<b>NARRATIVAS (IN)ACABADAS: AS MULHERES NO ROMANCE INÉDITO E INACADO DE JORGE AMADO</b>

  • Thalita da Silva Coelho Universidade Federal de Santa Catarina
  • Tânia Regina Oliveira Ramos Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Romance inédito. Mulheres militantes. Jorge Amado.

Resumo

Nosso artigo tem como ponto de partida a catalogação e descrição de todos os documentos contidos no acervo denominado A Mala de Jorge Amado, no período datado entre  1941 e 1942. Esse acervo de 1400 páginas de documentos pertence ao  nuLIME UFSC e dizem respeito a dois anos em que Jorge Amado esteve em autoexílio, devido à repressão política do Estado Novo, na Argentina e Uruguai e desde então vem sendo estudado por um grupo de pesquisadoras. Entre os documentos do acervo, está um romance inédito e inacabado de autoria de Jorge Amado. A representação das mulheres na obra de Jorge Amado tem se mostrado como uma vertente profícua de pesquisa. E aqui buscaremos preencher uma lacuna nessa tradição  ao procurar em páginas do Acervo essa representação de pessoas-personagens mulheres durante sua fase militante, principalmente nesse romance inédito e inacabado, de características intimistas, dar visibilidade a um romance inédito de uma das fases mais engajadas da literatura de Jorge Amado e terá como eixo o esforço de visibilizar as mulheres na história literária e, ao mesmo tempo, as militantes enquanto personagens de uma história de resistência ainda não contada.

Palavras-chave: Romance inédito. Mulheres militantes. Jorge Amado.

 

Biografia do Autor

Thalita da Silva Coelho, Universidade Federal de Santa Catarina

 

 Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Literatura da UFSC, Florianópolis – SC, Brasil.

Tânia Regina Oliveira Ramos, Universidade Federal de Santa Catarina
Universidade Federal de Santa Catarina

Referências

ANTUNES, Luisa Marinho. As Malícias das Mulheres: discursos sobre poderes e artes das mulheres na cultura portuguesa e europeia. Lisboa: Esfera do Caos Editores, 2014.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

BRANDÃO, Ruth Silviano. Mulher ao Pé da Letra: A Personagem Feminina na Literatura. Belo Horizonte, UFMG, 2006.

COELHO, Thalita da Silva. Entre esparsos e inéditos: a Mala de Jorge Amado 1941 -1942. Florianópolis: UFSC, 2016. 116 p. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Literatura, Florianópolis, 2016.

MACEDO, Ana Gabriela; AMARAL, Ana Luísa (Orgs.). Dicionário de Crítica Feminista. Porto: Edições Afrontamento, 2005. 195 p.

RAMOS, Tânia Regina Oliveira. “Memórias e Esquecimentos: Jorge Amado (1941-1942). In: Jorge Amado. Bahia de Todos os Santos. Guia de ruas e mistérios. FRAGA, Myriam; FONSECA, Aleilton; HOISEL, Evelina (organizadores). Salvador: casa de Palavras, 2016, p. 49-62.

ZOLIN, Lucia Osana. Crítica Feminista. In: BONICCI, Thomas & ZOLIN, Lucia Osana. Teoria Literária: Abordagens Histórias e Tendências Contemporâneas. Maringá: EDUEM, 2004.

Publicado
2017-11-29