O DESENVOLVIMENTO DE CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA EM PORTUGUÊS LÍNGUA ADICIONAL/ESTRANGEIRA: PROPOSTA DE TAREFAS INTEGRADAS PARA OS NÍVEIS A1 E A2 DO QUADRO EUROPEU COMUM DE REFERÊNCIA PARA AS LÍNGUAS NO CONTEXTO DO PROGRAMA IDIOMAS SEM FRONTEIRAS

Palavras-chave: Consciência fonológica, Português língua estrangeira/ adicional no IsF, Tarefas, Níveis do Quadro Europeu Comum de Referência para as línguas

Resumo

Em pelo menos três módulos do IsF - Português para Estrangeiros especificamente voltados para interações nos espaços universitários, há a previsão de produção e compreensão de textos orais. No presente artigo, discute-se a proposta de três tarefas integradas, duas para turmas de nível A1 e uma para estudantes de nível A2. Nessas tarefas, no ciclo de foco na forma, busca-se trabalhar mais intensamente com o desenvolvimento de consciência fonológica, como constelação de habilidades metacognitivas para a compreensão, manipulação e produção de elementos fonético-fonológicos. As tarefas ora propostas foram desenvolvidas a partir da abordagem orientada para a ação (WILLIS, 1996; PUREN, 2006; ELLIS, 2009) e estão contextualizadas nos planos dos seguintes cursos do IsF - Português para Estrangeiros: “Produção oral: interações acadêmicas”, “Português para Estrangeiros em ambiente universitário” e “Acolhimento em Português Brasileiro: conhecendo os espaços da universidade”. 

Referências

ALLEGRO, F. R. P. Ensino de pronúncia de português língua estrangeira: análise de livros didáticos. 2014. 180f. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes, PUCSP, São Paulo, SP.

ALVES, U. K.; BRISOLARA, L. B.; PEROZZO, R. V. Curtindo os sons do Brasil. Lisboa: Lidel, 2017.

BATTISTI, E.; VIEIRA, M. J. B. O sistema vocálico do português. In.: BISOL, Leda. Introdução a estudos do português brasileiro. 4. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005, p.171-206.

BISOL, L. Sândi vocálico externo: degeminação e elisão. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, (23): 83-101, Jul/Dez. 1992.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior. Programa Idiomas sem Fronteiras. Portaria n. 973, de 14 de novembro de 2014. Disponível em: http://bit.ly/2TfJcrZ. Acesso em: 05 de agosto de 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior. Programa IsF (Idiomas sem Fronteiras). Sistema de Gestão IsF. Disponível em: http://bit.ly/2NjHUZ8. Acesso em: 05 de agosto de 2019.

CALLE 13 FtToto La Momposina, Susana Baca, Maria Rita Latinoamérica Bpm74 (4m57s). Disponível em: http://bit.ly/35Pe31c. Acesso em: 22 set. 2017.

COLLISCHONN, G. Português do Sul do Brasil: variação fonológica. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

CONSELHO DA EUROPA. Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas. Porto: ASA Editores II, 2001.

COSTA, E. R. C. Elis Regina conversa com Marília Gabriela. 1980. (5m52s). Disponível em: http://bit.ly/2Rdm8Ya. Acesso em:22 set. 2017.

CRISTÓFARO-SILVA, T.; YEHIA, H. C. C. Sonoridade em Artes, Saúde e Tecnologia. Belo Horizonte: Faculdade de Letras, 2009. Disponível em http://bit.ly/2NkEDZX. Acesso em 21 maio 2018.

DENTON, C. A; HASBROUCK, J. E; WEAVER, L. R; RICCIO, C. A. What do we know about phonological awareness in Spanish? Reading Psychology, 21:335–352, 2000. Disponível em http://bit.ly/2uAEElI. Acesso em: 02 ab. 2018.

ELLIS, R. Task-based language teaching: sorting out the misunderstandings. International Journal of Applied Linguistics. v. 19, n. 3, 2009. Disponível em http://bit.ly/2smiOBU. Acesso em 29 ab. 2018.

FLEGE, J. E. Second language speech learning: theory, findings and problems. In Speech perception and linguistic experience: issues in cross-language research, by Winifred Strange, 233-277. Timonium, MD: York Press, 1995.

HOGETOP, D. N. O sândi em italiano na frase fonológica reestruturada. 2011. 102f. Tese (Doutorado em Letras). Faculdade de Letras, PUCRS, Porto Alegre, RS.

MADEIRA, A. Aquisição de língua não materna. FREITAS, Maria João; SANTOS, Ana Lúcia. Aquisição de língua materna e não materna: questões gerais e dados do português. Berlin: Language Science Press, 2017, p. 305-332.

MARIANO, M. R. C. Entrevista para a TV Trip. (4m15s). Disponível em: http://bit.ly/36Z4o9C. Acesso em: 22 set. 2017.

MONARETTO, V. N. de O. O alçamento das vogais médias pretônicas /e/ e /o/ sem motivação aparente: um estudo em tempo real. Fragmentum, n. 39, Laboratório Corpus: UFSM, Out./Dez.2013.

PICCARDO, E. Common European Framework of Reference for Languages: Learning, Teaching, Assessment. Phonological Scale Revision; Process Report. In: Language Policy Programme / Education Policy Division / Education Departament / Council of Europe, 2016. Disponível em http://bit.ly/2TcTut4. Acesso em 30 ab. 2018.

PUREN, C. Explication de textes et perspective actionnelle: la littérature entre le dire scolaire et le faire social. in: Association des professeurs de langues vivantes. Outubro, 2006. Disponível em http://bit.ly/36Pxp7N. Acesso em 29 mar. 2018.

SILVEIRA, R.; ROSSI, A. Ensino da pronúncia de português como segunda língua: considerações sobre materiais didáticos. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL, Porto Alegre, v. 4, n. 7, ago. 2006.

SOUZA, H. Kivistö de. Phonological Awareness and Pronunciation in a Second Language. 2015. 480f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Departamento de Estudos de Inglês e Alemão, UB, Barcelona, ES. Disponível em: http://bit.ly/2FFjc1r. Acesso em: 02 de abril de 2018.

WILLIS, J. A flexible framework for task-based learning. In: WILLIS Jane; WILLIS, Dave. (ed). Challenge and Change in Language Teaching. Oxford: Macmillan Heinemann, 1996. Disponível em: http://bit.ly/30elyh7. Acesso em: 16 mar. 2018.

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Pilatti Telles, L., & Bassols Brisolara, L. (2019). O DESENVOLVIMENTO DE CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA EM PORTUGUÊS LÍNGUA ADICIONAL/ESTRANGEIRA: PROPOSTA DE TAREFAS INTEGRADAS PARA OS NÍVEIS A1 E A2 DO QUADRO EUROPEU COMUM DE REFERÊNCIA PARA AS LÍNGUAS NO CONTEXTO DO PROGRAMA IDIOMAS SEM FRONTEIRAS. Muiraquitã: Revista De Letras E Humanidades, 7(2). https://doi.org/10.29327/212070.7.2-12
Seção
DOSSIÊ