A LITERATURA DISTÓPICA INFANTO-JUVENIL COMO UM ESPAÇO PARA DISCUSSÕES FORA DO ESPAÇO ACADÊMICO:

UM ENSAIO SOBRE A CRISE DAS HUMANIDADES E O PAPEL DO GÊNERO LITERÁRIO DISTÓPICO NO BRASIL

Palavras-chave: distopia, literatura distópica, humanidades, governo Bolsonaro

Resumo

Com a ascensão do governo de Bolsonaro, evidenciou-se que as humanidades estão enfrentando um período de grande desvalorização. Entendido por muitos como estudos inúteis e/ou de difícil compreensão, as áreas de humanas parecem perder cada vez mais o seu espaço frente aos estudos tecnicistas e/ou de exatas tanto dentro do espaço acadêmico como fora dele. Em contrapartida, observa-se que discussões acerca de questões políticas, sociais e culturais permanecem presentes em outros meios, sendo o abordado neste artigo, a literatura distópica infanto-juvenil. A partir da discussão de Marjorie Perloff (2015) acerca da crise das humanidades em uma perspectiva estadunidense, propõe-se uma análise acerca da influência da literatura distópica infanto-juvenil no Brasil para permanência de debates humanísticos em espaços não acadêmicos, como uma forma de reinventar os modos de discussão a partir do viés literário. Para tanto, será discutida a influencia no atual governo para a desvalorização desse ensino, bem como os outros meios de tornar essas discussões possíveis em espaços menos elitizados, utilizando autores que tratam do gênero distópico, principalmente Claeys (2010), bem como fontes que permitem observar a ascensão do gênero no país. Conclui-se que a literatura distópica infanto-juvenil possui um papel importante na formação dos novos leitores brasileiros.

Biografia do Autor

Luana de Carvalho Krüger, Universidade Federal de Pelotas

Doutoranda em Letras

Referências

BBC NEWS – BRASIL. Os seis números que resumem os seis meses da Educação na gestão Bolsonaro. Publicado em 30 de junho de 2019. Disponível em: . Acesso em: 02 de out. de 2020.
BRADBURY, Ray. Fahrenheit 451. São Paulo, Globo, 2007. Tradução: Cid Knipel.
BRASIL. GOVERNO FEDERAL. Discurso do Presidente da República Jair Bolsonaro na abertura da 75ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas. Disponível em: . Acesso em 24 de set. de 2020.
BRASIL. CNPQ – [Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico]. Edital Nº 09/2020 - Bolsas de Produtividade em Pesquisa. Disponível em: . Acesso em: 13 de set. de 2020.
CERQUEIRA, Juliana Radosavac Figueiredo. Adolescência sombria: das distopias às distopias infanto-juvenis. In: KRETSCHMER, Johannes; SOARES, Marcus Vinícius Nogueira; MELLO, Maria Elizabeth Chaves de (Orgs.). Caderno de Programação – XV Congresso Internacional da ABRALIC – Textualidades Contemporâneas. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2018, p. 4921 – 4928.
CLAEYS, Gregory. The origins of dystopia: Wells, Huxley and Orwell. CLAEYS, Gregory (Ed.). The Cambridge companion to Utopian Literature. Cambridge: Cambridge University Press, 2010, p. 107 – 134.
COLLINS, Suzanne. Jogos Vorazes. 1. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2010, 397p. Tradução: Alexandre D’Elia.
COLLINS, Suzanne. Em Chamas. 1. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2011, 413p. Tradução: Alexandre D’Elia.
COLLINS, Suzanne. A Esperança. 1. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2011, 421p. Tradução: Alexandre D’Elia.
HUXLEY, Aldous. Admirável mundo novo. São Paulo: Globo, 2008.
GEISLER, Luisa; FERRONI, Marcelo; POLESSO, Natalia Borges; DE MACHADO, Samir Machado. Corpos Secos. Porto Alegre: Alfaguara, 2020, 192 p.
ORWELL, George. 1984. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, 414p.
Tradução: Alexandre Hubner, Heloisa Jahn.
PERLOFF, Marjorie. Crisis in the humanities? reconfiguring literary study for the twenty-first century. In: PATAI, Daphne; CORRAL, Will H. Theory’s Empire: An Anthology of Dissent. New York: Columbia University Press, 2005, p. 668 – 683.
ROTH, Veronica. Divergente. Rio de Janeiro: Rocco Jovens Leitores, 2012 [2011].
ROTH, Veronica. Insurgente. Rio de Janeiro: Rocco Jovens Leitores, 2013 [2012].
ROTH, Veronica. Convergente. Rio de Janeiro: Rocco Jovens Leitores, 2014 [2013].
TIBURI, Márcia. Sob os pés, meu corpo inteiro. São Paulo: Editora Record, 2018, 181 p.
VALENTE, Thiago Alves. Utopia, distopia e realidade: um novo verismo na literatura para jovens. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 45, n. 3, p. 70-74, jul./set. 2010.
VEJA. O mundo cruel e rentável da distopia infanto-juvenil. Publicado em: 10 de novembro de 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 de out. de 2020.
VIEIRA, Fátima. The concepto f utopia. CLAEYS, Gregory (Ed.). The Cambridge companion to Utopian Literature. New York. Cambridge: Cambridge University Press, 2010, p. 03 - 27.
WESTERFELD, Scott. Feios. São Paulo: Galera Record, 2010.
WESTERFELD, Scott. Perfeitos. São Paulo: Galera Record, 2010.
WESTERFELD, Scott. Especiais. São Paulo: Galera Record, 2010.
WESTERFELD, Scott. Extras. São Paulo: Galera Record, 2010.
Publicado
2020-12-15
Como Citar
MARKS DE MARQUES, E.; DE CARVALHO KRÜGER, L. A LITERATURA DISTÓPICA INFANTO-JUVENIL COMO UM ESPAÇO PARA DISCUSSÕES FORA DO ESPAÇO ACADÊMICO:: UM ENSAIO SOBRE A CRISE DAS HUMANIDADES E O PAPEL DO GÊNERO LITERÁRIO DISTÓPICO NO BRASIL. Communitas, v. 4, n. 8, p. 171-186, 15 dez. 2020.