QUEM OUSA ENSINAR

redes de resistência de professores e discursos públicos contra uma “Escola Sem Partido”

Autores

Palavras-chave:

Educação, Professores, Gênero, Sexualidade, Movimentos Sociais, Escola Sem Partido

Resumo

Neste artigo nos propomos a investigar estratégias de resistência desenvolvidas por professores diante da ascensão transnacional de conservadorismos sociais e políticos na última década, com fortes repercussões na política de educação e nos cotidianos escolares no Brasil. Discursos de combate à "doutrinação nas escolas" e à suposta "ideologia de gênero" servem de ferramentas de criação de pânicos morais para iniciativas de censura à abordagem de determinados temas na arena pública brasileira. Uma das fundamentações dessa movimentação “conservadora” é de que haveria um estímulo à sexualização das crianças e a diversidade sexual e de gênero seria um agente destruidor da família e, portanto, as escolas devem se proteger de sua ameaça. Aqui analisaremos discursos encontrados no material disponibilizado publicamente pelo "Professores contra o Escola Sem Partido" (PCESP), movimento criado por professores em 2015 em resposta às mobilizações no legislativo federal de debate sobre o projeto Escola Sem Partido, que visava coibir ações de "cunho ideológico". No amplo espectro das temáticas abordadas pelo PCESP, em um contexto de intenso confronto de moralidades em relação ao gênero e a sexualidade, nos interessa refletir sobre as abordagens e as disputas acerca do lugar desses temas nas escolas. A mobilização de professores nos leva à reflexão do papel do ativismo como uma das esferas do ato de educar.

Referências

ALMEIDA, R. A onda quebrada - evangélicos e conservadorismo. Cad. Pagu [online]. 2017, n.50.
ALMEIDA JR, A. Bolsonaro ataca questão do Enem sobre linguagem secreta de travestis. Metrópoles, 05 nov. 2018. Disponível em https://bit.ly/3cDlXly. Acesso em 31 jan. 2021.
AMAYA, J. F. S. La tormenta perfecta: Ideología de género y articulación de públicos. Sexualidad, Salud y Sociedad, Rio de Janeiro, n. 27, p. 149-171, Dez. 2017.
APPLE, M.; TETELBAUM, K. Está o professorado perdendo o controle de suas qualificações e do currículo? Teoria & Educação, Dossiê: Interpretando o trabalho docente, nº 4. Porto Alegre: Pannonica Ed., 1991.
AQUINO, L. Professor de educação infantil. OLIVEIRA, D.; DUARTE, A.; VIEIRA, L. (org.). Dicionário de trabalho, condição e profissão docente. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.
BETIM, F. Campanha “anti-doutrinação” contra professores eleva estresse em sala de aula. El País, 19 mai. 2019. Disponível em https://bit.ly/3jh8YY6. Acesso em 31 jan. 2021.
BIROLI, F. Gênero e desigualdades: os limites da democracia no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.
BRASIL, Ministério da Educação. Instituições de ensino públicas não podem promover movimentos políticos. Brasília: MEC, 30 mai. 2019. Disponível em http://portal.mec.gov.br/component/content/index.php?option=com_content&view=article&id=76641:instituicoes-de-ensino-publicas-nao-podem-promover-movimentos-politicos&catid=33381&Itemid=86. Acesso em 31 jan. 2021.
CALÇADE, P. Na mira de Bolsonaro, Paulo Freire não está no currículo, mas é referência em escolas. Folha de S. Paulo, 25 out. 2018. Disponível em https://bit.ly/2YAF6we. Acesso em 31 jan. 2021.
CARRARA, S. Moralidades, racionalidades e políticas sexuais no Brasil contemporâneo. Mana, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 323-345, Aug. 2015.
CORNEJO-VALLE, M.; PICHARDO, J. I. La “ideología de género” frente a los derechos sexuales y reproductivos. El escenario español. Cad. Pagu [online] nº 50, 2017.
CORRÊA, S. O percurso global dos direitos sexuais: entre “margens” e “centros”. Bagoas 2009; 4:17-42.
CORRÊA, S. A “política do gênero”: um comentário genealógico. Cad. Pagu (53), 2018a.
CORRÊA, S. Eleições brasileiras de 2018: a catástrofe perfeita? Sexuality Policy Watch, 12 nov. 2018b (post-scriptum fev. 2019).
CUNHA, A. R. Desvendamos as notícias falsas de Damares Alves contra a “ideologia de gênero”. Aos Fatos, 19 dez. 2018. Disponível em https://bit.ly/39JtzRx. Acesso em 31 jan. 2021.
DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016. Trad. H. R. Candiani.
DOUGLAS, M. Pureza e Perigo: Ensaio sobre as noções de Poluição e Tabu. Lisboa: Ed. 70 (col. Perspectivas do Homem, n.º 39), s.d. (trad. S. Pereira da Silva, 1966).
EL PAÍS. “Eles querem retirar a diversidade da escola”. El País, 24 jun. 2016. Disponível em https://bit.ly/3tqtw4K. Acesso em 31 jan. 2021.
FACCHINI, R. Sopa de letrinhas?: Movimento Homossexual e produção de identidades coletivas nos anos 90. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.
FACCHINI, R. De homossexuais a LGBTQIAP+: sujeitos políticos, saberes, mudanças e enquadramentos. R. Facchini; I. L. França. (Org.). Direitos em disputa: LGBTI+, poder e diferença no Brasil contemporâneo. 1ed.Campinas: Ed. da Unicamp, 2020, p.31-70
FREIRE, P. Professora sim, tia não: Cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Ed. Olho d’Água, 1997.
HINE, C. Ethnography for the Internet: Embedded, Embodied and Everyday. Londres: Bloomsbury Academic, 2015.
HOOKS, b. Teaching to transgress: education as a practice of freedom. New York: Routledge, 1994.
JUNQUEIRA, R. “Ideologia de gênero”: a gênese de uma categoria política reacionária – ou: a promoção dos direitos humanos se tornou uma “ameaça à família natural”? Ribeiro, P. R. C.; Magalhães, J. C. (orgs.). Debates contemporâneos sobre educação para a sexualidade. Rio Grande, RS, Ed. da FURG, 2017, p.25-52.
KUHAR, R.; PATERNOTTE, D. (Orgs.). Anti-Gender Campaigns in Europe: Mobilizing against Equality. Brussels: Rowan & Littlefield, 2017.
LEITE, V. “Impróprio para menores?”: Adolescentes e diversidade sexual e de gênero nas políticas públicas brasileiras contemporâneas. Tese (doutorado) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Medicina Social, 2014.
LEITE, V. “Em defesa das crianças e da família”: Refletindo sobre discursos acionados por atores religiosos “conservadores” em controvérsias públicas envolvendo gênero e sexualidade. Sex., Salud Soc. (Rio J.) [online]. 2019a, n.32
LEITE, V. “A captura das crianças e adolescentes: refletindo sobre controvérsias públicas envolvendo gênero e sexualidade nas políticas de educação”. Série-Estudos, Campo Grande, MS, v. 24, n. 52, p. 11-30, set./dez. 2019b.
LINDNER, J. Deputada do PSL pede que alunos gravem vídeos para denunciar professores. Estadão, Brasília, 29 out. 2018. Disponível em https://bit.ly/3cAapiL. Acesso em 31 jan. 2021.
LOWENKRON, L. O monstro contemporâneo: a construção social da pedofilia em múltiplos planos. Rio de Janeiro: Eduerj, 2015.
MESSENBERG, D. A cosmovisão da "nova" direita brasileira. Pinheiro-Machado, R. & Freixo, A. de (org.). Brasil em Transe: Bolsonarismo, Nova Direita e Desdemocratização. Oficina Raquel, 2019.
MIGUEL, L. F. Da “doutrinação marxista” à "ideologia de gênero" - Escola Sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro. Ver. Direito e Práxis, 2016, 7.
MISKOLCI, R.; CAMPANA, M. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Rev. Sociedade e Estado – V. 32, N. 3, set./dez. 2017.
Rubin, G. Thinking sex: notes for a radical theory of the politics of sexuality. NARDI, P. M.; SCHNEIDER, B. E. (Ed.). Social perspectives in lesbian and gay studies. London: Routledge, 1998.
SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, v. 16, n 2, Porto Alegre, jul./dez. 1990.
SEDGWICK, E. A epistemologia do armário. Cad. Pagu [online]. 2007, n.28, p.19-54.
SEPÚLVEDA, J. A.; SEPÚLVEDA, D. Conservadorismo e educação escolar: um exemplo de exclusão. movimento-revista de educação, n. 5, jan. 2017.
WEEKS, J. Sex, Politics and Society: The Regulation of Sexuality since 1800, Nova York: Longman, 1981.
WEEKS, J. Sexuality and its discontents: Meanings, myths & modern sexualities. Nova York: Routledge, 1985.

Downloads

Publicado

2021-03-30

Como Citar

LEÃO, M.; LEITE, V. QUEM OUSA ENSINAR: redes de resistência de professores e discursos públicos contra uma “Escola Sem Partido”. Communitas, [S. l.], v. 5, n. 9, p. 65–78, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4698. Acesso em: 17 abr. 2021.