MULHERES TRANS NO CÁRCERE

a relação entre suas trajetórias educacionais e a tessitura de suas identidades

Autores

Palavras-chave:

english, español

Resumo

O presente artigo faz parte de uma pesquisa de mestrado e tem por objetivo discutir e apresentar a relação que se estabelece entre a trajetória educacional e a tessitura das identidades de gêneros de algumas mulheres trans privadas de liberdade no estado do Rio de Janeiro. Para tal, foi preciso investigar como essas mulheres compreendiam seu percurso educacional, através de visitas ao presídio e entrevistas semiestruturadas. Dessa forma, ressaltamos as especificidades do ser mulher trans dentro do sistema prisional, destacando como elas desenvolvem táticas de resistência nesse espaço. Desde o início da pesquisa, existiam pistas de que a trajetória educacional delas as aproximavam em meio à solidão da pena privativa de liberdade, já que diariamente pessoas trans são excluídas dos espaços formais de educação por conta da transfobia, dos valores religiosos presentes em muitas instituições de ensino e da incapacidade que muitas pessoas apresentam para lidar com as diferenças. Através das pistas, indícios e sinais observados nas visitas, durante as conversas com as detentas e em seus depoimentos foi possível compreender como as experiências educacionais dentro e fora do sistema interferiram em suas tessituras identitárias, nos ajudando a pensar como o sofrimento e a exclusão causados pela transfobia no ambiente escolar têm reflexos muitas vezes irreversíveis na vida das pessoas trans.

Referências

ANDRADE, Luma Nogueira de. Travestis na escola: assujeitamento e resistência à ordem normativa. 2012. 278f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Fortaleza, 2012.

ASSOCIAÇÃO Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT). Pesquisa Nacional sobre o Ambiente Educacional no Brasil 2016: as experiências de adolescentes e jovens lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais em nossos ambientes educacionais. Curitiba: Secretaria de Educação ABGLT, 2016.

ASSOCIAÇÃO Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA). Nota pública da ANTRA em apoio ao NEP-DH e PPDH da UFRJ, frente à política de cotas para pessoas trans e em repúdio a tentativa de perseguir o acesso de nossa população à Universidade. Salvador, 2018.

BRASIL. Lei n° 7.210, de 11 de julho de 1984. Lei de Execução Penal. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 05 out 1988.

CARVALHAR, Danielle Lameirinhas. Relações de gênero no currículo da educação infantil: a produção das identidades de princesas, heróis e sapos. 2009.170 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

FILIPPE, Marina. Onde estão as pessoas trans? Exame. 2020. Disponível em: <https://exame.com/carreira/onde-estao-os-travestis-e-transexuais/>. Acesso em: 15 jun. 2020.

FREITAS, José Guilherme de Oliveira. No quadro – o tema diversidade sexual na escola, como foco na homossexualidade: nas carteiras escolares os professores. Tese (Doutorado em Educação) − Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.

JESUS, Jaqueline Gomes de. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. In: Guia técnico sobre pessoas transexuais, travestis e demais transgêneros, para formadores de opinião. Brasília, 2012.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. Currículo heteronormativo e cotidiano escolar homofóbico. In: Espaço do currículo, v.2, n.2, pp.208-230, set. 2009.

PERES, Wiliam Siqueira. Travestis, escolas e processos de subjetivação. In: R. Est. Pesq. Educ. Juiz de Fora, v.12, n.2, jul./dez. 2010.

PERROT, Michele. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2019.

SEPULVEDA, Denize. Emancipação social e exclusão no cotidiano escolar: A homofobia e sua influência nas tessituras identitárias. 2012.Tese (Doutorado em Educação) – Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

_______. Políticas conservadoras, direitos humanos e os movimentos feministas. In: SEPULVEDA, Denize; GARCIA, Alexandra; CORRÊA, Renan. As Redes Educativas e as Tecnologias: liberdade acadêmica, produção e circulação de conhecimentos. Petrópolis: DP et Alii, 2020.

SEPULVEDA, José Antônio; SEPULVEDA, Denize. As práticas e as políticas curriculares de inclusão e o direito à diferença. In: Revista e-Curriculum (PUCSP), v. 14, p.1258-1287, 2016b.

________________________________________. O Pensamento conservador e sua relação com práticas discriminatórias na educação: a importância da laicidade. In: Revista Teias (UERJ. Online), v.17, n.47, p.141-154, 2016a.

________________________________________. Conservadorismo e seus impactos no currículo escolar. In: Currículo sem Fronteiras, v. 19, n. 3, p. 868-892, set./dez. 2019b.

________________________________________. Trabalhando questões de gêneros: criando e recriando currículos para a valorização do feminino. In: Periferia, v.11, n.4, p.58-80, set./dez, 2019a.

Políticas conservadoras, direitos humanos e os movimentos feministas.

THOMPSON, Edward P. Algumas observações sobre classe e “falsa consciência”. In: NEGRO, Antonio Luigi; SILVA, Sérgio (Orgs.). E. P. Thompson. A peculiaridade dos ingleses e outros artigos. Campinas: Ed. da UNICAMP, 2001.

YORK, Sara Wagner. / GONÇALVES Junior. Sara Wagner Pimenta. TIA, VOCÊ É HOMEM? Trans da/na educação: Des(a)fiando e ocupando os "cistemas". Programa de Pós-Graduação em Educação. 190 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2020.

Downloads

Publicado

2021-03-30

Como Citar

CAVALCANTE, P.; SEPULVEDA, D. . MULHERES TRANS NO CÁRCERE: a relação entre suas trajetórias educacionais e a tessitura de suas identidades . Communitas, [S. l.], v. 5, n. 9, p. 127–143, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4659. Acesso em: 16 abr. 2021.