<b>A JUNÇÃO DE LINGUAGENS NO CONTO “ESTAÇÃO PADRE MIGUEL”, DE GEOVANI MARTINS

  • Valentina Figuera Martínez Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)
Palavras-chave: Geovani Martins, literatura brasileira contemporânea, mercado editorial, hibridismo

Resumo

O sol na cabeça (2018), livro-estreia de Geovani Martins publicado pela Companhia das Letras, entrou no mercado editorial com força. Nesta coletânea, nos deparamos com o trânsito da infância à adolescência de jovens imersos no universo de uma favela carioca. Este artigo busca mostrar algumas características presentes no texto “Estação Padre Miguel”, um dos treze contos publicados no livro do jovem escritor, buscando expor aspectos formais tais como a estrutura narrativa, a junção da linguagem oral e formal, as temáticas abordadas, o ritmo e o lirismo no texto, como também tensões sobre o caráter mercadológico da obra. Para isso, incluem-se considerações de Paul Zumthor (2010) para discutir a oralidade; de Karl Erik Schollhammer (2006) para entender o “novo realismo” do conto; e de Néstor García Canclini (1989, 2011) para problematizar a sobre-exposição mercadológica de narrativas da favela no âmbito de uma sociedade global influenciada por mercados simbólicos. A hibridização de linguagens é uma caraterística que se discute com ênfase para demostrar que esta surge no conto não só formalmente, no discurso oral e culto, mas também na forma com que o narrador reflete subjetivamente sobre a sua condição subalterna, de modo a expor criticamente desequilíbrios sociais.

Biografia do Autor

Valentina Figuera Martínez, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)
Formada em Tradução (Inglês-Português) pela Universidade Central da Venezuela (UCV). Mestranda em Estudos de Literatura pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Referências

AGAMBEN, G. Estado de exceção. Tradução de Iraci D. Poleti. São Paulo: Boitempo, 2004.

BENJAMIN, W. “Sobre o conceito da história”. In: ______. Magia e técnica, arte e política: Ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas. 3. ed. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987. p. 223-232.

BOURDIEU, P. Una revolución conservadora en la edición. In: ______. Campo de poder, campo intelectual. Buenos Aires: Eudeba, 2002. p. 223-270.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estrategias para entrar y salir de la modernidad. Cidade do México: Grijalbo, 1989.

______. Reapropiaciones de los objetos: ¿arte, marketing o cultura? In: ______. La sociedad sin relato: Antropología y estética de la inminencia. Buenos Aires: Katz Editores. 2011. p. 101-128.

CASCUDO, L. da C. Literatura oral no Brasil. São Paulo: Global Editora, 2012.

COMPANHIA DAS LETRAS (São Paulo). O sol na cabeça. 2018. Disponível em: <https://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=14481>. Acesso em: 02 ago. 2012.

DALCASTAGNÈ, R. Um mapa de ausências. In: ______. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Horizonte, 2012. p. 147-196.

KRYSINSKI, V. Sobre algumas genealogias e formas do hibridismo nas literaturas do século XX. Tradução e Apresentação de Zênia de Faria. Revista Criação & Crítica, n. 9, p. 230-241, nov. 2012. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/criacaoecritica>. Acesso em: 06 ago. 2018.

MEIRELES, M. Morador de favela no Rio, Geovani Martins desponta como escritor. Folha de S. Paulo. São Paulo, 2 mar. 2018. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2018/03/morador-de-favela-no-rio-geovani-martins-desponta-como-escritor.shtml>. Acesso em: 02 ago. 2018.

MESA 15 – Atravessar o sol. Produção de Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP). Intérpretes: Geovani Martins, Colson Whitehead e Pedro Meira Monteiro. Paraty, 2018. (100 min.), YouTube, son., color. Palestra. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=6WPErs3MOx4>. Acesso em: 02 ago. 2018.

MESQUITA, M. Conheça Geovani Martins, o mais recente fenômeno editorial brasileiro. Folha de S. Paulo, São Paulo, 15 abr. 2018. Disponível em: <https://www.folhape.com.br/diversao/diversao/diversao/2018/04/15/NWS,65198,71,552,DIVERSAO,2330-CONHECA-GEOVANI-MARTINS-MAIS-RECENTE-FENOMENO-EDITORIAL-BRASILEIRO.aspx>. Acesso em: 06 ago. 2018.

PASCHE, M. Narrativas do nosso subsolo. Jornal Rascunho, Curitiba, p. 1-2. maio 2018. Disponível em: <http://rascunho.com.br/narrativas-do-nosso-subsolo/>. Acesso em: 02 ago. 2018.

SILVA FILHO, R. B.; ARAÚJO, R. M. de L. Evasão e abandono escolar na educação básica no Brasil: fatores, causas e possíveis consequências. Educação Por Escrito, Porto Alegre, v. 8, n. 1, p. 35-48, jan./jun. 2017. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/revistapsico/ojs/index.php/porescrito/article/view/24527>. Acesso em: 05 ago. 2018.

TADDEI, R. 'O Sol na Cabeça' revela escritor capaz de ver o mundo com liberdade. Folha de S. Paulo, São Paulo, 2 mar. 2018. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2018/03/o-sol-na-cabeca-revela-escritor-capaz-de-ver-o-mundo-com-liberdade.shtml>. Acesso em: 02 ago. 2018.

TEIXEIRA, J. Geovani Martins, o cronista vibrante da vida nas favelas cariocas. Veja on-line, São Paulo, 6 mar. 2018. Disponível em: <https://veja.abril.com.br/entretenimento/geovani-martins-o-cronista-vibrante-da-vida-nas-favelas-cariocas/>. Acesso em: 02 ago. 2018.

VIEGAS, A. Vertentes do realismo na literatura brasileira contemporânea. Via Atlântica, n. 12, p. 169-178, 21 dez. 2007. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/viaatlantica/article/view/50175>. Acesso em: 07 ago. 2018.

ZUMTHOR, P. Introdução à poesia oral. Tradução de Jerusa Pires Ferreira, Maria Lúcia Diniz Pochat e Maria Inês de Almeida. Belo Horizonte: EDUFMG, 2010.

Publicado
2019-12-13