POLÍTICA LINGUÍSTICA EM CONTEXTO DE IMIGRAÇÃO E REFÚGIO: O PLANEJAMENTO DO ENSINO DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA DE ACOLHIMENTO NO ÂMBITO DO DISTRITO FEDERAL

  • Lorena Poliana Silva Lopes CEFET-MG
  • Eduardo Melo Rebouças Instituto Federal de Brasília - IFB
  • Umberto Euzebio Universidade de Brasília - UNB
Palavras-chave: Política linguística, Migração forçada, Ensino de línguas, Planejamento de curso, Português como língua de acolhimento

Resumo

O tema norteador deste trabalho é o ensino de Português como língua não-materna a comunidades de imigrantes e refugiados, em caráter de política linguística e de política pública de acolhimento e de cooperação entre Estados-nação. Seu objetivo principal é dar visibilidade aos aspectos Planejamento de curso e Planejamento de aula de um curso de português como língua de acolhimento desenvolvido no Distrito Federal. Algumas questões relevantes são: (i) quais são os agentes comprometidos com esse planejamento?; (ii) qual a importância do planejamento para a implementação de um curso de línguas para refugiados e imigrantes?; e, (iii) quais são os elementos desse planejamento? Metodologicamente, adota-se as concepções teóricas de política linguística e de planejamento de Calvet (2007); Haugen (1964) e Rajagopalan (2013, 2014), e as concepções de planejamento de curso e de aula de Almeida Filho (1997, 2011) e Oliveira (2015). Como resultados parciais aponta-se que: (i) a elaboração e implementação do PLAc no DF têm sido viabilizadas por meio de parcerias como a do IMDH; (ii) há indícios de que a Secretaria de Estado de Educação do DF passou a se compromissa com essa política de acolhimento.

Referências

ALMEIDA FILHO, J. C. A abordagem orientadora da ação do professor. In: _______________ (Orgs.). Parâmetros atuais para o ensino de português língua estrangeira. Campinas, SP: Pontes, 1997, p.13-28.

ALMEIDA FILHO, J. C. (Orgs). Fundamentos de Abordagem e Formação no Ensino de PLE e de Outras Línguas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2011.

ARANTES, P. C. C.; DEUSDARÁ, B.; BRENNER, A. K. Língua e alteridade na acolhida a refugiados: por uma micropolítica da linguagem. Fórum linguística. v. 13, n. 2, abr./jun. 2016.

BARBIER, R. A escuta sensível na abordagem transversal. In: BARBOSA, J. (Coord.). Multirreferencialidade nas ciências e na educação. São Carlos: Editora da UFSCar, 1998.

BARBIER, R. A pesquisa-ação. Brasília: Líber Livro, 2007.

BRASIL, Lei de Migração n. 13.445, de 24 de maio de 2017. Dispõe sobre os direitos e os deveres do migrante e do visitante, regula a sua entrada e estada no País e estabelece princípios e diretrizes para as políticas públicas para o emigrante. Diário oficial da União: Brasília, 2017. Disponível em: http://bit.ly/2QPXoGR. Acesso em: 04 fev. 2019.

BRASIL, Lei do Refúgio n. 9.474, de 22 de julho de 1997. Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências. Diário oficial da União: Brasília, 1997. Disponível em: http://bit.ly/37lQE90. Acesso em: 04 fev. 2019.

UNESCO, Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 10 de dezembro de 1948. Disponível em: http://bit.ly/36L7SNa. Acesso em: 04 fev. 2019.

CALVET, L. J. As políticas linguísticas. Tradução: Isabel de Oliveira Duarte; Jonas Tenfen; Marcos Bagno. Campinas, SP: Parábola Editorial: IPOL, 2007. 164p.

CANCHERINI, A.; FRANCO, M. A. S.; PONTES, R. A. F. A escuta sensível como instrumento metodológico na formação inicial de docentes. CAMINE: CAMINHOS DA EDUCAÇÃO, v. 4, p. 1-15, 2012.

CONARE. Refugiados e Conare. Disponível em: http://bit.ly/2QMqR4f. Acesso em: 20 jan. 2019.

COURY, P.; ROVERY, J. O idioma como facilitador do processo de integração de refugiados e imigrantes: a experiência do Instituto Migrações e Direitos Humanos (IMDH). In: Cadernos de debates refúgio, migrações e cidadania. v.12, n.12, Brasília: Instituto Migrações e Direitos Humanos, 2017, p.101-116.

EUZEBIO, U.; REBOUÇAS, E. M.; LOPES, L. P. S. Língua de acolhimento: demandas e perspectivas subjacentes ao conceito e à prática pedagógica no contexto brasileiro. In: GUIMARÃES, D. N; ANDRÉ, B. P. (Orgs.). Educação e diversidade: diálogo intercultural. RJ: Brasil Multicultural, 2018, p. 58-87.

GROSSO, M. J. R. Língua de acolhimento, língua de integração. Horizontes de Linguística Aplicada, v. 9, n. 2, 2010, p.61-77.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR MIGRATION. World Migration Report 2013: migrant well-being and development. Disponível em http://bit.ly/2FGTEAL. Acesso em 19 jan. 2019.

LOPES, L. P. S. O estatuto linguístico de segunda língua e de língua estrangeira do português brasileiro: consonância ou dissonância entre discurso oficial e discurso docente? Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade de Brasília. Brasília, 2018, 170p.

OLIVEIRA, L. A. Aula de inglês: do planejamento à avaliação. SP: Parábola, 2015, 269 p.

PAIVA, V. L. M. de O. Teoria Sociocultural. In: _____________. Aquisição de Segunda Língua. São Paulo: Parábola, 2014.

RAJAGOPALAN, K. Política linguística: do que é que se trata, afinal? In: NICOLAIDES, C.; SILVA, K. A.; TILIO, R.; ROCHA, C. H. (Orgs.). Política e políticas linguísticas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013, p.19-42.

RAJAGOPALAN, K. O professor de línguas e a suma importância do seu entrosamento na política linguística do seu país. In CORREA, D. A. (Orgs.). Política linguística e ensino de língua. Campinas, SP: Pontes Editores, 2014, p.73-82.

RAMOS, A. A. L. Princípios teórico-metodológicos em práticas pedagógicas de português brasileiro como língua adicional – PBLA. In: SILVA, F. C. O.; VILARINHO, M. M. O. (Orgs.). O que a distância revela volume IV: diálogos em português brasileiro como língua adicional. Brasília: Universidade Aberta do Brasil, UAB, UnB, 2017, p.19-50.

VIANA, N. Planejamento de cursos de línguas – pressupostos e percursos. In: Almeida Filho (Orgs.). Parâmetros atuais para o ensino de português língua estrangeira. Campinas, SP: Pontes, 1997, p.29-48.

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Poliana Silva Lopes, L., Melo Rebouças, E., & Euzebio, U. (2019). POLÍTICA LINGUÍSTICA EM CONTEXTO DE IMIGRAÇÃO E REFÚGIO: O PLANEJAMENTO DO ENSINO DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA DE ACOLHIMENTO NO ÂMBITO DO DISTRITO FEDERAL. Muiraquitã: Revista De Letras E Humanidades, 7(2). https://doi.org/10.29327/212070.7.2-13
Seção
DOSSIÊ