A ESCRITA DIARÍSTICA DE NI BRISANT E O CONTRATO DE LEITURA DA LITERATURA MARGINAL

Palavras-chave: Ni Brisant, diário, conto, literatura marginal, hip-hop

Resumo

O objetivo do trabalho parte da questão de como se caracteriza a escrita de si em A Revolução dos Feios (2016), do escritor Ni Brisant, e de que maneira tal estilo relaciona-se com o valorizado efeito de real da cultura do hip-hop. Além disso, como o tema da viagem é recorrente na obra do escritor, buscou-se refletir sobre a maneira como o gênero diarístico colabora para a elaboração do referido tema. Nesse sentido, com o suporte da teoria das escritas de si, principalmente dos estudos de Lejeune (2014), analisou-se os contos/relatos diarísticos “Coveiro no Éden” e “A Revolução dos Feios”. Assim, foi possível perceber que, além de o gênero diarístico oferecer recursos produtivos para a escrita de Ni Brisant, uma vez que intensifica o “efeito de real” prestigiado pelo grupo, ainda tensiona a configuração do lugar de enunciação marcadamente paulistano da literatura marginal, pois os relatos autobiográficos do escritor baiano lidam com o estranhamento em relação a esse lugar.

Referências

BARRETO, C. DE O. Narrativas da ”frátria imaginada” Ferréz, Sérgio Vaz, Dugueto Shabazz, Allan da Rosa. Dissertação (Mestrado em Letras) - Programa de Pós-Graduação em Letras da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), 2011. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2020.

BIRMAN, D. Literatura, imprensa e internet: o autor, o leitor e a mediação que se quer invisível. Revista Línguas & Letras, v. 14, n. 27, p. 1–9, 2013. Disponível em: . Acesso em: 03 set. 2018.

BRISANT, N. A revolução dos feios. São Paulo: Povo Editora, 2016.

CARDOSO, M. R. Oralidade estratégica nas redes virtuais. IPOTESI, v. 15, n. 2, p. 21–34, 2011. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2020.

LEITE, A. E. Mesmo céu, mesmo CEP: produção literária na periferia de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2020.

LEJEUNE, P. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. 2a ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

MARINHO, M. V. Cooperifa e a literatura periférica: poetas da periferia e a tradição literária brasileira. Dissertação (Mestrado em Letras) - Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados em Literaturas de Língua Portuguesa da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2020.

MATHIAS, Marcello Duarte, “Autobiografias e diários”, Colóquio/Letras, n° 143/144, Janeiro-Junho de 1997, p. 41–62.

MIRANDA, Wander Melo. “A ilusão biográfica”. In.:Corpos Escritos: Graciliano Ramos e Silviano Santiago. São Paulo: EdUSP/ Belo Horizonte: EdUFMG, 1992

PERRONE-MOISÉS, L. Mutações da literatura no século XXI. 1a ed. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2016.

PINTO, P. A. R. Aspectos editoriais da poesia Spoken Word: os dicionários paratópicos de Ni Brisant. Pontos de Interrogação — Revista de Crítica Cultural, v. 7, n. 1, p. 143–162, 2017. Disponível em: . Acesso em 03 set. 2018.
Publicado
2020-12-15
Como Citar
BAUTZ, D. K. A ESCRITA DIARÍSTICA DE NI BRISANT E O CONTRATO DE LEITURA DA LITERATURA MARGINAL. Communitas, v. 4, n. 8, p. 220-233, 15 dez. 2020.