O PROCESSO DE LUTA PELA TERRA E DE ESPACIALIZAÇÃO:

A CONSTRUÇÃO E A CONSTITUIÇÃO DE TERRITÓRIOS

Palavras-chave: Espacialização. Movimentos sociais. Assentamentos rurais. Território.

Resumo

A partir da década de 1990, ocorre no país transformações significativas, e no contexto da questão agrária brasileira, crescem a organização de grupos e movimentos sociais que demonstram, por meio de sua luta e resistência, a intenção de garantir a viabilização e aplicação de políticas que atendam as demandas sociais. Diante das lutas e da resistência de homens e mulheres organizados em grupos e movimentos sociais, buscou-se identificar e analisar o processo de luta por terra e de espacialização em Ituiutaba. Para tal realizou-se levantamento bibliográfico, identificação dos principais grupos e movimentos sociais, verificação de legislações e leis, coleta de dados primários e secundários. A partir disso, identificou-se que a construção de territórios e a constituição dos primeiros assentamentos rurais do município são resultantes da organização, luta e resistência de sujeitos oriundos, majoritariamente, de municípios do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba e nas áreas desapropriadas do município de Ituiutaba, as famílias assentadas com o acesso à terra construíram seus modos de vida e trabalho.

Referências

BRASIL. Medida Provisória Nº 759, De 22 De Dezembro De 2016. Dispõe sobre a regularização fundiária rural e urbana, sobre a liquidação de créditos concedidos aos assentados da reforma agrária e sobre a regularização fundiária no âmbito da Amazônia Legal, institui mecanismos para aprimorar a eficiência dos procedimentos de alienação de imóveis da União, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015- 2018/2016/Mpv/mpv759impressao.htm. Acesso em: Ago/2018.
CONTAG. Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura. Documento de Lutas e Conquistas no Campo. 2013. Disponível em: https://www.contag.org.br/index.php?action=1. Acesso em Jun/2016.
CPT. Conflitos no Campo Brasil 1999. Disponível em: www.cptnacional.org.br. Acesso em: Jun/2018.
CPT. Conflitos no Campo Brasil 2000. Disponível em: www.cptnacional.org.br. Acesso em: Jun/2018.
DATALUTA. Banco de Dados da Luta pela Terra. Relatório Minas Gerais - 2013. Presidente Prudente –SP/FCT/UNESP. Disponível em: http://www2.fct.unesp.br/nera/relatoriosmg.php. Acesso em: maio/2017.
DATALUTA. Banco de Dados da Luta pela Terra. Relatório Brasil - 2015. Presidente Prudente –SP/FCT/UNESP. Disponível em: http://www2.fct.unesp.br/nera/relatoriosmg.php. Acesso em: maio/2017.
FABRINI, João Edmilson. Os assentamentos de trabalhadores rurais sem terra do centro-oeste/PR enquanto território de resistência camponesa. 2002. 294 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, 2002.
FERNANDES, Bernardo Mançano. A formação do MST no Brasil. Petrópolis, RJ. Vozes, 2000. ISBN 85.326.2345-X.
FIGUEIREDO, Gislayne Cristina; PINTO, José Marcelino de Rezende. Acampamento e assentamento: participação, experiência e vivência em dois momentos da luta pela terra Psicologia & Sociedade, 26(3), 562-571, 2014.
GOMES, Renata Mainenti. Ofensiva do Capital e Transformações no Mundo Rural: a resistência camponesa e a luta pela terra no Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. 2004. 251f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia. 2004.
GUARESCHI, Pedrinho A. Pressupostos psicossociais da exclusão: competitividade e
culpabilização. In. SAWAIA, Bader. As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética
da desigualdade social. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 141-156, 2001.
INCRA. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Criação e modalidades de assentamentos. 2017. Disponível em: http://www.incra.gov.br/assentamentoscriacao. Acesso em: Jun/2017.
MATHEUS, Tiago Corbisier. Individualismo e desejo contraditório na formação de grupos.
In: MOTTA, Fernando Claudio Prestes; MOTTA, Maria C. Cintra do Prado Prestes; FREITAS,
Maria Ester. Vida psíquica e organização. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002. p. 116-129.
MITIDIERO, Marco Antônio Junior. As Contradições da Luta Pela Terra: o caso do Movimento de Libertação dos Sem Terra. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Universidade de São Paulo - USP (FFLCH), São Paulo, 2002.
MTL. Movimento Terra Trabalho E Liberdade. Documento de fundação: nova estratégia socialista. Goiânia, agosto 2002. Disponível em: http://www.geocities.ws/design_pe/mtl_oque.html. Acesso em: Jun/ 2016.
OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. Modo capitalista de produção, agricultura e reforma agrária. São Paulo. FFLCH/Labur Edições. 2007. Disponível em: http://www.geografia.fflch.usp.br/graduacao/apoio/Apoio/Apoio_Valeria/Pdf/Livro_ari.pdf. Acesso em: Mai/2017
RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática, 1993.
SOUZA, José Gilberto de. Limites do Território. Agrária (USP). v.10-11, (2009). Disponível em: < http://www.revistas.usp.br/agraria/article/view/155. Acesso em: Mar/2017.
Publicado
2020-12-15
Como Citar
RAMOS, E. A.; BORGES, A. C. G. O PROCESSO DE LUTA PELA TERRA E DE ESPACIALIZAÇÃO:: A CONSTRUÇÃO E A CONSTITUIÇÃO DE TERRITÓRIOS. Communitas, v. 4, n. 8, p. 357-371, 15 dez. 2020.