RELAÇÕES PERNICIOSAS:

O USO DOS “ESTRANHOS” EM NOSSOS OSSOS, DE MARCELINO FREIRE

Palavras-chave: travesti, michês, homoerotismo, Nossos ossos, Marcelino Freire

Resumo

Este artigo tem por objetivo discutir a construção de personagens não-hegemônicas na obra Nossos ossos, de Marcelino Freire (2013). À luz de Butler (2000) e Bauman (1998), a presente análise apresenta de que modo o narrador-personagem, Heleno de Gusmão, enquanto póstumo, utiliza construções sociais estereotipadas a respeito da personagem travesti, Estrela, e dos michês com os quais ele se relaciona na trama, dando a ver discursos que objetificam esses sujeitos. Discute-se de que forma o narrador se constrói em função de uma hegemonia social – branco, rico e cisgênero – para atrair o leitor em função de seu ponto de vista sobre os outros. Ainda a respeito de Estrela, observa-se que Heleno deslegitima a existência de Estrela e sua possibilidade de construir seu corpo e produzir-se feminina, além de tratá-la como perigosa e mercenária. Sobre os “michês”, nomenclatura escolhida pela voz narrativa, Heleno separa o que possui seu afeto, chamando-o de boy, dos demais que são estereotipados: o índio, como vetor de doença sexualmente transmissível (HIV); o malandro, como usurpador de seu dinheiro; e o negro como paradoxo de seu poder econômico atrelado a sua branquitude. Conclui-se que o narrador se aproxima dos ideais hegemônicos da cultura ocidental judaico-cristã, branca e abastada como forma de valorizar a sua vida e seu esforço em erguer-se frente às dificuldades impostas aos sujeitos homoeróticos, gerando seu desprezo em relação aos “estranhos”.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.
BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do "sexo". In: LOURO, Guacira Lopes. O Corpo Educado: Pedagogias da Sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 151-167.
CAMARGO, Fábio Figueiredo. Corpos que querem poder. REDISCO Revista eletrônica de Estudos do Discurso e do Corpo, Vitória da Conquista, v. 2, n. 2, p. 7-16, 2013.
FREIRE, Marcelino. Nossos ossos. Rio de Janeiro: Record, 2013.
PRECIADO, Paul Beatriz. Manifesto contrasexual: práticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: N-1 Edições, 2017.
Publicado
2020-12-15
Como Citar
GOMES, G. A. DA S. RELAÇÕES PERNICIOSAS:: O USO DOS “ESTRANHOS” EM NOSSOS OSSOS, DE MARCELINO FREIRE. Communitas, v. 4, n. 8, p. 93-106, 15 dez. 2020.