CORPO, GÊNERO E SEXUALIDADE EM BLACK MIRROR

CARTOGRAFIAS AUDIOVISUAIS

Palavras-chave: normatividades; subjetivação; pedagogias; interseccionalidade

Resumo

Assim como as telenovelas de outrora na América Latina, as séries internacionais atualmente são um artefato cultural produtivo no emaranhado de fluxos semióticos e discursivos que disputam/forjam a produção de subjetividades em grande parte das culturas ocidentais. Neste artigo, a partir de um dispositivo midiático, analisamos as tensões em torno da produção da identidade e diferença como elemento potente aos estudos em educação pós-crítica, cartografando problematizações de gênero e sexualidade (em interseccionalidade com outros marcadores da diferença) que aparecem com maior ênfase em alguns episódios da série britânica Black Mirror. Desta forma, nossa rota cartográfica acompanha as seguintes produções: “Hino Nacional”, “Cala a boca e dança”, “San Junipero”, “Arkangel” e “Hang the DJ”. Apostamos que independente da intenção das pessoas que a criaram, ao ser consumido por centenas de milhões de pessoas em diversas partes do mundo, estes episódios e seus temas, passam a fazer parte de disputas morais nas mais diversas arenas internacionais, nacionais, locais, sempre interferindo no processo educacional das populações.

Referências

ALVES, N. A compreensão de políticas nas pesquisas com os cotidianos: para além dos processos de regulação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, outubro-dezembro, p. 1195-1212, 2010.

BUTLER, J. Le récit de soi. Paris: Editions PUF, 2005.

DELEUZE, G. “Écrivain, non: Un Nouveau Cartographe”. Critique, n. 343, 1975, p. 1207-1227.

DELEUZE, G. Post-scriptum sobre las sociedades de control. Polis. Revista Latinoamericana, n. 13, 2006.

FELIPE, J. Afinal, que é mesmo pedófilo? Cadernos Pagu (26), Campinas, janeiro-junho, 2006, p. 201-223.

FOUCAULT, M. Sobre a genealogia da ética: uma revisão do trabalho. In: DREYFUS, H e RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

_____________. História da sexualidade. A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1997.

_____________. Os anormais: curso no College de France (1974-1975) / Michel Foucault : tradução Eduardo Brandão. - São Paulo: Martins Fontes. 2001.

_____________. Foucault. [1984a]. In: FOUCAULT, Michel. Dits et écrits II, 1976-1988. Paris: Gallimard, 2001.

_____________. Le souci de la vérité. [1984b]. In: FOUCAULT, Michel. Dits et écrits II, 1976-1988. Paris: Gallimard, 2001.

_____________. Michel Foucault, une interview: sexe, pouvoir et la politique de l´indentité. [1984c]. In: FOUCAULT, Michel. Dits et écrits II, 1976-1988. Paris: Gallimard, 2001

_____________. Une esthétique de l´existence. [1984d]. In: FOUCAULT, Michel. Dits et écrits II, 1976-1988. Paris: Gallimard, 2001.

_____________. História da sexualidade. O uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Graal, 2012.

GAGNON, J. O uso explícito e implícito da perspectiva da roteirização nas pesquisas sobre a sexualidade (1991). In: ______. Uma interpretação do desejo: ensaios sobre o estudo da sexualidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

GALLINDO, D.; MILIOLI, D.; PERES, W. S.. Alianças multiespécie e subjetivações trans-humanas: leituras cruzadas a partir da performance ´quando todos calam´, de Berna Reale. IN LESSA, P; GALLINDO, D (orgs). Feminismos, animalismos e veganismo. Maringa: Editora da UEM, 2017, p. 95-118.

LOURO, G. Heteronormatividade e Homofobia. In: JUNQUEIRA, R. D. (org) Diversidade sexual na Educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: MEC/ Secad/Unesco, 2009. p. 85-93.

MEYER, D; KLEIN, C; DAL´IGNA, MC; ALVARENGA, LF. Vulnerabilidade, gênero e políticas sociais: a feminização da inclusão social. Estudos Feministas, Florianópolis, 22(3): 885-904, setembro-dezembro, 2014.

POCAHY, F. 'Vem meu menino, deixa eu causar inveja': ressignificações de si nas transas do sexo tarifado. Sexualidad, Salud y Sociedad (Rio de Janeiro), v.11, p.122 - 154, 2012.

__________. Gênero e sexualidade em interseccionalidades nos/com os cotidianos da educação e(m) saúde: carto-genealogias da diferença. Projeto de Pesquisa – Jovem Cientista do Nosso Estado, Rio de Janeiro, 2018 (no prelo).

RICH, A. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Revista Bagoas, 2010, n.5, p. 17-44.

RUBIN, G.; BUTLER, J. Tráfico sexual: entrevista. Cadernos Pagu, 2003, n.21, p.157-209.

SOARES, Maria da Conceição Silva. O audiovisual como dispositivo de pesquisa nos/com os cotidianos das escolas. Visualidades – Ver. Do Programa de Mestrado em Cultura Visual, v.14, p. 80-103, 2016.
Publicado
2020-05-29
Como Citar
Pocahy, F., & Cruz, T. (2020). CORPO, GÊNERO E SEXUALIDADE EM BLACK MIRROR: CARTOGRAFIAS AUDIOVISUAIS. REVISTA COMMUNITAS, 4(7), 91-108. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/2836
Seção
Dossiê Temático