PORTUGUÊS COMO LÍNGUA DE ACOLHIMENTO PARA ACESSO A DIREITOS HUMANOS: POLÍTICAS LINGUÍSTICAS E REFLEXÕES A PARTIR DA ANÁLISE DE MATERIAIS DIDÁTICOS PARA MIGRANTES

  • Priscila de Pinho Valente Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul- IFRS

Resumo

Diante da migração de senegaleses à cidade de Rio Grande, RS e das dificuldades linguísticas que encontram para suprir as suas necessidades de sobrevivência, percebemos a falta de uma política linguística de impacto social voltada para este grupo. Neste artigo, discutimos propostas metodológicas para o ensino de português como língua de acolhimento (GROSSO, 2010) para migrantes e refugiados a partir das políticas linguísticas adotadas no Brasil. Com base no referencial sobre Abordagem Orientada à Ação (JANOWSKA, 2014; PUREN, 2009) e Ensino de Línguas por Tarefas (ELLIS, 1991; 2000; JANOWSKA, 2014, SHIBAYAMA, 2017, WILLIS, 1996/ 2012) e na análise de alguns materiais didáticos específicos para imigrantes, serão analisadas as implicações de um ensino de língua estrangeira que vá além do viés do treino linguístico, visando o desenvolvimento de competências discursivas e promovendo a reflexão sobre a relação da língua com a garantia dos direitos humanos para a inserção plena dos migrantes na sociedade

Biografia do Autor

Priscila de Pinho Valente, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul- IFRS
Graduada em Letra Português/ Inglês pela FURG; Pós Graduada em Línguistica e ensino de Língua Portuguesa pela FURG; Mestre em Educação pela UFPEL.

Referências

ACNUR. Pode Entrar: Português do Brasil para Refugiadas e Refugiados. Cartilha para Solicitantes de Refúgio no Brasil, 2015.

ACNUR. Disponível em: http://www.acnur.org/portugues/2018/04/11/de-101-mil-refugiados-apenas-51-mil-continuam-no-brasil/: Acesso em: 16 jul. 2018.

AMADO, Rosane Sá. Português Segunda Língua: perspectivas para a pesquisa linguística e o ensino pluri-e intercultural. Papia, Brasília, v. 22, p. 385, 2012.

ARANTES, Poliana Coeli Costa; DEUSDARÁ, Bruno. Português para refugiados: aliando pragmática e discurso em resposta a uma demanda concreta. Letrônica, v. 8, n. 1, p. 45-59, 2015.

BAENINGER, R; FERNANDES, D. Atlas Temático – Observatório de Migrações e Migrações Internacionais. São Paulo, 2018.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARBOSA, Lúcia M. A. “Procedimentos Interculturais e Diversidade Étnico-Racial do Brasil em Dois Livros Didáticos de Português para Estrangeiros.” Revista Entrelínguas, v. 1, p. 223-236, 2015.

BARBOSA, Lúcia M. A.; RUANO Bruna P. “Acolhimento, Sentidos e Práticas de Ensino de Português para Migrantes e Refugiados na Universidade De Brasília E Na Universidade Federal Do Paraná” In: GEDIEL, José Antônio Peres; GODOY, Gabriel G. (Org.) Refúgio e hospitalidade. Curitiba: Kairós Edições, 2016.

BRASIL. Migrantes, apátridas e refugiados: subsídios para o aperfeiçoamento de acesso a serviços, direitos e políticas públicas no Brasil. Brasília: Ministério da Justiça, Secretaria de Assuntos Legislativos (SAL): IPEA, 2015.

BULLA, Gabriela, LEMOS, Fernanda; Schlatter. Análise de material didático para o ensino de línguas adicionais a distância: reflexões e orientações para o design de tarefas pedagógicas. Horizontes de Linguística Aplicada, ano 11, n. 1, jan./jun. 2012.

BULLA, G. S.; LAGES E SILVA, R.; LUCENA, J. C.; SILVA, L. P. Imigração, refúgio e políticas linguísticas no Brasil: Reflexões sobre escola plurilíngue e formação de professores a partir de uma prática educacional com estudantes haitianos. Revista Organon, Vol. 32, n. 62, p.1- 14, 2017.

CABETE, M. O processo de Ensino-Aprendizagem do Português enquanto Língua de Acolhimento. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura Portuguesa) - Universidade de Lisboa. Lisboa 2010.

CALVET, Louis-Jean. As políticas lingüísticas. São Paulo: Parábola Editorial; IPOL, 2007.

COUNCIL OF EUROPE. Linguistic Integration od Adults Migrants. Literacy profiles: challenges in the migrant language education. Disponível em: https://www.coe.int/en/web/lang-migrants/literacy-profiles. Acesso em: 21 nov. 2017.

CURSINO, C; ALBUQUERQUE, J; SILVA, M; GABRIEL, M; ANUNCIAÇÂO, R. Português Brasileiro para Migração Humanitária (PBMIH): Reflexões linguísticas e pedagógicas para o ensino de PLE em contexto de migração e refúgio. in: RUANO, B. P.; SANTOS, J. M. P.; SALTINI, L. M. L. Cursos de português como língua estrangeira no CELIN - UFPR: Práticas docentes e experiências em sala de aula. Curitiba: Editora UFPR, 2017.

CARVALHO, Simone C.; SCHLATTER, Margarete. Ações de difusão internacional da língua portuguesa. Cadernos do IL, Porto Alegre, n. 42, p. 260-284, jun., 2011.

FSL: French as a Second Language. Module 3. A Guide to Reflective Practice for Core French Teachers: The Action-Oriented Approach.

ELLIS, Rod. Task-based research and language pedagogy. Language Teaching Research 4,3 (2000); pp. 193–220.

ELLIS, R; FOTOS, S. Communicating about Grammar: A Task-Based Approach. Teachers of English to Speakers of Other Languages, Inc. TESOL Quarterly, Vol. 25, No. 4 (Winter, 1991), pp. 605-628.

FEITOSA, J; MARRA, J; FASSON, K; MOREIRA, N; PEREIRA, R; AMARO, T. Pode Entrar. 1edição. São Paulo, 2015. Disponível em: http://www.acnur.org/portugues/wp-content/uploads/2018/02/Pode_Entrar_ACNUR-2015.pdf. Acesso em: 05 jul. 2018.

GROSSO, Maria José. Línguas de acolhimento, língua de integração. Horizontes de Linguística Aplicada, v.9, n.2, p.61-77, 2010.

___________. Língua não materna-uma problemática conceptual. 2007.

KRAVISKI, E.; BERGMANN, J. Interculturalidade e motivação na aprendizagem de línguas estrangeiras. in: Revista Intersaberes | vol1 n. 1, p. 78 – 86 | jan-jun 2006 | ISSN 1809-7286.

JANOWSKA, Iwona. TAREFA UM CONCEITO-CHAVE DA PERSPECTIVA ACIONAL Task – A Key Concept In The Action-Oriented Approach. DOSSIÊ ESPECIAL: DIDÁTICA SEM FRONTEIRAS (orgs.) CHEREM, RAMMÉ, PEDRA & OLMO Revista X, vol.2, 2014. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/revistax/article/view/40330/24662. Acesso em: 01 dez. 2017.

MARTINS, B; ROCHA, D; SANTOS, J. Produção de materiais didáticos para o ensino de PLE do Celin-UFPR: reflexões e desafios. In: RUANO, B. P.; SANTOS, J. M. P.; SALTINI, L. M. L. Cursos de português como língua estrangeira no CELIN – UFPR: Práticas docentes e experiências em sala de aula. Curitiba: Editora UFPR, 2017.

NGOM, Fallou. Ajami scripts in the senegalese speech community. Journal of Arabic andIslamic Studies. Boston University, 2010.

OLIVEIRA, Gilvan. Políticas linguísticas como políticas públicas. In: Bertussi, G. T. &Ouriques, N. D. (Coordenadores). Anuário Educativo Brasileiro: Visão Retrospectiva. São Paulo: Cortez, pp. 313-333, 2001.

PERETI, E.; COSTA, E. I.; RAMMÉ, V. Tópicos avançados de língua-cultura brasileira: relato de uma experiência de curso especial de conversação em língua portuguesa. in: RUANO, B. P.; SANTOS, J. M. P.; SALTINI, L. M. L. Cursos de português como língua estrangeira no CELIN – UFPR: Práticas docentes e experiências em sala de aula. Curitiba: Editora UFPR, 2017.

PUREN, Christian. Variations sur le thème de l’agir social en didactique deslangues-cultures étrangères. Le Français dans la Monde. Recherches et applications, 2009.

QUADRO EUROPEU COMUM DE REFERÊNCIA PARA AS LÍNGUAS – Aprendizagem, ensino, avaliação. ASA Editores, Lisboa, Portugal, 2001.

REINOLDES, M; MANDALÁ, P; AMADO, R. Portas Abertas, USP, São Paulo, 2017.

RUANO, B. P.; SANTOS, J. M. P.; SALTINI, L. M. L. Cursos de português como língua estrangeira no CELIN – UFPR: Práticas docentes e experiências em sala de aula. Curitiba: Editora UFPR, 2017.

RUANO, B; PERETI, E; GRAHL, J. Português Brasileiro para Migração Humanitária (PBMIH):Construindo um projeto de integração linguística, cultural e social. in: RUANO, B. P.; SANTOS, J. M. P.; SALTINI, L. M. L. Cursos de português como língua estrangeira no CELIN – UFPR: Práticas docentes e experiências em sala de aula. Curitiba: Editora UFPR, 2017.

SCHLATTER, Margarete; GARCEZ, Pedro M. Línguas adicionais (Espanhol e Inglês). In: Rio Grande do Sul, Secretaria de Estado da Educação, Departamento Pedagógico. Referenciais curriculares do Estado do Rio Grande do Sul: linguagens, códigos e suas tecnologias. Porto Alegre: SE/DP, 2009. p. 125-172.

SHIBAYAMA, Ayumi Nakaba. A Perspectiva Acional no ensino de português como língua estrangeira. Simpósio 33 - A abordagem acional do português como língua estrangeira: o ensino baseado em tarefas, p.3785-3804. Disponível em: http://siba-ese.unisalento.it, 2017 Università del Salento.

SHOHAMY, Elana G. Language Policy: Hidden Agendas and New Approaches. Abingdon, Inglaterra: Routledge, 2006.

SPOLSKY, Bernard. Para uma Teoria de Políticas Linguísticas. ReVEL, v. 14, n. 26, p. 32-44, 2016. Tradução de Paloma Petry. Revisão técnica de Pedro M. Garcez.

TV CULTURA: Fluxo Migratório Atual. 2018. Disponível em: http://tvcultura.com.br/videos/64681_panorama-fluxo-migratorio-atual-12-04-2018.html. Acesso em: 05 jul. 2018.

WILLIS, J. A flexible framework for task-based learning An overview of a task-based framework for language teaching. A framework for task-based learning. ebook edition 2012. Disponivel em: http://www.intrinsicbooks.co.uk/title_by_title/framework.html. Acesso em: 05 jul. 2018.

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Valente, P. de P. (2019). PORTUGUÊS COMO LÍNGUA DE ACOLHIMENTO PARA ACESSO A DIREITOS HUMANOS: POLÍTICAS LINGUÍSTICAS E REFLEXÕES A PARTIR DA ANÁLISE DE MATERIAIS DIDÁTICOS PARA MIGRANTES. MUIRAQUITÃ - REVISTA DE LETRAS E HUMANIDADES, 7(2). https://doi.org/10.29327/212070.7.2-21
Seção
DOSSIÊ