ENTRE A INCLUSÃO E A EXCLUSÃO: CAMINHOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS NO BRASIL

  • CLEIDE PEDROSA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
Palavras-chave: Análise Crítica do Discurso, Comunidade surda, Documentos, Educação bilíngue

Resumo

Vive-se, na atualidade, em sociedades que enfrentam seus extremos dicotômicos. As relações de poder establecidas nelas fazem suas próprias vitimas de exclusão (ORTÚZAR, 2016). Essas questões são priorizadas por pesquisadores em Análise Crítica do Discurso (ACD) (FAIRCLOUGH, 2008); cujo objetivo princiapal é estudar as práticas sociais a partir da perspectiva dos grupos dominados. Ao assumir essa área, escolhemos a comunidade surda como grupo vulnerável e  o objetivo de analisar, linguístico-sociodiscursivamente, fragmentos de documentos que apontam para as reivindicações dos surdos quanto ao seu direito a uma educação bilíngue, a sua cultura e a sua identidade. A metodologia utilizada será aplicada, qualitativa e interpretativista. Os corpora são Lei  e Decreto da Libras (2002; 2005); Carta reivindicativa de doutores surdos (2012); depoimento de audiência pública (2019). Os resultados indicaram que os documentos  oferecem condições de recuperar a memória discursiva e sociohistórica da comunidade surda e sua luta por uma educação bilingue.

Referências

BAJOIT, G. El cambio social, análisis sociológico del cambio social y cultural en las sociedades contemporáneas. Madrid: Siglo, [2003]2008.

BAJOIT, G. Tudo muda: proposta teórica e análise da mudança sociocultural nas sociedades ocidentais contemporâneas. Rio Grande do Sul, Brasil: Editora UNIJUÍ, 2006.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Buenos Aires: Fondo de Cultura Econômica, 2009.

BRASIL. Lei nº 12.319, de 01 de setembro de 2010. Brasília. Disponível em: http://bit.ly/36Lm4FK. Acesso em: 06/01/2019.

BRASIL. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: http://bit.ly/36PH2Ua. Acesso em: 10/01/2018.

BRASIL. Lei 10.436 de 24/04/2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS – e dá outras providências. Disponível em: http://bit.ly/3ad4I70. Acesso em: 15/01/2014.

CARTA. Carta aberta dos doutores surdos ao ministro Mercadante. Disponível em: http://bit.ly/35MMO7A. Acesso em: 30/05/ 2019.

DUARTE, S. B. R. [et al]. Aspectos históricos e socioculturais da população surda. In: História, Ciências, Saúde. Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 20, n. 4, out.-dez. 2013, p.1713-1734.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília, [2001] 2008.

GARÉ, R. M. R. Educação formal x educação não formal: diferentes práticas de ensino e a construção de identidades surdas. São Paulo: Gregory, 2016.

GHIO, E.; FERNÁNDEZ, M. D. Manual de linguística sistémico funcional: el enfoque de M. A. K. Halliday & R. Hasan – aplicaciones a la lengua española. Santa Fé Universidad Nacional del Litoral, 2005.

GUMUCIO-DAGron, A.; TUFTE, T. (Comp.). Antología de Comunicación para el Cambio Social: Lecturas históricas y contemporáneas. La Paz, Bolivia: Plural Editores, 2008.

HALLIDAY, M. A. K. An introduction to Functional Grammar [Revisão de Christian M. I. M. Matthiessen]. 3. ed. London: Edward Arnold, 2004.

HONNETH, A. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2009.

KINSEY, A. A. Report of the proceedings of the International Congress of the Education of the Deaf held at Milan. September 6th-11th. London: W.H. Allen & Co, 1880.

MAGALHÃES, I.; MARTINS, A. R.; RESENDE, V. Melo. Análise de discurso crítica: um método de pesquisa qualitativa. Brasília: Editora UnB, 2016.

MONTEIRO, M. S. História dos movimentos dos surdos e o reconhecimento da Libras no Brasil. In: ETD – Educação. Temática Digital, vol. 7, n. 2, 2006, p. 295-305. Disponível em: http://nbn-resolving.de/ urn:nbn:de:0168-ssoar-101789. Acesso em 13/05/2019.

ORTÚZAR, P. El poder del poder: repensar la autoridade en tiempos de crisis. Santiago: Tajamar Editores, 2016.

OTTONE, E. Gobernar la globalización. Santiago de Chile: Ediciones Universidad Diego Portales, 2011.

PEDROSA, C. E. F. Análise crítica do discurso e a proposta da corrente nacional: da abordagem às primeiras pesquisas. In: KALLARRARI, C.; BESSA, D.; PEREIRA, A. S. Estudos linguísticos e formação docente. São Paulo: Pontes, 2016, p. 69-100.

PEDROSA, C. E. F. Análise de Discurso Crítica: do linguístico ao social no gênero midiático. Aracaju: EdUFS, 2008.

PERLIN, G. O ser e o estar sendo surdos: alteridades, diferenças e identidade. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRS, Rio Grande do Sul, 2003.

ROCHELE, E. L. Le Congrés de Milan pour l’amélioration du sort des sourds- muets; rapport adresse a M. Eugène Pereire. Paris: M. Saint-Jorre, 1880.

STROBEL, K. História da Educação de Surdos. Florianópolis: UFSC, 2009.

SÁ, N. L. Os estudos surdos. Texto extraído do livro: Cultura, poder e educação de surdos. São Paulo: Paulinas, 2006 (da autora). Disponível em: http://bit.ly/2uI364S. Acesso em 19/07/19.

TOURAINE, A. Crítica de la modernidade. 2. ed. México: Fondo de Cultura Económica, 2000.

VAN DIJK, T. Discurso e poder. Trad. De Judith Hoffnagel e Karina Falcone. São Paulo: Contexto, 2008.

VAN DIJK, T. Principles of critical discourse análisis. In: Discourse & Society, London: SAGE:, v. 4, n. 2, p. 249-283, 1993.

WODAK, R. Critical Discourse Analysis: Challenges and Perspectives. V. 1: Concepts, History, Theory. Los Angeles: Sage, 2013.

Publicado
2019-12-31
Como Citar
PEDROSA, C. (2019). ENTRE A INCLUSÃO E A EXCLUSÃO: CAMINHOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS NO BRASIL. Muiraquitã: Revista De Letras E Humanidades, 7(2). https://doi.org/10.29327/212070.7.2-11
Seção
DOSSIÊ