LITERATURA E MILITÂNCIA NA BELLE ÉPOQUE – o caso de Lima Barreto

  • Lúcia Maria de Assis UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE
Palavras-chave: Lima Barreto, Identidade Linguística, Literatura Militante

Resumo

Este trabalho tem como objetivo geral analisar a manifestação linguístico-discursiva a respeito de língua, identidade linguística e cidadania presente na obra de Lima Barreto, literato que viveu no Rio de Janeiro entre os anos de 1881 e 1922. De maneira específica, examina o significado da literatura militante do autor e sua crítica nas crônicas jornalísticas e ficcionais. Para isso, baseia-se nos pressupostos teóricos da História das Ideias Linguísticas, os quais dizem que o estudo de uma língua vincula-se a assuntos relevantes da história e da constituição de determinada sociedade na tentativa de compreender o imaginário social que se constitui ao longo dessa história, chegando à identificação linguístico-cultural de um povo. Isso é possível, porque uma produção literária sempre está associada a um tempo e, portanto, reflete as angústias e os sonhos a ela contemporâneos, transformando-se em relato de determinado contato sócio-histórico. Nesse sentido, analisar a obra limana possibilita a aquisição de um conhecimento sobre a história da língua portuguesa do Brasil.

Biografia do Autor

Lúcia Maria de Assis, UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE
Doutora em Linguística, pela Universidade de São Paulo; professora associada na Univerisdade Federal Fluminense, lotada no Departamento Multidisciplinar do Instituto de Ciências Humanas e Sociais - campus de Volta Redonda.

Referências

AIEX, Anoar. As idéias sócio-literárias de Lima Barreto. São Paulo: Vértice, 1990.

BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. 40a. ed. São Paulo: Cultrix, 1994

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

DIMAS, Antônio. Tempos Eufóricos. São Paulo: Ática, 1983

CALLOU, Dinah. Da História Social à História Linguística: o Rio de Janeiro no século XX. In: ALKMIN, Tânia Maria (org.). Para a História do português Brasileiro. vol. III. Novos estudos. São Paulo: Humânitas, 2002. p.281-192.

CARVALHO, José Murilo de. Os Bestializados: O Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

CURY, Maria Zilda Ferreira. Um mulato no reino de Jambon (as classes sociais na obra de Lima Barreto). São Paulo: Cortez, 1981.

FÁVERO, L.L. e MOLINA, M.A.G. A crônica: ua leitura textual-discursiva. In NASCIMENTO, Edna Maria Fernandes dos Santos et al. Processos enunciativos em diferentes linguagens. Franca: Unifran, 2006. pp. 71-94.

FREIRE, Zélia Nolasco. Lima Barreto: imagem e linguagem. São Paulo: Annablume, 2005.

LAJOLO, Marisa. Oralidade, um Passaprte para a Cidadania Literária Brasileira. In GUIMARÃES, Eduardo e ORLANDI, Eni Puccinelli. (org.). Língua e Cidadania O Português do Brasil. Campinas: Pontes, 1996. pp.107-126.

MACHADO, Maria Cristina Teixeira. Lima Barreto: um pensador social na Primeira República. Goiânia: UFG. São Paulo: EDUSP, 2002.

NEEDELL, Jeffrey. D. Belle Époque Tropical. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

PRADO, Antonio Arnoni. Lima Barreto: o crítico e a crise. Rio de Janeiro: Cátedra, 1976.

RESENDE, Beatriz. Lima Barreto e o Rio de Janeiro em fragmentos. Campinas: Editora da Unicamp, 1993.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como Missão. Tensões Sociais e Criação Cultural na Primeira República. 2a. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da Literatura Brasileira. 4a.ed. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira S.A., 1964.

Publicado
2018-07-27
Seção
Artigos