JÚLIA LOPES DE ALMEIDA E AS MULHERES BRASILEIRAS EM FINAIS DOS OITOCENTOS E INÍCIO DO SÉULO XX

Autores

Palavras-chave:

Feminismo, literatura feminina, Patriarcalismo, Gênero

Resumo

Resumo:

Julia Lopes de Almeida (1862-1934) editou cerca de 40 obras entre Portugal, Brasil e França, de 1886 até 1934. Foi reconhecida como abolicionista e feminista. Como escritora, constou da lista dos intelectuais que planejaram a fundação da Academia Brasileira de Letras. Porém, não fez parte da mesma por ser mulher. Os valores patriarcais e os preconceitos que se tinha à época não permitiram que ela fosse membro fundador. A metodologia usada neste estudo é o paradigma indiciário de Ginzburg, analisando a obra da autora, jornais e revistas da época e uma entrevista com um de seus netos. O texto para análise e aprofundamento será seu romance “A falência”. Na obra desta mulher encontramos indícios, pistas e sinais que ressaltam realidades e cotidianos sobre a condição das mulheres em finais do século XIX e início do século XX. A intenção deste estudo é trazer contribuições que possam somar subsídios para os estudos de gênero no Brasil.

 

Referências

Referências:
ALMEIDA, Cláudio Lopes de. D. Julia abril/2018. [arquivo pessoal]. Rio de Janeiro, 2018. CD-ROM
ALMEIDA, Julia Lopes de. A falência. São Paulo, Penguin-Companhia das letras,2019.
______. A família Medeiros. Santa Catarina: Mulheres, 2009
______. A intrusa. Vitória: Pedra Azul, 2016.
_____. Ânsia eterna. Santa Catarina: Mulheres, 2013.
______. A Silveirinha. Santa Catarina: Mulheres, 1997.
______. Livro das Donas e Donzelas. Rio de Janeiro: Vermelho Marinho, 2019.
______. Livro das Noivas. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1926, 4 ªed.
BOURDIEU, Pierre. A dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.
BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: Feminismo e Subversão da Identidade – 18ªed. – Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019.
CAMPELLO, Eliane T. A. (FURG). “A mulher e a arte”, na visão de Júlia Lopes de Almeida. Em: http://www.uesc.br/seminariomulher/anais/PDF/Mesas/ELIANE%20CAMPELLO.pdf - acesso em 19/01/2019 às 21:22
DE LUCA, Leonora. Amazonas do pensamento: a gênese de uma intelectualidade feminina no Brasil. Campinas, 2004. Tese de doutorado. Unicamp/IFCH.
_______. “A Mensageira”: Uma Revista de Mulheres Escritoras na modernização Brasileira. Campinas, SP: [s.n.], 1999. Vol.2.
__________. O ‘feminismo possível’ de Júlia Lopes de Almeida (1862-1934). Cadernos Pagu. Campinas, vol.12, p. 275-299, 1999.
___________. Feminismo e iluminismo em Julia Lopes de Almeida (1862/1934). Em: Periódicos.fundaj, gov.br. Acesso em 28/11/2020.
DEL PRIORI, Mary. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997.
FERREIRA, Ivanir. Mulher mais publicada na república foi barrada na ABL. Em: https://jornal.usp.br/ciencias/ciencias-humanas/escritora-mais-publicada-da-primeira-republica-foi-vetada-na-abl/ ; acesso em 06/02/2021.
GONZALES, Lélia. A mulher negra na sociedade brasileira: uma abordagem político-econômica. In: RIOS, Flavia; LIMA, Márcia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.
GINZBURG, Carlo. A Micro–história e outros ensaios. Lisboa: Difel, 1989.
LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na sala de aula. In: PRIORE, Mary Del Priore; PINSKY, Carla Bassanezi. História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2011.
MAGALDI, Ana Maria (1998). “A educação da família segundo a receita dos manuais de Julia Lopes de Almeida”. In C. Sousa, et al., Práticas educativas, culturas escolares, profissão docente. Atas do II Congresso Luso-brasileiro de História da Educação, volume I. São Paulo: FEUSP, pp. 57-63
MAZZA, L. R. M. O papel da mulher no início do século XX ao XXI, tendo como parâmetro o código civil de 1916 e 2002. Em: https://luanmachado.jusbrasil.com.br/artigos/205899704/o-papel-da-mulher-no-inicio-do-seculo-xx-ao-xxi-tendo-como-parametro-o-codigo-civil-de-1916-e-2002, acesso em 03/05/2018, às 11h09min.
MOREIRA, Nadilza M. de Barros, Júlia Lopes de Almeida e o Universo Feminino, Carioca, Burguês. em: livro das noivas em http://www.periodicos.ufpb.br/index.php/artemis/article/viewFile/2349/2083, acesso em 18/01/2019 as 18:21 h.).
PERROT, Michele. Minha história das mulheres, São Paulo: Contexto, 2006.
SEPULVEDA, Denize. Os currículos escolares para os meninos no Instituto Ferreira Viana e os currículos escolares para as meninas no Instituto Profissional Orsina da Fonseca (1923-1933): um diálogo possível? Relatório Final do Estágio de Pós-Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2020.
SEPÚLVEDA & SEPÚLVEDA. José Antônio, Denize. Trabalhando questões de gêneros: criando e recriando currículos para a valorização do feminino. Periferia, v. 11, n. 4, p. 58-80, set./dez, 2019a.
SHARPE, Peggy. Construindo o Caminho da Nação Através da Obra de Júlia Lopes de Almeida e Adalzira Bittencourt. Letras de Hoje. Porto Alegre, v.33, n.3, p. 39-49, set. 1998.
SOUZA, Flavia Fernandes, “Escravas do lar: mulheres negras e o trabalho doméstico na corte imperial”, p. 244/260. Org: XAVIER, Giovana; FRAIAS, Juliana Barreto; GOMES, Flavio. Mulheres negras no Brasil escravagista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012.
TILLY, Louise A., Gênero, História das mulheres e História social. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1722 recebido por e-mail em 16/06/2018, às 16:11 h.

Referências:
ALMEIDA, Cláudio Lopes de. D. Julia abril/2018. [arquivo pessoal]. Rio de Janeiro, 2018. CD-ROM
ALMEIDA, Julia Lopes de. A falência. São Paulo, Penguin-Companhia das letras,2019.
______. A família Medeiros. Santa Catarina: Mulheres, 2009
______. A intrusa. Vitória: Pedra Azul, 2016.
_____. Ânsia eterna. Santa Catarina: Mulheres, 2013.
______. A Silveirinha. Santa Catarina: Mulheres, 1997.
______. Livro das Donas e Donzelas. Rio de Janeiro: Vermelho Marinho, 2019.
______. Livro das Noivas. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1926, 4 ªed.
BOURDIEU, Pierre. A dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.
BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: Feminismo e Subversão da Identidade – 18ªed. – Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019.
CAMPELLO, Eliane T. A. (FURG). “A mulher e a arte”, na visão de Júlia Lopes de Almeida. Em: http://www.uesc.br/seminariomulher/anais/PDF/Mesas/ELIANE%20CAMPELLO.pdf - acesso em 19/01/2019 às 21:22
DE LUCA, Leonora. Amazonas do pensamento: a gênese de uma intelectualidade feminina no Brasil. Campinas, 2004. Tese de doutorado. Unicamp/IFCH.
_______. “A Mensageira”: Uma Revista de Mulheres Escritoras na modernização Brasileira. Campinas, SP: [s.n.], 1999. Vol.2.
__________. O ‘feminismo possível’ de Júlia Lopes de Almeida (1862-1934). Cadernos Pagu. Campinas, vol.12, p. 275-299, 1999.
___________. Feminismo e iluminismo em Julia Lopes de Almeida (1862/1934). Em: Periódicos.fundaj, gov.br. Acesso em 28/11/2020.
DEL PRIORI, Mary. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997.
FERREIRA, Ivanir. Mulher mais publicada na república foi barrada na ABL. Em: https://jornal.usp.br/ciencias/ciencias-humanas/escritora-mais-publicada-da-primeira-republica-foi-vetada-na-abl/ ; acesso em 06/02/2021.
GONZALES, Lélia. A mulher negra na sociedade brasileira: uma abordagem político-econômica. In: RIOS, Flavia; LIMA, Márcia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.
GINZBURG, Carlo. A Micro–história e outros ensaios. Lisboa: Difel, 1989.
LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na sala de aula. In: PRIORE, Mary Del Priore; PINSKY, Carla Bassanezi. História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2011.
MAGALDI, Ana Maria (1998). “A educação da família segundo a receita dos manuais de Julia Lopes de Almeida”. In C. Sousa, et al., Práticas educativas, culturas escolares, profissão docente. Atas do II Congresso Luso-brasileiro de História da Educação, volume I. São Paulo: FEUSP, pp. 57-63
MAZZA, L. R. M. O papel da mulher no início do século XX ao XXI, tendo como parâmetro o código civil de 1916 e 2002. Em: https://luanmachado.jusbrasil.com.br/artigos/205899704/o-papel-da-mulher-no-inicio-do-seculo-xx-ao-xxi-tendo-como-parametro-o-codigo-civil-de-1916-e-2002, acesso em 03/05/2018, às 11h09min.
MOREIRA, Nadilza M. de Barros, Júlia Lopes de Almeida e o Universo Feminino, Carioca, Burguês. em: livro das noivas em http://www.periodicos.ufpb.br/index.php/artemis/article/viewFile/2349/2083, acesso em 18/01/2019 as 18:21 h.).
PERROT, Michele. Minha história das mulheres, São Paulo: Contexto, 2006.
SEPULVEDA, Denize. Os currículos escolares para os meninos no Instituto Ferreira Viana e os currículos escolares para as meninas no Instituto Profissional Orsina da Fonseca (1923-1933): um diálogo possível? Relatório Final do Estágio de Pós-Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2020.
SEPÚLVEDA & SEPÚLVEDA. José Antônio, Denize. Trabalhando questões de gêneros: criando e recriando currículos para a valorização do feminino. Periferia, v. 11, n. 4, p. 58-80, set./dez, 2019a.
SHARPE, Peggy. Construindo o Caminho da Nação Através da Obra de Júlia Lopes de Almeida e Adalzira Bittencourt. Letras de Hoje. Porto Alegre, v.33, n.3, p. 39-49, set. 1998.
SOUZA, Flavia Fernandes, “Escravas do lar: mulheres negras e o trabalho doméstico na corte imperial”, p. 244/260. Org: XAVIER, Giovana; FRAIAS, Juliana Barreto; GOMES, Flavio. Mulheres negras no Brasil escravagista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012.
TILLY, Louise A., Gênero, História das mulheres e História social. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1722 recebido por e-mail em 16/06/2018, às 16:11 h.

Downloads

Publicado

2021-03-30

Como Citar

HESPANHOL MACEDO PESSOA, E.; SEPÚLVEDA, D. JÚLIA LOPES DE ALMEIDA E AS MULHERES BRASILEIRAS EM FINAIS DOS OITOCENTOS E INÍCIO DO SÉULO XX. Communitas, [S. l.], v. 5, n. 9, p. 39–53, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4713. Acesso em: 18 abr. 2021.