“OS MORTOS NÃO SABEM O PREÇO DOS CAIXÕES”:

Afrorrealismo na literatura haitiana

Autores

Palavras-chave:

sociologia da literatura, afrorrealismo, zumbificação, literatura haitiana

Resumo

A concepção do fato literário como fato social (SAPIRO, 2016) legitimou a pesquisa sociológica junto às obras de literatura, sobretudo pela razão de que a forma literária opera enquanto expressão estética da vida material. À luz do materialismo histórico e dialético, o presente artigo interpela o conceito de zumbificação desenvolvido em memoráveis obras da literatura haitiana, como Adriana em todos os meus sonhos (DEPESTRE, 1996), Pau de Sebo (DEPESTRE, 1983) e País sem chapéu (LAFERRIÈRE, 2011). Tal noção conceitual exprime particularidades do realismo literário inerente aos escritores haitianos que, por entre as frestas da cidade letrada (RAMA, 2015), afirmaram o vodu e a oralidade na qualidade de fenômenos organizadores da sociabilidade do país caribenho. Deste modo, recorremos à ideia de afrorrealismo (DUNCAN, 2006), no que concerne ao debate estético dos textos selecionados, e ao conceito de realismo capitalista (FISHER, 2020), para formularmos uma reflexão crítica a respeito das contribuições da literatura de autoria haitiana, de modo geral, e da noção de zumbificação, em específico, junto aos estudos de sociologia da literatura.

Referências

ARTEL, Jorge. Tambores en la noche. Bogotá: Ministerio de Cultura, 2010.

BARBOSA, Wilson do Nascimento; SANTOS, Joel Rufino. Atrás do muro da noite: dinâmica das culturas afro-brasileiras. Brasília: Fundação Cultural Palmares, 1994.

CARLI, Ranieri. A estética de György Lukács e o triunfo do realismo na literatura. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2012.

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre o colonialismo. São Paulo: Veneta, 2020.

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre a negritude. Belo Horizonte: Nandyala, 2010.

DEPESTRE, René. Adriana em todos os meus sonhos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1996.

DEPESTRE, René. Buenos días y adiós a la negritud. Habana: Casa de Las Américas, 1986.

DEPESTRE, René. Pau de Sebo. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

DUNCAN, Quince. El afrorrealismo: una nueva dimensión de la literatura latinoamericana. Habana: La Jiribilla, 2006. Disponível em: http://www.lajiribilla.co.cu/2006/n272_07/272_06.html Acesso em: 29 mar. 2021.

FISHER, Mark. Realismo capitalista: é mais fácil imaginar o fim do mundo do que o fim do capitalismo? São Paulo: Autonomia Literária, 2020.

KONDER, Leandro. Os marxistas e a arte: breve estudo histórico-crítico de algumas tendências da estética marxista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.

LAFERRIÈRE, Dany. País sem chapéu. São Paulo: Editora 34, 2011.

LUKÁCS, György. Marx e Engels como historiadores da literatura. São Paulo: Boitempo, 2016.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Sobre literatura e arte. Lisboa: Editorial Estampa, 1971.

MOURA, Clóvis. Sociologia do negro brasileiro. São Paulo: Editora Ática, 1988.

RAMA, Ángel. A cidade das letras. São Paulo: Boitempo, 2015.

SAPIRO, Gisèle. La sociologia de la literatura. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2016.

SENGHOR, Léopold Sédar. O contributo do homem negro. In: SANCHES, Manuela Ribeiro. Malhas que os impérios tecem: textos anticoloniais, contextos pós-coloniais. Lisboa: Edições 70, 2011. Pg. 73-92.

SENGHOR, Léopold Sédar. Um caminho do socialismo. Rio de Janeiro: Record, 1965.

SODRÉ, Muniz. A verdade seduzida. Rio de Janeiro: Francisco Alves Editora, 1988.

Downloads

Publicado

2021-08-02

Como Citar

NARDE NAVARRO DA COSTA, W. “OS MORTOS NÃO SABEM O PREÇO DOS CAIXÕES”:: Afrorrealismo na literatura haitiana. Communitas, [S. l.], v. 5, n. 10, p. 93–108, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4855. Acesso em: 23 set. 2021.