ENTRE O SILENCIAMENTO E O PROTAGONISMO

vozes de professoras negras do sul da Bahia

Autores

  • Fabrícia Dos Santos Dantas Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)

Palavras-chave:

Formação de professores. Gênero. Relações étnico-raciais. Protagonismo Negro

Resumo

O Presente artigo é fruto de discussões e leituras orientadas para o componente curricular Tópicos Especiais em Educação - Relações Étnico-Raciais e Formação de Professores no Programa de Pós Graduação em Educação PPGE/UESC. Tem por objetivo apresentar considerações pertinentes a respeito do protagonismo de mulheres negras e professoras da rede básica de educação, de um município do interior do sul baiano, enquanto as lutas de resistência e cidadania. Por ora, participaram do estudo sete professoras, colaborando com a entrevista semiestrurada, sobre seu papel na educação enquanto protagonista da resistência de lutas. Utilizou-se, os estudos de Barros (2015), Carneiro (2003), Fonseca (2016), Nóvoa (2000), Oliveira (2006), Silva (2018), para referendar as falas dos sujeitos participantes, sustentando, portanto, os argumentos dissertativos que destacam a perspectiva de gênero como categoria de análise, na medida em que rompem com seu silenciamento. 

 

Palavras-chave: Formação de professores. Gênero. Relações étnico-raciais. Protagonismo Negro

Referências

BRASIL. Ministério da Educação/Conselho Nacional de Educação. CP/DF Resolução nº 1, de 17 de junho de 2004. Institui as diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. 2004.

CARNEIRO, Sueli (2003) A mulher negra na sociedade brasileira – o papel do movimento feminista na luta anti-racista. Brasília: Fundação Cultural Palmares (no prelo).

DAVIS, Ângela. A liberdade é uma luta constante – Ferguson, Palestina e as bases para um movimento. São Paulo: Boitempo, 2018.

EUCLIDES, Maria Simone. Mulheres Negras, Doutoras, Teóricas e Professoras Universitárias: desafios e conquistas. 2017. Tese (Doutorado em Educação Brasileira) – Centro de Ciências Humanas, Departamento de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Universidade Federla do Ceará, Fortaleza.

FIORUCCI, Flávia. “País afeminado, proletario feminista”. Mujeres inmorales e incapaces: la feminización Del magisterio em disputa (1900-1920). Anuario de Historia de la Educación, Sociedad Argentina de Historia de la Educación, v. 17, n. 2, p. 120-137, 2016.

FONSECA, M. V.; BARROS, S. A. P. (org.). A História da Educação dos Negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GOMES, Nilma Lino. A mulher negra que vi de perto. Belo Horizonte: Mazza Edições. 1995.

_______.Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: BRASIL. Educação Anti-racista: caminhos abertos pela Lei federal nº 10.639/03. Brasília, MEC, Secretaria de educação continuada e alfabetização e diversidade, p. 39 – 62, 2005.

________.Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. Currículo sem Fronteiras, v.12, n.1, pp. 98-109, Jan/Abr. 2012

MARCELO. Carlos. Desenvolvimento Profissional: passado e futuro. SISIFO. Revista Ciência da Educação, n. 8, jan/abr, 2009.

MEIHY, J.C.S.B. Manual de história oral. São Paulo: Loyola, 1996.

NICOLETE, Jamilly Nicácio; ALMEIDA, Jane Soares de. Professoras e rainhas do lar: o protagonismo feminino na imprensa periódica (1902-1940). Educar em Revista, Curitiba, v.33, n. especial 2. p. 203-220, set. 2017.

NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. 2. ed. Portugal: Porto, 2000.

OLIVEIRA, E. Mulher negra professora universitária: trajetória, conflitos e identidade. Brasília: Líber Livro Editora, 2006.

PETRUCCELLI, José Luís. A Cor Denominada: estudos sobre classificação étnico - racial. Rio de Janeiro: DP & A, 2007.

REIS, Maria da Conceição dos. Prática Pedagógica e Cultura Popular: uma relação possível. Recife: PROEXT-UFPE & Ed. Universitária da UFPE, 2014.

SILVA, Claudilene Maria da. Professoras Negras: identidade e práticas de enfrentamento do racismo no espaço escolar. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2013.

SOBRAL, Cristiane. Textos selecionados. 2018. Disponível em: <http://www.letras.ufmg.br/literafro/arquivos/autoras/CristianeSobraltextosselecionados.pdf. Acesso em: 05 de Junho de 2021.

Downloads

Publicado

2021-09-29

Como Citar

DOS SANTOS DANTAS, F. ENTRE O SILENCIAMENTO E O PROTAGONISMO: vozes de professoras negras do sul da Bahia. Communitas, [S. l.], v. 5, n. 11, p. 298–308, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/5215. Acesso em: 24 out. 2021.

Edição

Seção

Demanda Contínua