SEREIAS BÊBADAS:

METÁFORAS CORPORIFICADAS NA OBRA DE ADRIANA VAREJÃO

Palavras-chave: Adriana Varejão, arte, corpo, gênero

Resumo

 O presente artigo analisa a obra de Adriana Varejão “Sereias bêbadas”, reconhecendo a arte como veículo de significação e comunicação visual. O corpo é uma forma de identificação do feminino e do masculino, mas é especialmente tido como um estigma da representação do poder masculino. É para o âmbito da representação artística que voltaremos nosso olhar, ou seja, para a análise de como se dá o olhar estético da autora na captação da concepção dominante na poética do corpo feminino. Adotamos o método hermenêutico de interpretação; a hermenêutica moderna engloba não somente textos escritos, mas também tudo que há no processo interpretativo. Isso inclui formas verbais e não verbais de comunicação, assim como aspectos que afetam a comunicação. Interpretar significa atribuir o conteúdo, sentido e alcance de um texto normativo, visando à sua aplicação a um caso concreto.

Referências

AUMONT, J. A Imagem. Campinas: Papirus, 1993.
BAITELLO, JR. Norval. A era da iconofagia. Ensaios de comunicação e cultura. São Paulo:
Hacker, 2005.
BARRETO, Nayara Matos. O corpo feminino nas artes visuais: nudez, sexualidade e empoderamento. 2013. Disponível em . Acesso em 20 de setembro de 2020.

CAVARERO, Adriana. Vozes plurais: filosofia da expressão vocal. Belo Horizonte: Editora
UFMG, 2011.
CEVASCO, Maria Elisa. Dez lições sobre estudos culturais. São Paulo: Boitempo, 2003.
CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain.Dicionário de Símbolos. Rio de Janeiro: José
Olympio, 1998.
EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. São Paulo: editora UNESP, 2005.
FRENKEL, Eleonora; MONTEIRO, Rebecca. “Clarice Lispector e Adriana Varejão: o corpo aberto da escrita e da arte”. Revista Aletria, Belo Horizonte, n. 3, v. 23, p. 73-83, set./dez. 2013.
GABRIEL, Maria Alice Ribeiro. De sirenis: imagem e mito na literatura moderna. Navegações V. 1 2, N. 1, P. 11 2-1 21, JAN.-JUN. 2018.
GROSZ, Elisabeth. “Corpos reconfigurados”. Cadernos Pagu, Unicamp, Campinas, v. 14,
p. 45-86, 2000.
JOLY, Martine. Introdução à análise de imagem. Campinas, SP: Papirus, 1996. (Coleção
Ofício Arte e Forma)
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.
Huchet, Stéphane. A história da arte, disciplina luminosa. Rev. UFMG, Belo horizonte, v. 21, n. 1 e 2, p.222-245,jan./dez. 2014.
MAGALHÃES,Ana Valesca. “Um diálogo entre Albert Eckhout, Adriana Varejão, figos e outras frutas”. Segunda Opinião. Disponível em: https://segundaopiniao.jor.br/um-dialogo-entre-albert-eckhout-adriana-varejao-figos-e-outras-frutas-por-ana-valeska-maia-magalhaes/ Acesso em : 6 de outubro de 2020.
MATOS, M. I. S. de. Gênero e história: percursos e possibilidades. In: SCHPUN, M. R.
(Org.). Gênero sem fronteiras: oito olhares sobre mulheres e relações de gênero. Florianópolis: Editora Mulheres, 1997, p. 80.
THOMPSON, John B. Ideologia e cultura moderna: teoria social e crítica na era dos
meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes, 1995.
TRIZOLI, Talita. O Feminismo e a Arte Contemporânea - considerações. 2008. Disponível em: -arte-contempor%C3%A2nea_Talita-Trizoli. pdf>. Acesso em: 20 jun. 2020
VAREJÃO, Adriana. Sereias bêbadas. http://www.adrianavarejao.net/br/imagens/categoria/10/obras Acesso em 15 de julho de 2020.
VAREJÃO, Adriana. Bate-papo com Adriana Varejão. 2005. Disponível em: http://tc.batepapo. uol.com.br/convidados/.../arquivo/arte/Acesso em 15 de julho de 2020.



.

Acesso em: 06 jun. 2017

WILLIAMS, Raymond. Cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.
XAVIER, E. Que corpo é esse? O corpo no imaginário feminino. Florianópolis: Editora
Mulheres, 2007.
Publicado
2020-12-15
Como Citar
CECILIA RIBAS BORGES TEIXEIRA, N. SEREIAS BÊBADAS:: METÁFORAS CORPORIFICADAS NA OBRA DE ADRIANA VAREJÃO. Communitas, v. 4, n. 8, p. 9-21, 15 dez. 2020.