INCLUSÃO ESCOLAR

O ENSINAR E O APRENDER

  • Ademárcia Lopes de Oliveira Costa
  • Robéria Vieira Barreto Gomes
Palavras-chave: Aprender. Docente. Ensinar. Educação inclusiva.

Resumo

Na interação docente com o aluno com deficiência, a busca pela promoção de práticas inclusivas, envolve fundamentalmente o cotidiano da sala de aula e, é nesta que a reconfiguração do espaço revela conceitos que parecem inadequados não só no momento da avaliação escolar, mas na totalidade da execução do trabalho docente. É nessa perspectiva que se insere a presente produção, cujo objetivo é refletir sobre a necessidade de ressignificar conceitos como o ensinar e o aprender quando estes se voltam para a perspectiva da educação inclusiva. Este trabalho é resultado de uma pesquisa qualitativa, explicativa, desenvolvida através da pesquisa-ação com o uso da entrevista semiestruturada e contou com a participação de doze docentes, do município de Cruzeiro do Sul/Acre. Os dados foram tratados com a análise de conteúdo. Devido a amplitude dos dados, neste momento, apresentamos os resultados advindos de apenas uma categoria desta análise, a saber, “Docente inclusivo: o saber fazer na cotidianidade”, e, nesta, apenas um tema, qual seja, “Ensinar e aprender: ressignificando conceitos”. Os resultados evidenciam que na concepção inclusiva, o aprender deve ser visto como uma ação fecunda, particular, diversificada regulada pelo próprio aprendente, independente de sua condição intelectual ser ou não privilegiada. Já o ensinar, diz respeito à coletividade, cabendo ao professor oferecer a todos os alunos um mesmo conhecimento. Concluímos que, por estarem imersos numa realidade de binarismos – igual, diferente, regular, especial... – os participantes, ao mesmo tempo em que evidenciam um novo significado para o ensinar e o aprender, baseados nos pressupostos da educação inclusiva, descartam o que, em sua perspectiva, consideram desnecessário, pois anteveem e não acreditam nas capacidades dos alunos.

Referências

AINSCOW, Mel. Tornar a educação inclusiva: como esta tarefa deve ser conceituada? In: FAVERO, Osmar; FERREIRA, Windyz; IRELAND Timothy; BARREIROS, Débora (orgs.). Tornar a educação inclusiva. Brasília: UNESCO, 2009.

ALVES, Cristina Nacif. O coordenador Pedagógico como Agente para a Inclusão. In: SANTOS, Mônica, Pereira dos; PAULINO, Marcos Moreira (Orgs.). Inclusão em educação: culturas, políticas e práticas. São Paulo: Cortez, 2006.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Trad. Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 2011.

BATISTA, Cristina Abranches Mota; MANTOAN, Maria Teresa Égler. Educação inclusiva: atendimento educacional especializado para deficiência mental. 2 ed. Brasília: MEC, SEESP, 2006.

BORDAS, Miguel Angel Garcia; ZOBOLI, Fábio. Reflexões sobre a produção social do conhecimento e as culturas inclusivas: o papel da avaliação. In: DÍAZ, Félix, et al (Orgs.). Educação inclusiva, deficiência e contexto social: questões contemporâneas. Salvador: EDUFBA, 2009.

GLAT, Rosana; BLANCO, Leila de Macedo Varela. Educação Especial no contexto de uma educação inclusiva. In : GLAT, Rosana. Educação Inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7 letras, 2007. p. 15-35.
CARVALHO, Rosita Edler. Removendo barreiras para a aprendizagem. 6 ed. Porto Alegre: Mediação, 2007.

MANTOAN, Maria Teresa Égler. Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer? ed. São Paulo: Moderna, 2003.
Publicado
2019-08-27