CONTRIBUIÇÕES DE STEPHEN BALL E COLABORADORES PARA O ESTUDO DE POLÍTICAS DE CURRÍCULO

Palavras-chave: Politica Educacional, Produção de Textos, Contexto das práticas

Resumo

O presente texto apresenta algumas das formulações teóricas do sociólogo inglês Stephen Ball que podem contribuir para o estudo de políticas curriculares. Trata-se de uma breve explanação da “abordagem do ciclo de políticas” (policy cycle approach) e da “teoria da atuação” (theory of policy enactment), evidenciando constructos que convocam pesquisadores do campo de Políticas Educacionais a transcender a compreensão de que as políticas são imposições, algo que vem “de cima para baixo”, que alguém planeja e escreve, fixa em um texto, e outra pessoa “implementa”. Para Ball e colaboradores, os profissionais envolvidos no ato de interpretação da política e no ato de materialização dos textos em ações práticas, têm força e importância equivalentes em relação aos demais sujeitos e agentes que participam das formulações discursivas e da produção das políticas. Asseveram assim, que a produção de políticas educacionais é um processo ininterrupto e inevitavelmente marcado por disputas entre grupos com interesses conflitantes, na qual os textos são tentativas contínuas de reinvenção das práticas da mesma maneira que as práticas traduzem constante recriação dos textos.

Referências

ANDRADE, E. Política de currículo para a escola organizada por ciclos de formação: articulações, discursos e significantes nas orientações curriculares para a rede estadual de Mato Grosso. 174f. Dissertação (Mestrado em Educação) –Universidade Federal do Mato Grosso. Instituto de Educação, Cuiabá, 2013.


AVELAR, M. Entrevista com Stephen J. Ball: uma análise de sua contribuição para a pesquisa em Política Educacional. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 24, n. 24, p. 1-18, 2016.


BALL, S. J. Education reform: a critical and post-structural approach. Buckingham: Open University Press, 1994.


______.Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo sem fronteiras. v. 1, n. 2, p. 99-116, jul./dez. 2001.


______. Ciclo de Políticas/Análise Política. Rio de Janeiro: Palestra realizada na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), 2009. Disponível em: http://www.ustream.tv/recorded/2522493. Acesso em: 30 de junho de 2016.


FORQUIN, Jean-Claude. Escola e Cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.


HOJAS, V. F. SARESP: a escola como produtora de políticas. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília, 2017.


______. Sistema de avaliação paulista e escolas: diferentes relações. Educação em Revista, Marília, v.19, n.2, p. 161-174, 2018.


MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação & Sociedade, Campinas, v. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr. 2006.


MAINARDES, J.; MARCONDES, M. I. Entrevista com Stephen J. Ball: um diálogo sobre justiça social, pesquisa e política educacional. Educação & Sociedade, Campinas, v. 30, n. 106, p. 303-318, jan./abr. 2009.

MAINARDES, J. A abordagem do ciclo de políticas: explorando alguns desafios da sua utilização no campo da Política Educacional. Jornal de Políticas Educacionais, Curitiba, v. 12, n. 16, p. 1-19, 2018.


POWER, S. O detalhe e o macro-contexto: o uso da teoria centrada no Estado para explicar práticas e políticas educacionais. Olhar de professor, Ponta Grossa, v. 9, n. 1, p. 11-30, jan./jun. 2006.


SILVA, R. C. D. da. Educação de surdos nos Planos Estaduais e Distrital de Educação. 255 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília, 2018.
Publicado
2020-05-29
Como Citar
Silva, R. C. D. da, & Martins, S. E. S. de O. (2020). CONTRIBUIÇÕES DE STEPHEN BALL E COLABORADORES PARA O ESTUDO DE POLÍTICAS DE CURRÍCULO. REVISTA COMMUNITAS, 4(7), 386-395. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3373
Seção
Demanda Contínua