Os Huni Kuin e a luta contra o colonialismo de estado na fronteira Acreana

Palavras-chave: Cultura. Política. Identidade. Território. Interculturalidade.

Resumo

Apresentamos aqui, uma proposta de leitura acerca da luta de um grupo Huni Kuin, que aviltados pela lógica do Estado Nacional brasileiro, são silenciados em suas epistemologias e cultura singulares, possuidoras de categorias de espaço e território que desafiam a sociedade não indígena e seus parâmetros de relação com a terra. Nesse sentido, nos interessa investigar as implicações e desdobramentos das ações de um Estado que atua em uma perspectiva de disciplina e controle, de fronteiras narradas, e, por isso, arbitrárias e sempre violentas. Como parte da problematização, trabalhamos aqui com a categoria de espaço-tempo dentro de diferentes perspectivas. Além disso, interessa-nos como estas questões podem se articular com as noções de espaço e territorialidade junto a um grupo Huni Kuin em suas lutas pela terra, suas culturas e identidades, e de que forma suas singularidades possuem um potencial de enfrentamento das categorias de espaço-tempo impostas secularmente pela empresa estatal. 

Referências

AMAZÔNIA em chamas: indígenas Huni Kuin perdem animais e árvores em incêndio, no Acre. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/592097. Acesso em: 30 ago. 2019.

ANDERSON, B. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e difusão do nacionalismo: Benedict Anderson. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

CHIRIF, A. Identidad, interculturalidad e inclusión em la Amazonía peruana hoy. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 3, n. 6, p. 135-159, out. 1997.

CLASTRES, P. A sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política. São Paulo:Ubu Editora, 2017.

FERRAZ, I. Resposta a Tucuruí: o caso dos Parkatejês. In: MAGALHÃES, S. B.; BRITO, R.; CASTRO, E. (Org.). Energia na Amazônia. Belém, PA: Museu Paraense Emilio Goeldi/UFPA/UNAMAZ, 1996. p. 46-58.

MATOS, M. de A. Organização e história dos Manxineru do alto rio Iaco. 2018. 415 f. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, 2018.

MESSINA, M.; SOUZA, J. A. Colonialismo e confisco de terras, ou como os Huni Kuin foram expulsos de Plácido de Castro, no Acre. In: ENCONTRO DO GRUPO DE ESTUDOS LINGUÍSTICOS E LITERÁRIOS DA REGIÃO NORTE - GELLNORTE, 2., 2019, Manaus. Linguística e Literaturana Amazônia: políticas de pesquisa para as margens: anais. Manaus: UEA, 2019.

PAULA, E. A. de. Capitalismo verde e transgressões: Amazônia no espelho de Calibã. Dourados, MS: Ed. UFGD, 2013.

PELBART, P. O avesso do niilismo: cartografias do esgotamento. São Paulo: N-1 Edições, 2018.

TIRADO, P. O. Tres notas sobre conflictos e interculturalidad en el centro sur de la Amazonía. Universitas, Revista de Ciencias Sociales y Humanas, v. 4, p. 129-145, 2004.

TORRES, S. Nosotros in USA: literatura, etnografia e geografias de resistência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

Publicado
2020-12-07
Como Citar
Souza, J. de A. (2020). Os Huni Kuin e a luta contra o colonialismo de estado na fronteira Acreana. Muiraquitã: Revista De Letras E Humanidades, 8(2). https://doi.org/10.29327/210932.8.2-7