MULTILINGUISMO NA ESCOLA: CRENÇAS E ATITUDES LINGUÍSTICAS DE PROFESSORES DE LÍNGUA PARA/COM IMIGRANTES REFUGIADOS EM ESCOLAS PÚBLICAS DE CHAPECÓ

  • Cristiane Horst Universidade Federal da Fronteira Sul - Campus Chapecó/SC (UFFS)
  • Julia do Nascimento Bertiotti Universidade Federal da Fronteira Sul - Campus Chapecó (UFFS)
Palavras-chave: Línguas minoritárias, Imigrantes refugiados, Professores de línguas, Crenças e atitudes linguísticas, Chapecó

Resumo

O ensino de língua portuguesa influencia no processo de integração social de estudantes em situação de refúgio e o professor tem grande importância nesse processo. Por isso, procura-se identificar e descrever crenças linguísticas de professores de línguas que lecionam em uma mesma sala de aula a alunos brasileiros e alunos imigrantes refugiados ou filhos de pessoas nessa situação. Procura-se investigar de que forma os professores se portam no acolhimento de diferentes culturas dentro dos espaços escolares, na promoção da tolerância e na inserção desses indivíduos nos contextos social e escolar. A partir da identificação das crenças, percebe-se como a formação dos professores e o suporte dado pelas instâncias organizacionais e políticas influenciam no que se refere a propiciar melhores condições para promover a manutenção e integração linguística e cultural e a sensibilização à diversidade no espaço escolar.

Referências

AGUILERA, V. A. Crenças e atitudes linguísticas: o que dizem os falantes das capitais brasileiras. São Paulo. Estudos Linguísticos, v. 37 (2), 2008.

ALTENHOFEN, C. V. O Conceito de Língua Materna e suas implicações para o estudo do Bilingüismo (Alemão-Português). Martius-Staden Jahrbuch, v. 49, p. 141-161, 2002.

ALTENHOEN, C. V.; MELLO, H.; RASO, T. Os contatos linguísticos no Brasil: dinâmicas pré-históricas, históricas e sociopolíticas. In: ALTENHOEN, C. V.; MELLO, H.; RASO, T. Os contatos linguísticos no Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2011, p. 13-56.

ALTO COMISSARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA OS REFUGIADOS (ACNUR). Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados. Nova Iorque, EUA: ACNUR, 1951. Disponível em: <http://www.acnur.org/t3/fileadmin/Documentos/portugues/BDL/Convencao_relativa_ao_Estatuto_dos_Refugiados.pdf>. Acesso em: 07 jun. 2018.

AMADO, R. S. O português como língua de acolhimento para refugiados. Revista da SIPLE. Brasília, Ano 4, n. 2, Out. 2013. [online]. Disponível em: < http://www.siple.org.br/index.php?option=com_content&view= article&id=309:o-ensino-de-portugues-como-lingua-de-acolhimento-para-refugiados &catid=70:edicao-7&Itemid=113>. Acesso em: 16 mai. 2018.

BERNIERI, S. R. Crenças e atitudes linguísticas em relação a línguas minoritárias: alemão em São Carlos/SC e italiano em Coronel Freitas/SC. Chapecó: UFFS, 2017.

BUSSE, S.; SELLA, A. F. Uma análise das crenças e atitudes linguísticas dos falantes do oeste do Paraná. Signum: Estud. Ling., Londrina, n. 15/1, p. 77-93, jun. 2012

BRASIL. Constituição, 1988. Constituição: República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Decreto-lei nº 1.545, de 25 de agosto de 1939. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1930-1939/decreto-lei-1545-25-agosto-1939-411654-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 8 jun. 2018

BULLA, G. S.; SILVA, R. L.; LUCENA, J. C.; SILVA, L. P. Imigração, Refúgio e Políticas Línguísticas no Brasil: Reflexões Sobre Escola Plurilíngue e Formação de Professores a Partir de Uma Prática Educacional com Haitianos. Organon, v. 32, n. 62, 2017.

CALVET, J. L. As políticas Linguísticas. São Paulo, 2007.

CAVALCANTI, M. C. Estudos sobre educação bilíngüe e escolarização em contextos de minorias lingüísticas no Brasil. Delta, v. 15, n. especial, 1999.

ECKERT-HOFF, B. (Dis)sabores da língua ma(e)terna: os conflitos de um entre-lugar. IN: ECKERT-HOFF, B. e CORACINI, MJRF. Escrit(ur)a de si e alteridade no espaço papel-tela. Campinas: Mercado de Letras, 2010, p. 79-106.

FUNKLER, D. I.; HORST, C.; KRUG, M. J. Crenças e atitudes linguísticas de falantes ítalo-brasileiros em Chapecó-SC. Sociodialeto. v. 7, p. 211-248, 2017.

GROSSO, M. Língua de acolhimento, língua de integração. Horizontes de Línguística Aplicada. v. 9, n.2, p. 61-77, 2010.

HORST, C. A situação da alfabetização dos falantes de línguas de imigração no contexto brasileiro. Revista Contingentia, 2009.

HORST, C. “Quando o Heinrich casa com a Iracema, a Urmutter vira bisa”: A dinâmica dos nomes próprios de pessoas e comuns de parentesco em uma comunidade de contato alemão-português do sul do Brasil - Kiel: Westensee-Verl, 2011.

HORST, C.; FORNARA, A. E.; KRUG, M. Estratégias de Manutenção e Revitalização Linguística no Oeste Catarinense. Organon, v. 32, n. 62, 2017.

KAUFMANN, G. Atitudes na sociolinguística: aspectos teóricos e metodológicos. In: RASO, T.; MELLO, H.; ALTENHOFEN, C. V. (Orgs.). Os contatos linguísticos do Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2011. p. 187-216.

KING, K.; MACKEY, A. The bilingual edge: Why, when and how to teach your child a second language. New York: Harper Collins Publisher, 2007.

LOBO, J. A. Racismo e patriarcado como sistema internacional: uma análise antropológica das relações Brasil-Haiti. 2017. 107 páginas. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Antropologia e Diversidade Cultural Latinoamericana). Universidade Federal da Integração Latino-Americana, Foz do Iguaçu, 2017.

PAYER, M.O. Processos de identificação sujeito/língua: ensino, língua nacional e língua materna. IN: ORLANDI, E. Política linguística no Brasil. Campinas: Pontes, 2007, p.113-123.

PEREIRA, G. F. O português como língua de acolhimento e interação: a busca pela autonomia por pessoas em situação de refúgio no Brasil. Cadernos de Pós-Graduação em Letras v. 17, n. 1, São Paulo: 2017, p. 118-134.

MELLO, Heliana; ALTENHOFEN, Cléo Vilson; RASO, Tommaso (Orgs.). Os contatos linguísticos no Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

SOARES, L. F.; TIRLONI, L. P. Rakonte Mwen: um projeto de ensino de português brasileiro a imigrantes haitianos a partir da literatura popular. Revista X v. 12, n. 2, Curitiba: 2017, p. 192-216.

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Horst, C., & do Nascimento Bertiotti, J. (2019). MULTILINGUISMO NA ESCOLA: CRENÇAS E ATITUDES LINGUÍSTICAS DE PROFESSORES DE LÍNGUA PARA/COM IMIGRANTES REFUGIADOS EM ESCOLAS PÚBLICAS DE CHAPECÓ. Muiraquitã: Revista De Letras E Humanidades, 7(2). https://doi.org/10.29327/212070.7.2-6
Seção
DOSSIÊ