PORTUGUÊS E OUTRAS LÍNGUAS ROMÂNICAS: DESENVOLVIMENTO LINGUÍSTICO INTERSECCIONAL

  • Lorena Torres Timo Instituto Cultural de Ensino de Português para Estrangeiros
  • Dayana da Silva Gomes Instituto Cultural de Ensino de Português para Estrangeiros
  • Priscylla Fernandes dos Santos Instituto Cultural de Ensino de Português para Estrangeiros
Palavras-chave: Ensino de Línguas Românicas, Intercompreensão linguística, Método interseccional, Atividades interseccionais

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar estratégias de desenvolvimento linguístico de leitura e de escrita em consonância com os princípios do Método Eclético (LARSEN-FREEMAN, 2000) e da Abordagem Complexa (LARSEN-FREEMAN, 2016) ao considerar a homo e a heterogeneidade dos perfis de falantes de línguas românicas. Para tanto, propusemos a estudantes de uma instituição de ensino especializada em Português como Língua Adicional (PLA) atividades que considerassem a inteligibilidade existente entre línguas neolatinas. Os produtos pedagógicos gerados durante a pesquisa foram pautados nas competências receptivas que estas línguas podem incutir nos aprendizes. Conscientes da vantagem competitiva que possuem quanto à habilidade de compreensão e, consequentemente, quanto à habilidade de produção quando se considera as habilidades passivas e ativas de estudantes que dominam língua(s) de outras famílias linguísticas, aqueles que são proficientes em alguma língua latina percebem-se mais propensos e confiantes no aprendizado de outras línguas adicionais românicas. 

Referências

ANTHONY, E. M. Approach, Method, and Technique. In: ELT Journal, v. 17, n. 2, 1963, pp. 63-67.

BORTONI-RICARDO, S.M. O professor pesquisador – 2. reimp., 1. ed., São Paulo: Parábola Editorial, v. 1, 2011, pp. 31-40.

BROWN, H.D. English Language Teaching in the ‘Post- Method’ Era: Toward better Diagnosis, Treatment, and Assessment. In J. Richards and W. Renandya (eds.), Methodology in Language Teaching: An Anthology of Current Practice. Cambridge: Cambridge University Press, 2002, pp. 9-18.

CARVALHO, A. M. Português para falantes de espanhol: perspectivas de um campo de pesquisa.In: Hispania, n. 85, v. 3, 2002, pp. 597-608.

CARVALHO, A. M., Luna Freire, J. e Da Silva, A. J. B. Teaching Portuguese to Spanish speakers: A case of trilingualism. In: Hispania, n. 93, v.1, 2010, pp.70-75.

CHOMSKY, N. Syntactic Structures. The Hague: Mouton, 1957.

EBERHARD, D. M., SIMONS, G. F., FENNIG, C.D.(eds.). Ethnologue: Languages of the World, c2019. Página inicial. Disponível em: http://bit.ly/2TkrVxO. Acesso em: 18/09/2019

FLICK, U. Introdução à metodologia científica: um guia para iniciantes. Tradução: Magda Lopes. Porto Alegre: Penso, 2013.

GRANNIER, D. M. Revisitando a proposta heterodoxa. Estudios portugueses y brasileños, v. 12, 2014, pp. 161-176.

HYMES, D. On Communicative Competence. In: J. B. Pride, John B.; Holmes, Janet (eds.). Sociolinguistics. Selected Readings. Harmondsworth: Penguin, 1972.

LARSEN-FREEMAN, D. Chaos/Complexity Science and Second Language Acquisition. Applied Linguistics, v. 18, n. 2, 1997, pp. 141-165. Oxford: Oxford University Press.

LARSEN-FREEMAN, D. Techniques and Principles in Language Teaching (2nd ed.). Oxford: Oxford University Press, 2000.

LARSEN-FREEMAN, D. Teacher Learning and Learner Learning in TESOL. TESOL Quarterly, n. 35, v. 4, 2001, pp. 608-629.

LARSEN-FREEMAN, D. Classroom-oriented research from a complex systems perspective. In: Studies in Second Language Learning and Teaching, v.6, n.3, pp. 377-393. Department of English Studies, Faculty of Pedagogy and Fine Arts, Adam Mickiewicz University, Kalisz, Polônia, 2016.

LARSEN-FREEMAN D. Looking ahead: Future directions in, and future research into, second language acquisition. In: Foreign Language Annals, 2018, pp. 51-72.

LEFFA, V. J. Metodologia do ensino de línguas. In: Hilário Bohn; Paulino Vandresen. (Org.). Tópicos de lingüística aplicada ao ensino de línguas estrangeiras. 1ed. Florianópolis: UFSC, v. 1, 1988, pp. 211-236.

LEFFA, V., IRALA, V. B. O ensino de outra(s) língua(s) na contemporaneidade: questões conceituais e metodológicas. In: Vilson J. LEFFA; Valesca B. IRALA. (Orgs.). Uma espiadinha na sala de aula: ensinando línguas adicionais no Brasil. 1ed. Pelotas: Educat, 2014, v. 1, pp. 21-48.

LUNN, P. V.; ALKHAS, A. J. Learning French from Spanish and Spanish from French: A Short Guide. Washington, DC: Georgetown UP, 2017.

RESENDE, M. S. Notas sobre o ensino de Português como Língua Estrangeira. Domínios de Lingu@gem, v. 12, n. 2, jun. 2018, p. 871-891.

SKINNER, B.F. Verbal Behavior. Nova Iorque: Appleton-Century-Corfts, 1957.

STEIN-SMITH, K. The Romance Advantage - The Significance of the Romance Languages as a Pathway to Multilingualism. In: Theory and Practice in Language Studies, vol. 8, n.10, 2018, pp. 1253-1260.

WALI, N.H. Eclecticism and Language Learning. In: Al-Fatih Journal, n. 39. Diyala University-College of Basic Education, 2009.

WATSON, J. Behaviorism. Nova Iorque, Norton, 1924.

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Torres Timo, L., da Silva Gomes, D., & Fernandes dos Santos, P. (2019). PORTUGUÊS E OUTRAS LÍNGUAS ROMÂNICAS: DESENVOLVIMENTO LINGUÍSTICO INTERSECCIONAL. Muiraquitã: Revista De Letras E Humanidades, 7(2). https://doi.org/10.29327/212070.7.2-16
Seção
DOSSIÊ