ENSINO E APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA DE ACOLHIMENTO (PLAC): SUBSÍDIOS PARA PRÁTICAS DOCENTES DIRECIONADAS

SUBSÍDIOS PARA PRÁTICAS DOCENTES DIRECIONADAS.

  • Isabella Saliba Pereira Chilante Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
  • João Fábio Sanches Silva
Palavras-chave: Português, Língua de Acolhimento, Imigrantes

Resumo

O Brasil, nos últimos anos, vem recebendo um grande fluxo de imigrantes, muitos vindos de países fronteiriços em situação de crise social, econômica e política, em busca de melhores condições de vida. Dentre os desafios enfrentados no novo país, encontra-se o idioma. A fim de suprir essa necessidade de comunicação efetiva por parte dos imigrantes, surgiu o conceito de Português como Língua de Acolhimento (PLAc). Considerando esta ser uma área emergente no Brasil, objetivamos neste artigo propor subsídios para práticas docentes direcionadas às necessidades do aprendiz partindo de aspectos linguísticos do imigrante em um curso de PLAc. Os dados foram coletados por meio de questionário e entrevista. Os resultados sugerem que o público imigrante possui características que os diferenciam dos aprendizes de português como língua estrangeira, devendo o professor da área de PLAc estar ciente dessas especificidades e priorizar atividades que vão ao encontro das necessidades desses alunos.

Referências

AMADO, R. S. O ensino de português como língua de acolhimento para refugiados. Revista SIPLE, ano 4, no. 2, 2013.

ANÇÃ, M. H. Língua portuguesa em novos públicos. Saber (e) Educar. Porto (Portugal). n. 13, p. 71-87, 2008.

ARANDA, B.; EL MADKOURI, M. Enfoques para el estúdio de la adquisición de una L2 como lengua de acogida. Su evolución hacia un modelo descriptivo de corte pragmático. Revista electrónica de estúdios filológicos. No. 10, Novembro de 2005.

BARBOSA, L. M. A. Imigração e ensino-aprendizagem de português na Universidade de Brasília: experiências, aprendizagens e desafios. In: LIMA, R.; MAGALHÃES, M. G. (Orgs.). Culturas e Imaginários: deslocamentos, interações e superposições. 1ed.Rio de Janeiro: 7Letras, 2018, v. 1, p. 44-52.

BARBOSA, L. M. A. & RUANO, B. P. Acolhimento, sentidos e práticas de ensino de português para migrantes e refugiados na Universidade de Brasília e na Universidade Federal do Paraná. In: GEDIEL, J. A. P. & GODOY, G. G. (Orgs.). Refúgio e hospitalidade. Curitiba – Kairós Edições, 2016, pp. 321-336.

BARBOSA, L. M. A.; SÃO BERNARDO, M. A. A importância da língua na integração dos/as haitianos no Brasil. Périplos: Revista de Estudos sobre Migrações, v. 1, n. 1, 2018, p. 58-67.

BORTONI-RICARDO, S. M. O Professor Pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

BRASIL. Ministério da Justiça. Migrantes, Apátridas e Refugiados: subsídios para o aperfeiçoamento de aceso a serviços, direitos e políticas públicas no Brasil. 169 p. 2015. Disponível em: http://bit.ly/2QOw4sf. Acesso em: maio de 2019.

CAMARGO, H. R. E. portas entreabertas do Brasil: narrativas de migrantes de crise sobre políticas públicas de acolhimento. Dossiê Especial: Português como Língua Adicional em contextos de minorias: (co)construindo sentidos a partir das margens BIZON & DINIZ (Orgs.). REVISTA X, Curitiba, volume 13, n. 1, 2018, p. 57-86.

COSTA, E. J.; SILVA, F. C. Legislação migratória e português como língua de acolhimento: reflexões sobre políticas linguísticas e lingua(gem). Revista Eletrônica de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Lingüística e Literatura Letra Magna. Ano 14, n.23, 2018, p. 598-612. Disponível em: http://bit.ly/2te06Nc. Acesso em maio 2019.

COSTA, E. J.; TAÑO, R. Ensino de Português como Língua de Acolhimento a Imigrantes e Refugiados em São Paulo. 2017.

CUNHA, J. C. C; SANTOS, E. M. A heterogeneidade linguístico-cultural em turmas de português língua estrangeira. Raído, Dourados, v. 7, n. 13, jul. 2013, p. 111-124. Disponível em: http://bit.ly/35K8iC0. Acesso em: jun. 2019.

DINIZ, L. R. A, NEVES, A. O. Políticas linguísticas de (in)visibilização de estudantes imigrantes e refugiados no ensino básico brasileiro. Dossiê Especial: Português como Língua Adicional em contextos de minorias: (co)construindo sentidos a partir das margens BIZON & DINIZ (Orgs.). REVISTA X, Curitiba, volume 13, n. 1, 2018, p. 87-110.

GROSSO, M. J. Língua de acolhimento, língua de integração. Horizontes de Linguística Aplicada, v. 9, n.2, 2010, p. 61-77.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR MIGRATION: ‘Migration and migrants: A global overview’, in IOM. 2018. World Migration Report.

LOPEZ, A. P. A. Subsídios para o planejamento de cursos de Português como Língua de Acolhimento para Imigrantes Deslocados Forçados no Brasil. Dissertação de Mestrado em Estudos Linguísticos. Universidade Federal de Minas Gerais. 260 f. 2016.

MARINUCCI, R. MILESI, R. O fenômeno migratório no Brasil. 2002. Disponível em: http://bit.ly/2slmjbL. Acesso em maio 2019.

OLIVEIRA, A. M. Processamento da Linguagem num Contexto Migratório. 2010. Disponível em: http://bit.ly/2QN18su. Acesso em jun. 2019

ORTÍZ ALVAREZ, M. L. A transferência, a interferência e a interlíngua no ensino de línguas próximas. 2002.

QUADRO COMUM EUROPEU DE REFERÊNCIA PARA LÍNGUAS. Disponível em: http://bit.ly/36QCzR4. Acesso em abr. 2019

SÁ, P. R. C, FERNANDES, D. M. A vulnerabilidade social de migrantes: uma análise qualitativa dos haitianos e sírios residentes na Região Metropolitana de Belo Horizonte a partir dos critérios da CEPAL. 2016. Disponível em: http://bit.ly/36Pr5gL. Acesso em maio 2019.

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Saliba Pereira Chilante, I., & Sanches Silva, J. F. (2019). ENSINO E APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA DE ACOLHIMENTO (PLAC): SUBSÍDIOS PARA PRÁTICAS DOCENTES DIRECIONADAS: SUBSÍDIOS PARA PRÁTICAS DOCENTES DIRECIONADAS. Muiraquitã: Revista De Letras E Humanidades, 7(2). https://doi.org/10.29327/212070.7.2-18
Seção
DOSSIÊ