O CONSUMO E A ANÁLISE MULTIRREFERENCIAL DA REPRESENTAÇÃO FEMININA EM NOSEDIVE (2011)

Autores

Palavras-chave:

Sociedade da informação. Multirreferencialidade. Representatividade feminina. Consumo.

Resumo

O presente artigo tem como propósito discutir por meio da análise do episódio Nosedive da série Black Mirror (2011), alguns aspectos da multirreferencialidade como potencialidade nos campos da Educação e Comunicação. Partimos do pressuposto de que por meio da compreensão da linguagem audiovisual é possível integrar a compreensão de diferentes dimensões de realidade, promovendo o desenvolvimento crítico-reflexivo e a ampliação do julgamento estético dos sujeitos. O reconhecimento das muitas camadas de leitura e interpretação das imagens do episódio confere visibilidade à pluralidade de olhares sob questões sociais relevantes tais como a estereotipização e a objetificação da figura feminina nos meios cinematográficos, nos quais o irreal se naturaliza e acaba por reproduzir-se como a verdadeira representação visual do real. Para isso, foram analisados: aspectos teóricos da lógica do consumo, as imagens, contextos e paletas de cores da narrativa, no exercício da multirreferencialidade. Como resultados da nossa investigação destacamos que o episódio fomenta reflexões acerca do fenômeno contemporâneo da vigilância e sua constituição a partir da primazia do consumo nas relações sociais. 

Biografia do Autor

Glenda Esther Ferreira da Silva, Universidade de Brasília

Graduanda de licenciatura em Pedagogia na Universidade de Brasília.Lattes: http://lattes.cnpq.br/9462859456025773.Contato: glendaesther7@gmail.com

Referências

ALMEIDA, Milton José de. Imagens e Sons: a nova cultura oral. São Paulo: CORTEZ, 2001.
BAUDRILLARD, Jean. A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70, 1981.
BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.
BAUMAN, Zygmunt. A sociedade individualizada: vidas contadas e histórias vividas. [E-book]. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.
BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar, 2008b.
BAUMAN, Zygmunt. Cegueira moral: a perda da sensibilidade na Modernidade Líquida. [E-book]. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.
BAUMAN, Zigmunt. Vigilância Líquida. [E-book]. Zahar: Rio de Janeiro, 2014b.
BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 11° edição. Bertrand, Rio de Janeiro, Brasil, 2012.
CANEVACCI, Massimo. A cidade polifônica. SP: Studio Nobel, 1995.
FEATHERSTONE, Mike. Cultura de consumo e Pós - Modernismo. São Paulo: Studio Nobel,1993.
FAGUNDES, Norma Carapiá; BURNHAM, Teresinha Fróes. Transdisciplinaridade, multirreferencialidade e currículo. Revista entreideias: educação, cultura e sociedade, v. 6, n. 5, 2007.
GIL, Inês. A atmosfera fílmica como consciência. Caleidoscópio: Revista de Comunicação e Cultura, [S.l.], n. 2, july 2011. ISSN 1645-2585. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/caleidoscopio/article/view/2192>. Acesso em: 15 de julho de 2018.
GUBERNIKOFF, Giselle. Cinema, identidade e feminismo. São Paulo: Editora Pontocom, 2016.
HELLER, Eva. A psicologia das Cores: como as cores afetam a razão e emoção. 1º Edição. São Paulo: Gustavo Gilli, 2013.
JAMENSON, Frederic. Pós - Modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática,1996..
MACHADO, Arlindo. Máquina e Imaginário. SP:EDUSP, 1993.
MORIN, Edgar. As estrelas: mito e sedução no cinema. SP: José Olympio, 1989.
SANTAELLA, Lúcia. Cultura das mídias. SP: Experimento, 1996.
SANTAELLA, Lúcia. Linguagens líquidas na era da Mobilidade. SP: Paulus, 2007
SARLO, Beatriz. Cenas da vida pós-moderna. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.
XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

Downloads

Publicado

2020-05-29

Como Citar

Versuti, A., Glenda Esther Ferreira da Silva, & Nicole Pachêco Vieira. (2020). O CONSUMO E A ANÁLISE MULTIRREFERENCIAL DA REPRESENTAÇÃO FEMININA EM NOSEDIVE (2011). REVISTA COMMUNITAS, 4(7), 109-123. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3256

Edição

Seção

Dossiê Temático