BLACK MIRROR E O EPISÓDIO ENGENHARIA REVERSA

RELAÇÃO COM O CASO DO JOVEM NEGRO TORTURADO EM SÃO PAULO

Palavras-chave: Black Mirror; Racismo; Discurso de Ódio.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo analisar as relações do episódio Engenharia Reversa, da série britânica Black Mirror, com o caso do jovem que foi torturado nos fundos de um supermercado em São Paulo por ter furtado uma barrinha de chocolate; assim como os discursos de ódio como ressonância da veiculação do ocorrido nas redes sociais. O texto dedicar-se-á revelar as sequelas dos prolixos e padecidos anos de racismo – provenientes do processo de escravização no Brasil – que afetaram e ainda afetam a vida e vivências do povo negro em solo nacional, evidenciando a importância da presença desse debate na educação básica brasileira. A abordagem metodológica deu-se através da revisão literária e análise de discursos de ódio. A criticidade sobre as concepções da falsa superioridade de raças impostas no século XVI e ratificadas pela sociedade contemporânea resulta na reflexão do espaço do povo negro e do seu poder de ruptura de fundamentos do racismo enraizado em solo brasileiro.

Biografia do Autor

Telma Brito Rocha, Faced UFBA

Licenciatura em Pedagogia – UFBA (2002), Doutorado em Educação – UFBA (2010), com a tese Scr@ps de ódio no Orkut: cyberbullying contextos e ressonâncias da violência virtual que atinge o professor. É professora de Didática do Departamento II da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia. Membro do grupo de pesquisa FORMACCE em aberto - Grupo de Pesquisa em Currículo e Formação. E-mail: https://orcid.org/0000-0002-8389-4542telmabr@gmail.com 

 

Cleyton Williams Golveia da Silva Brandão, Universidade Federal da Bahia

Graduando da Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Graduando de Jornalismo na Universidade Salvador. Bolsista do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica (PIBIC/UFBA).

Referências

ALMEIDA, Silvio. Racismo Estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

BILHEIRO, Ivan. A Legitimação Teológica do Sistema de Escravidão Negra no Brasil: Congruência com o Estado Para uma Ideologia Escravocrata. Juiz de Fora: 2008. Disponível em: https://www.cesjf.br/revistas/cesrevista/edicoes/2008/a_legitimacao.pdf. Acesso em: 02 dez. 2019.

BRANDÃO, C. W. G. S.; CRUZ, D. A. C. S. O Passado Negado e o Presente Axiológico de Mulheres Negras: mudanças sócio-antropológicas na história. Salvador: 2015.

BRASIL. Decreto-Lei 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 31 dez. 1940. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848.htm Acesso em: 02 dez. 2019.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de Agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências.
Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12711.htm. Acesso em: 02 Dez. 2019.

BRASIL. LEI no 9.455, de 07 de abril de 2007. Define os crimes de tortura e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9455.htm/. Acesso em: 02 dez. 2019.

CANDAU, Vera Maria. Memórias, Diálogos e Buscas: aprendendo e ensinando. Educação Unisinos, v. 12, n.3, p. 174-181, 2008.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

COSTA, Jurandir Freire. Violência e psicanálise. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

GOMES, Laurentino. Escravidão: do primeiro leilão de cativos em Portugal até a morte de Zumbi dos Palmares. Rio de Janeiro: Globo Livros, 2019.

HALL, Stuart. A Identidade Cultural na Pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Atlas da Violência 2019. Disponível em:http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=34784&Itemid=432. Acesso em: 25/11/2019.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo, EPU, 1986.

MARTINO, Luis Mauro Sa. Teorias das Mídias Digitais. Linguagens, ambientes e redes. Petropólis, Vozes: 2014

MINKA, Jamu. Cadernos Negros: os melhores poemas. São Paulo: Quilombhoje, 1978.

REIS, João José. Rebelião Escrava no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 2012.

RIBEIRO, Djamila. Quem Tem Medo do Feminismo Negro?. São Paulo: Cia das Letras, 2018.

ROCHA, Telma Brito. Cyberbullying: ódio, violência virtual e profissão docente. Brasília: Liber Livro, 2012.

SANTOS, Marco Aurélio Moura Dos. O Discurso de Ódio nas Redes Sociais. São Paulo: Lura Editorial, 2016.

SCHWARCZ, Lilia M.; GOMES, Flávio. Dicionário da Escravidão e Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SILVA, Ana Célia. A discriminação do negro no livro didático. Salvador: CED – Centro Editorial Didático e CEAO - Centro de Estudos Afro - Orientais, 1995, p 34; 47; 135.

SOUZA, Neusa Santos. Torna-se Negro: ou as vicitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Graal, 1983.
Publicado
2020-05-29
Como Citar
Rocha, T. B., & Silva Brandão, C. W. G. da. (2020). BLACK MIRROR E O EPISÓDIO ENGENHARIA REVERSA: RELAÇÃO COM O CASO DO JOVEM NEGRO TORTURADO EM SÃO PAULO. REVISTA COMMUNITAS, 4(7), 34-42. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3199
Seção
Dossiê Temático