VISUALIDADE, LÍNGUA DE SINAIS E CONHECIMENTO PRÉVIO

PILARES NO ENSINO PARA APRENDIZES SURDOS

Autores

Palavras-chave:

Visualidade, Língua de Sinais, Conhecimento Prévio, Conhecimento de mundo

Resumo

O ensino para surdos demanda reflexões teóricas e práticas eficazes, partindo-se da condição linguística desses alunos – Libras como L1 e Língua Portuguesa como L2 (BRASIL, 2002; 2005). Este artigo busca refletir sobre três elementos fundamentais para a efetiva realização desse ensino: Visualidade, Língua de sinais, Conhecimento prévio. Para isso, recorre-se a pesquisadores que se debruçam sobre as respectivas temáticas referentes à importância do uso de recursos visuais e imagéticos, à importância da perspectiva bilíngue - língua de sinais como língua de instrução e de contato do aprendiz surdo e Língua Portuguesa escrita - e à consideração sobre o conhecimento que o aluno surdo traz para o contexto escolar (BAKTHIN, 1990, 1997, 1998; QUADROS, 1997; 2017; FERNANDES, 2006; CAMPELLO, 2007; KOCK, ELIAS, 2007; PEREIRA, 2009; LEBEDEFF, 2010; SANTAELLA, 2012).

Referências

BAPTISTA, M. M. Estudantes surdos: aquisição da língua gestual e ensino da Língua Portuguesa. Actas do I EIELP. Exedra.v. 9, mar. 2010.
BELLUGI, U.; POIZER, H.; KLIMA, E. Language, modality and the brain. Trends in neurosciences - reviews – TINS, vol. 12, nº 10, p. 380-388, 1989.
BOLONTINI, C. Z; COSTA, J. P. B. Libras, Língua Portuguesa e o bilinguismo. In: UYENO, E. Y; CAVALLARI, J. S. Bilinguismos: subjetivação e identificações nas/pelas línguas maternas e estrangeiras. Campinas: Pontes Editores, 2011.
BRASIL. Lei nº 10.436/2002. Dispõe da Língua Brasileira de Sinais- Libras. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10436.htm>. Acesso em 18 nov. 2018.
BRASIL. Decreto Nº 5.626. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Publicada no Diário Oficial da União em 22/12/2005.
CAMPELLO, Ana R. S. Pedagogia Visual/Sinal na Educação dos Surdos In: QUADROS, Ronice M.; PERLIN, Gladis. (Orgs.). Estudos Surdos II. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2007. p. 100-131
EMMOREY, K.; BELLUGI, U. & KLIMA, E. Organização neural da língua de sinais. Em Língua de sinais e educação do surdo. Eds. Moura,M. C.; LODI, a. C. e PEREIRA, M. C. Sociedade Brasileira de Neuropsicologia. SBNp. São Paulo. 1993.
FERNANDES, Sueli F. Práticas de Letramento na educação bilíngue para surdos. Curitiba: SEED. 2006.
FREIRE, Paulo e FAGUNDES, Antonio. Por uma pedagogia da pergunta. São Paulo: Paz e Terra. 1985
___________.Extensão ou comunicação? Tradução de Rosisca Darcy de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra.1985
___________. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1997
___________. Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra.1979
KLEIMAN, A. Oficina de leitura: teoria e prática. 7. ed. Campinas: Pontes, 2000.
_______. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. Campinas: Pontes, 9. ed., 2004.
LEBEDEFF, Tatiana Bolívar. Aprendendo “a ler” com outros olhos: relatos de oficinas de letramento visual com professores surdos. Cadernos de Educação, Pelotas, v. 36, p. 175-196, 2010.
LODI, A. C. B. Plurilingüismo e surdez: uma leitura bakhtiniana da história da educação dos surdos. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 31, n. 3, p. 409-424, set./dez. 2005.
PEREIRA, Maria Cristina da Cunha. O ensino de português como segunda língua para surdos: princípios teóricos e metodológicos. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Ed. Especial n 2/2014 p. 143 -157. Editora UFPR.
QUADROS, R. M. Educação de Surdos. A aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.
QUADROS, Ronice Muller de; KARNOPP, Lodenir Becker. Língua de sinais brasileira: estudos lingüísticos. Porto Alegre : Artmed, 2004.
QUADROS, R. M. de.; Língua de herança: língua brasileira de sinais. Porto Alegre: Penso, 2017.
SANTAELLA, L. Leitura de Imagens: como eu ensino. São Paulo: Melhoramentos, 2012.
SKLIAR, C. (Org.). Educação e exclusão: abordagem socioantropológica em Educação Especial. Porto Alegre: Mediação, 1997.
TAVEIRA, C. C.; ROSADO, A. O letramento visual como chave de leitura das práticas pedagógicas e da produção de artefatos no campo da surdez. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 18, n. 39, p. 174-195, set./dez. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.22196/rp.v18i39.3691 http://revistacafeicultura.com.br/?mat=15901 (Freitas 2008)
VYGOTSKY, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. (Org.).Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 10ª edição São Paulo: Ícone,1998.

Downloads

Publicado

2020-05-29

Como Citar

Cruz, O. M. de S. e S. da, & Da Silva Pinheiro, V. (2020). VISUALIDADE, LÍNGUA DE SINAIS E CONHECIMENTO PRÉVIO: PILARES NO ENSINO PARA APRENDIZES SURDOS. REVISTA COMMUNITAS, 4(7), 312-326. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3142

Edição

Seção

Demanda Contínua