MYRTHES DE CAMPOS (1875-1965)

a “mulher advogado” na luta pelos direitos das mulheres

Autores

Palavras-chave:

história das mulheres; direitos civis, sociais e políticos; igualdade de gênero; Myrthes de Campos.

Resumo

No artigo, refletimos sobre a trajetória de Myrthes de Campos, consagrada pela historiografia como a primeira mulher advogado a atuar profissionalmente nos tribunais no Rio de Janeiro (1899). Privilegiamos a sua ação política na defesa dos direitos das mulheres à educação secundária e superior, ao exercício das profissões liberais e sua presença na campanha sufragista. A igualdade jurídica no casamento e a garantia do divórcio também constituíram debates centrais de sua pauta, divulgada em artigos e conferências, entre o final da década de 1890 e meados dos anos 1930. A compreensão histórica dos feminismos, em disputa naquele contexto, possibilita o (re)conhecimento de lutas e resistências de passados presentes, de permanências, rupturas e retrocessos nas políticas de gênero e na garantia de direitos das mulheres na sociedade brasileira.

Palavras-chave: história das mulheres; direitos civis, sociais e políticos; igualdade de gênero; Myrthes de Campos.

Referências

A NOTÍCIA, 30/09/1899, n. 232, p. 2.
BARBOSA, Everton Vieira. Páginas de sociabilidade feminina: sensibilidade musical no Rio de Janeiro oitocentista. 183f. Dissertação (Mestrado em Letras). UNESP, Assis-SP, 2016. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/143775/barbosa_ev_me_assis_sub.pdf?sequence=5 Acesso em: 08\10\2020.
BERNARDES, Maria Teresa Crescenti. Mulheres de Ontem? Rio de Janeiro, século XIX. São Paulo, Queiroz, 1989.
CÂMARA, Sônia. As Damas da Assistência à Infância e as ações educativas, assistenciais e filantrópicas (Rio de Janeiro/RJ, 1906-1930). História da Educação, Porto Alegre, v. 21 n. 53, p. 199-218, set./dez. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S223634592017000300199&lng=en&nrm=iso&tlng=pt Acesso em 08\10\2020.
CAMPOS, Myrthes Gomes de. A propósito das sufragistas. A ÉPOCA, 20/6/1913, n. 325, p. 2.
CAMPOS, Myrthes Gomes de. O direito ao aborto. O PAIZ, 9/11/1915, n. 11355, p. 2).
CAMPOS, Myrthes Gomes de. Como entendemos o feminismo. GAZETA DE NOTÍCIAS, 12/02/1935, n. 36, p. 5.
CARULA, Karoline. A imprensa feminina no Rio de Janeiro nas décadas finais do século XIX. Estudos Feministas, Florianópolis, 24(1): 406, p. 261-279, janeiro-abril/2016.
CARVALHO, Maria José de. Mulheres na Faculdade de Direito do Recife (1960-1973): para não dizer que não falei das flores. 123f. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Pernambuco, Recife-PE, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/25150. Acesso em: 7\10\2020.
CIDADE DO RIO, 17/03/1902, n. 141, p. 2.
CORREIO DA MANHÃ, 18/05/1903, n. 706, p. 1.
CORREIO PAULISTANO, 30/09/1899, n. 12959, p. 1.
CORREIO PAULISTANO, 16/02/1903, n. 14187, p. 2.
DIARIO DE PERNAMBUCO, 13/07/1928, n. 163, p. 4.
DUARTE, Constância Lima Nísia Floresta. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010. 168 p. – (Coleção Educadores). Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me4711.pdf Acesso em: 8\9\2020.
DUARTE, Constância Lima. A história possível: imprensa e emancipação da mulher no Brasil do século XIX. In: _______. Imprensa feminina e feminista no Brasil. Século XIX: dicionário ilustrado. Belo Horizonte: Autêntica, 2016, p.13-28.
FRACCARO, Glaucia Cristina Candian. Os direitos das mulheres: organização social e legislação trabalhista no entreguerras brasileiro (1917-1937). 198f. Tese (Doutorado em História). Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 2016. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/321562/1/Fraccaro_Glaucia_D.pdf Acesso em 08\10\2020.
GALVÃO, Laila Maria. Os entrecruzamentos das lutas feministas pelo voto feminino e por educação na década de 1920. Revista Direito & Práxis, Rio de Janeiro, v. 07, n. 13, p. 176-203, 2016. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaceaju/article/view/16786 Acesso em: 08\10\2020.
GAZETA DE NOTICIAS, 30\09\1899, p. 1.
GAZETA DE NOTÍCIAS, 25/10/1922, n. 251.
GAZETA DE NOTÍCIAS, 14/07/1922, n. 162, p. 6.
GONDRA, José Gonçalves.; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. São Paulo: Cortez, 2008.
GUIMARÃES, Lucia Maria Paschoal; FERREIRA, Tania Maria Tavares Bessone da Cruz. Myrthes Gomes de Campos (1875-?): pioneirismo na luta pelo exercício da advocacia e defesa da emancipação feminina. Gênero, Niterói, v. 9, n. 2, p. 135-151 1º. sem. 2009.
JORNAL DO BRASIL, 20\09\1912, n. 264, p. 7.
JORNAL DO COMMERCIO, 2/02/1896, n. 54, p. 5.
JORNAL DO COMMERCIO, 1/12/1899, n. 334, p. 1.
JORNAL DO COMMERCIO, 28/11/1926, n. 329, p. 2
JORNAL DO COMMERCIO, 5/10/1929, n. 238 p. 11
KARAWEJCZYK, Mônica. As filhas de Eva querem votar: dos primórdios da questão à conquista do sufrágio feminino no Brasil (c.1850-1932). 398f. Tese (Doutorado em História). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre-RS, 2013. Dsiponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/72742/000884085.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso em 08\10\2020.
LIMA, Joelma Varão. "Jornal das Senhoras": As mulheres e a urbanização na corte. Cadernos Ceru, São Paulo, v. 21, n. 2, p. 227-240, 2010. http://www.revistas.usp.br/ceru/article/view/11926 Acesso em 08\10\2020.
MACEDO, Elza Dely Veloso. Uma lusta justa… e elegante: os feminismos conflitantes de Bertha Lutz e Maria Lacerda de Moura na década de 1920. Gênero, Niterói, v.3, n. s, p. 91-104, 1. Sem. 2003.
MAIA, Claudia de Jesus. A invenção da solteirona: conjugalidade moderna e terror moral: Minas Gerais (1890-1948). 302f. Tese (Doutorado em História). Universidade de Brasília, Brasília-DF, 2007. Disponível em: https://www.repositorio.unb.br/handle/10482/2331 Acesso em 08\10\2020.
MARINHO, Nailda Bonato. O Fundo Federação Brasileira pelo Progresso Feminino: uma fonte múltipla para a história da educação das mulheres. Acervo, Rio de Janeiro, v. 18, p. 131-146, 2006. Disponível em: https://brapci.inf.br/index.php/res/v/43109 Acesso em 08\10\2020.
MARTINEZ, Silvia Alícia; GANTOS, Marcelo Carlos.; BOYNARD, Maria Amélia Pinto. Arquitetura, escola e memória: o edifício do Liceu de Humanidades de Campos. Cadernos de História da Educação, Uberlândia, nº. 5, p. 161-174, jan./dez. 2006. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/che/article/view/408 Acesso em 08\10\2020.
MARTINS, Angela Maria Souza; MARINHO, Nailda Bonato. Movimento feminista e educação: cartas de Maria Lacerda de Moura para Bertha Lutz (1920-1922). Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, p. 211-229, 2016. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/view/2539 Acesso em 08\10\2020.
MIGUEL, Luis Felipe; BIROLI, Flávia. Feminismo e política. São Paulo, Boitempo, 2014.
NOBRE, Ana Luiza. Carmen Portinho: o moderno em construção. Rio de Janeiro: Relume Dumará/PCRJ, 1999.
OLIVEIRA, Karine da Rocha. Josefina Álvares de Azevedo: a voz feminina no século XIX através das páginas do jornal A Família. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2009. Disponível em: https://www.bn.gov.br/producao-intelectual/documentos/josefina-alvares-azevedo-voz-feminina-seculo-xix Acesso em 09\10\2020.
PINSKY, Carla; PEDRO, Joana (Orgs.). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo, Editora Contexto, 2013.
PRIORE, Mary; BASSANEZI, Carla. (Orgs.). História das mulheres no Brasil. São Paulo, Editora Contexto, 1997.
RAGO, Elizabeth Juliska. Outras falas: feminismo e medicina na Bahia (1836-1931). São Paulo: Annablume/FAPESP, 2007.
RIBEIRO, Cristiane. de Paula “A vida caseira é a sepultura dos talentos”: gênero e participação política nos escritos de Anna Rosa Termacsics dos Santos (1850 1886). 279f. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora-MG, 2019. Disponível em: http://repositorio.ufjf.br:8080/jspui/handle/ufjf/9807?locale=pt_BR Acesso em 08\10\2020.
RIO, João do. O feminismo no Brasil. A felicidade dos homens adiada. O direto do voto. Gazeta de Notícias, n.177, 26/06/1903, p. 2.
RIZZINI, Irma; SCHUELER, Alessandra. Frota Martinez de. Entre o mundo da casa e o espaço público: um plebiscito sobre a educação da mulher (Rio de Janeiro, 1906). Revista História e Historiografia da Educação, Curitiba, v. 2, n. 4, p. 122-146, jan./abr. 2018. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/rhhe/article/view/55858 Acesso em 08\10\2020.
SAND, Georges. História da minha vida. Seleção e organização de Magali Oliveira Fernandes. Tradução de Maurício de Honorio de Godoy. São Paulo: Editora UNESP, 2017.
SANFELICE, Pérola de Paula; FLEIG, Joana. É preciso nomear a outra: a primeira engenheira negra do Brasil que ficou no rodapé da história - Enedina Alves Marques e a representatividade da mulher negra no Paraná. In: VÁZQUEZ, Goergiane Garabely Heil. (Org.). Nova História das Mulheres no Paraná. Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2020. Disponível em: https://www.editorafi.org/806mulheres Acesso em 08\10\2020.
SANTOS, Jucimar Cerqueira dos .; SANTOS, Mayara Priscilla de Jesus. Da educação primária ao ensino superior: o desafio das mulheres de cor e trabalhadoras para alcançar a educação escolar no Brasil entre o final do século XIX e início do século XX. Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Amazonas, v. 6, n. 2, out./dez. 2019. Disponível em: https://www.periodicos.ufam.edu.br/index.php/Canoa_do_Tempo/article/view/6675 Acesso em 08\10\2020.
SCAVONE, Lucila. Políticas feministas do aborto. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v.16, n.2, p. 657-80, mai./ago. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-026X2008000200023&script=sci_abstract&tlng=pt Acesso em 08\10\2020.
SCHUMAHER, Schuma.; BRAZIL, Erico Vital (Orgs.). Dicionário mulheres do Brasil: de 1500 até atualidade, biográfico e ilustrado: Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2000.
SCOTT, JOAN. A cidadã paradoxal: as feministas francesas e os direitos do homem. Florianópolis: Editora Mulheres, 2002.
SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti. Profissão Artista. Pintoras e escultoras acadêmicas brasileiras. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: FAPESP, 2008.
SOIHET, Rachel. A pedagogia da conquista do espaço público pelas mulheres e a militância feminista de Bertha Lutz. Revista Brasileira de Educação, set./out./nov./dez./2002, n.15, p. 97-117. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-24782000000300007&script=sci_abstract&tlng=pt Acesso em 08\10\020.
SOUTO, Bárbara. Figueiredo. “Senhoras do seu destino”!: Francisca Senhorinha da Motta Diniz e Josephina Álvares de Azevedo - projetos de emancipação feminista na imprensa brasileira (1873-1874). 197f. Dissertação (Mestrado em História). Universidade de São Paulo, 2013. Disopnível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde17122013125852/publico/2013_BarbaraFigueiredoSouto_VCorr.pdf Acesso em 08\10\2020.
VIDAL, Olmio Barros. Myrthes de Campos: a primeira advogada do Brasil. Revista da Semana, Rio de Janeiro, 21/10/1939, ano XL, n. 46, p. 21 e 26.
Vultos à Doutora Myrthes de Campos. Revista Fon Fon: Semanario Alegre, Politico, Critico e Espusiante, 10/07/1909, n. 28, p. 10.

Downloads

Publicado

2021-03-30

Como Citar

DE SCHUELER, A.; RIZZINI, I. MYRTHES DE CAMPOS (1875-1965): a “mulher advogado” na luta pelos direitos das mulheres. Communitas, [S. l.], v. 5, n. 9, p. 24–38, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4438. Acesso em: 18 abr. 2021.