gênero entre crianças e a construção social das diferenças. Cad. Pagu, Campinas, n. 26, p.145-168, June 2006. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010483332006000100007&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 28 de abril de 2020.
RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e a existência lésbica. Tradução de Carlos Guilherme do Valle. Revista Bagoas. Nº 5, 2010.
VIANNA, Claudia; FINCO, Daniela. Meninas e meninos na Educação Infantil: uma questão de gênero e poder. Cad. Pagu, Campinas, n. 33, p. 265-283, Dec. 2009.
WITTIG, Monique. O Pensamento Hétero, texto lido em New York na “Modern Language Association Convention”, em 1978. Disponível em:<http://mulheresrebeldes.blogspot.com.br/2010/07/sempre-viva-wittig.html >.Acesso em: 10 de agosto de 2019.

Downloads

Publicado

2021-03-30

Como Citar

ALMEIDA, P.; DE OLIVEIRA, A. M. ENTRE LAÇOS QUE EDUCAM: gênero, sexualidade e resistência na trajetória de mulheres lésbicas. Communitas, [S. l.], v. 5, n. 9, p. 255–270, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4588. Acesso em: 17 abr. 2021.