A VOZ QUE RESISTE AO ESCRAVISMO

gênero e raça na trajetória de Maria Firmina dos Reis

Autores

Palavras-chave:

Maria Firmina dos Reis, Historiografia literaria, gênero, Raça

Resumo

Este artigo busca uma reflexão sobre a trajetória de Maria Firmina dos Reis, literata brasileira que, por séculos, foi relegada ao desconhecimento. Através de uma reflexão teórica sobre as questões de gênero e raça na escrita feminina, consoante ao que dispõe a História das Mulheres, refletiremos sobre as transgressões na escrita e nas demais atuações da romancista maranhense, que foi representada em diferentes percursos midiáticos. Para realizar tal análise, nos apropriaremos dos postulados teóricos de Simone de Beauvoir (2016a, 2016b), Virginia Woolf (2014, 2016), bell hooks (2019) e Djamila Ribeiro (2018), ao refletir sobre como a questão de gênero e raça atravessam a trajetória de Maria Firmina dos Reis, que confronta os discursos historiográficos e literários acerca da produção nacional, em uma estética narrativa que evoca um abolicionismo e uma negritude, em uma escrita que se inicia na segunda metade do século XIX e vai até os primeiros anos do século posterior.

Biografia do Autor

Jeissyane Furtado da Silva, Universidade Federal do Acre

Mestra do Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem & Identidade e Graduanda em Direito, na Universidade Federal do Acre (UFAC). Foi Professora Substituta na área de Teoria Literária/Letras Vernáculas, atuando nos cursos de Letras do Campus Rio Branco e, pelo Programa Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (PARFOR), no campus Tarauacá. Graduada em Licenciatura em Letras - Língua Portuguesa, Universidade Federal do Acre (2017). Bolsista de Iniciação Científica/CNPq do Programa de Bolsas de Iniciação Científica (2014-2017), Voluntária do Grupo PET-Letras do Programa de Educação Tutorial da Universidade Federal do Acre (2015-2017), Estagiária na Seção Judiciária do Acre (2016-2017) e Pesquisadora no Núcleo de Estudos Linguísticos e Literários (NELL) e Grupo Amazônico dos Estudos da Linguagem (GAEL). Seus projetos transitam nas áreas da Literatura Comparada, Teoria da Literatura, Literatura e Sociedade, Literatura Latino-Americana e Literatura Afro-americana.

Referências

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: fatos e mitos. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016a.
BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: a experiência vivida. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016b.
DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.
HOOKS, bell. Olhares negros: raça e representação. São Paulo: Elefante, 2019.
LOBO, Luiza. Maria Firmina dos Reis. In: DUARTE, Eduardo de Assis. (org). Literatura e Afrodescendência no Brasil: antologia crítica. 4. v. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.
REIS, Maria Firmina. Úrsula e outras obras. Brasília: Câmara dos Deputados; Edições Câmara, 2018.
RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Companhia das Letras, 2018.
WOOLF, Virginia. Profissões para mulheres e outros artigos feministas. Porto Alegre, RS: L&PM, 2016.
WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. São Paulo: Tordesilhas, 2014.

Downloads

Publicado

2021-03-30

Como Citar

ALBUQUERQUE, E. N. S.; FURTADO DA SILVA, J. . A VOZ QUE RESISTE AO ESCRAVISMO: gênero e raça na trajetória de Maria Firmina dos Reis. Communitas, [S. l.], v. 5, n. 9, p. 205–217, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4679. Acesso em: 16 abr. 2021.