TRAJETÓRIA DA EDUCAÇÃO DE SURDOS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE NITERÓI: UMA APOSTA NA CONVERSA

  • Arina Costa Martins Cardoso Fundação Municipal de Educação de Niterói (FME)
Palavras-chave: Surdez. Diferença. Cartografia. Conversa.

Resumo

Esse trabalho é uma travessia de pesquisar na diferença. Faz parte de uma pesquisa de mestrado recém-concluída. Um processo cartografado com estudantes surdos, professores e gestores da Escola Municipal Paulo Freire (EMPF) em Niterói- RJ. Uma pesquisaescrita que problematiza a surdez enquanto uma experiência visual e cultural. No processo de pesquisar, emerge no campo a necessidade de compreender o processo de educação de surdos em percurso na escola. É feito a escolha de apostar na conversa entrelaçada ao método cartográfico. A conversa como uma forma de produção de conhecimento e as narrativas como forma de registro de memória. Assim, segue-se conversando com os sujeitos da escola e também com autores e documentos a fim de dar a ver e falar as vozes desse lugar e os processos pelos quais a proposta de educação de surdos passaram nos últimos quinze anos na EMPF e no município de Niterói. As conversas trazidas aqui são registradas sob forma de narrativas.

Biografia do Autor

Arina Costa Martins Cardoso, Fundação Municipal de Educação de Niterói (FME)
Mestra em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Processos formativos e Desigualdades Sociais da UERJ-FFP na Linha de Pesquisa Política, Direito e Desigualdades. Pós- Graduada (lato sensu) em Libras (Língua Brasileira de Sinais). Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal Fluminense (2011). Participo do Grupo de Pesquisa Coletivo, Diferenças e Alteridades na Educação (UERJ-FFP) e do NUEDIS-CNPq (Núcleo de Estudos em Diversidade e Inclusão de Surdos) na UFF. Sou professora de Educação Infantil na rede municipal de Niterói atuando na Sala de Recursos e professora de apoio especializado na Educação de Jovens e Adultos.

Referências

BARROS, L. P. de, KASTRUP, V. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCOSSIA, L da (orgs.). Pistas do Método da Cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre, Sulina, 2009.

DELEUZE, Gilles e GATARRI, Félix. Mil Platôs. v. 1. Rio de Janeiro: Ed. 34 Letras, 1995

DELEUZE, Gilles. Conversações. Tradução: Peter PálPelbart. São Paulo: Ed. 34, 1992

LARROSA, Jorge. A arte da conversa. In: SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não estivesse aí? Tradução: Giane Lessa. Rio de Janeiro. DP&A. 2003

MEIRELES, Rosana Maria do Prado Luz. Educação bilíngue de alunos surdos: experiências inclusivas na Escola Municipal Paulo Freire/Niterói. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense, Faculdade de Educação. Rio de Janeiro, 2010.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCOSSIA, L da (orgs.). Pistas do Método da Cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre, Sulina, 2009.

RIBEIRO, T.; SOUZA, R. de; SAMPAIO C. S. É possível a conversa como metodologia de pesquisa? In: RIBEIRO, T.; SOUZA, R. de; SAMPAIO C. S. (orgs.). Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018.

SKLIAR, C. Atualidade da educação bilíngue para surdos. Porto Alegre: Mediação, 1999.

SKLIAR, Carlos. Los sentidos implicados en el estar-juntos de la educación. Revista Educación y Pedagogía, vol. 22, núm. 56, enero-abril, 2010

SKLIAR, Carlos. Conversar e Conviver com os desconhecidos... In: Políticas Públicas, Movimentos Sociais: desafios à Pós-graduação em Educação em suas múltiplas dimensões/ Helena Amaral da júl (org.). Rio de Janeiro: ANPEd Nacional, 2011.

SKLIAR, Carlos. Pedagogias de las diferenças: notas, fragmentos, incertidumbres. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Centro de Publicaciones Educativas y Material Didáctico, 2017

SKLIAR, Carlos. Elogio à Conversa (em forma de convite à leitura). In: RIBEIRO, T.; SOUZA, R. de; SAMPAIO C. S. (orgs.). Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018.

Publicado
2019-06-17