O PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL E A ORGANIZAÇÃO DO TEMPO ESCOLAR

Palavras-chave: Tempo Escolar. Ensinar. Aprender. Cotidiano da sala de aula, Tempo escolar, Ensinar, Aprender, Cotidiano da sala de aula

Resumo

O presente artigo apresenta alguns dos resultados da pesquisa realizada durante o mestrado em educação. O problema central condutor da pesquisa foi identificar como no ambiente escolar o professor da primeira etapa do Ensino Fundamental, no município de Rio Branco, Acre, organiza o tempo escolar e como esta organização interfere na aprendizagem dos alunos. A análise dos dados deu-se com base no diálogo com algumas categorias do materialismo dialético, como mediação, práxis e trabalho, em articulação com a especificidade do espaço escolar. As principais conclusões revelam que a concepção de tempo escolar dos sujeitos envolvidos é de um tempo cronológico desvinculado das necessidades dos sujeitos, o livro didático assume, em situações, o papel de condutor do processo de organização do tempo, os alunos demostram gostar da escola, mas percebem que suas necessidades integrais não são atendidas neste ambiente. Defende-se, portanto, a proposta de uma educação na qual todos os sujeitos envolvidos no processo de ensino-aprendizagem tenham uma intencionalidade comum que reflita na práxis comprometida e responsável dos sujeitos, sejam eles educadores e educandos.

Referências

AMARAL. Ana Lúcia. Os espaços e os tempos de aprender e ensinar. In: LIBÂNEO, J. C. ALVES, Nilda. Temas de pedagogia: diálogos: entre didática e currículo. São Paulo: Cortez, 2012.

ELIAS, Norbert. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

FICHTNER, Bernhard. O conhecimento e o papel do professor. In: LIBÂNEO, J. C. ALVES, Nilda. Temas de pedagogia – diálogos: entre didática e currículo. São Paulo: Cortez, 2012.

FREITAS, Luiz Carlos. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação & Sociedade, vol. 33, núm. 119, abril-junho, 2012, pp. 379-404. Centro de Estudos Educação e Sociedade Campinas, Brasil, 2012.

FRIGOTTO, Gaudêncio. O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa educacional. In: FAZENDA, Ivani (org.). Metodologia da pesquisa educacional. 10 eds. São Paulo: Cortez, 2006, p. 70-90.

HELLER, Agnes. O Cotidiano e a História. Trad. Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1972.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. Trad. Célia Neves e Alderico Toribio, 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

LIBÂNEO. José Carlos. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28. 2012.

______. Organização e gestão da escola: teoria e prática. 6ª ed. São Paulo: Heccus, 2015.

PARENTE. Claudia da Mota Darós. A construção dos tempos escolares. Educação em Revista. Belo Horizonte, v. 26, n. 02, p. 135-156, agosto de 2010.

PINTO, Umberto de Andrade. Pedagogia escolar: coordenação pedagógica e gestão educacional. São Paulo: Cortez, 2011.

_______. A Docência em contexto e os impactos das políticas públicas em educação no campo da didática. In: LIBÂNEO, J. C.; ALVES, Nilda. Temas de pedagogia – diálogos: entre didática e currículo. São Paulo: Cortez, 2012.

SAVIANI, Dermeval. O conceito dialético de mediação na pedagogia histórico-crítica em intermediação com a psicologia histórico-cultural. Texto da palestra proferida no 2º Congresso Internacional sobre a Teoria-histórico-cultural. Agosto 2014.

______. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11ª ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.
Publicado
2020-05-29
Como Citar
De Souza Vangiler, M. A., & Miranda de Lima, E. (2020). O PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL E A ORGANIZAÇÃO DO TEMPO ESCOLAR. REVISTA COMMUNITAS, 4(7), 295-311. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3080
Seção
Demanda Contínua