TEATRO EM TEMPOS ESCUROS

UM PANORAMA DE UM TEATRO DE INTERVENÇÃO

  • Carlos André Alexandre de Melo Universidade Federal do Acre
Palavras-chave: Artes Cênicas. Teatro de intervenção. Amazonas. Tesc.

Resumo

Com a ditadura militar instaurada no Brasil a partir de abril de 1964, especialmente as classes artística, operária e acadêmica impuseram-se como setores atuantes de oposição. Nas artes cênicas, o desejo de intensificar tais discursos se desenvolveu em um fazer teatral que refletiu os principais problemas sócio-políticos em todo o Brasil. O objetivo deste texto é traçar um panorama desta produção, observando casos diversos como Opinião, Arena, Oficina, Asdrúbal Trouxe o Trombone, Ornitorrinco, até chegar na região norte, com os grupos De Olho na Coisa, do Acre, e, com foco especial na trajetória das artes cênicas produzidas no Amazonas, concentrando o olhar, por fim, na atuação do Teatro Experimental do Sesc, o Tesc, grupo de maior longevidade na região. Observou-se que a perspectiva da intervenção social foi fundamental para introduzir linguagens diferentes daquelas das formas clássicas de encenação, que sedimentaram feições modernas de fazer teatral, e colocaram em tônica a crítica aos problemas sociais.

Referências

AZANCOTH, E. A vingança do Carapanã Atômico. Manaus: Valer; Governo do Estado do Amazonas, 2003.

AZANCOTH, E.; COSTA, S. V. Cenário de memórias - movimento teatral em Manaus (1944-1968). Manaus: Valer; Governo do Estado do Amazonas, 2001.

COSTA, I. C. A hora do teatro épico no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

FERNANDES, S. Grupos de teatro nos anos 70. Próximo Ato – Itaú Cultural. Disponível em: <http://itaucultural.org.br/proximoato/pdf/texto%20grupo/textosilviafernandes.pdf> Acesso em: 13 mar. 2008.

FUSER, F.; GUINSBURG, J. A “Turma da Polônia” na renovação teatral brasileira, In: SILVA, A. S. (Org.). J. Guinsburg: diálogos sobre teatro. São Paulo: Edusp, 1992. pp. 57-92

KOHLER-RODRIGUES, H. Hiperteatralidade e releitura histórica: o teatro de Márcio Souza. In: Latin American Theatre Review. Center of Latin American Studies, University of Kansas, Lawrence, Fall 1988.

LEITE, A. J. M. O processo de criação de “Tempo de Espera”. 1988. Dissertação (Mestrado), Escola de Comunicação e Artes - Universidade de São Paulo, São Paulo, 1988.

MARQUES, M. P. S. C. A cidade encena a floresta. Rio Branco: EDUFAC, 2005.

MEIRELLES FILHO, J. O livro de ouro da Amazônia. 5. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

MELO, C. A. A. Universo carnavalizado em “A Vingança do Carapanã Atômico”, peça teatral de Ediney Azancoth. Rio Branco (AC): PPGLI/UFAC, 2008 [Dissertação de Mestrado em Letras: Linguagem e Identidade].

MOSTAÇO, E. Teatro e política: Arena, Oficina e Opinião (uma interpretação da cultura de esquerda). São Paulo: Proposta Editorial, 1982.

PRADO, D. A. O teatro brasileiro moderno. São Paulo: Perspectiva, 1982.

RODRIGUES, C. A floresta e os bichos contra o homem-fogo. Manaus: Valer, 2003.

SILVA, F. C. T. A modernização autoritária: do golpe militar à redemocratização 1964/1984. In: LINHARES, M. Y. (Org.). História geral do Brasil. 9. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1990.

SOUZA, M. A expressão amazonense: do colonialismo ao neocolonialismo. 2. ed. Manaus: Valer, 2003.

SOUZA, M. O palco verde. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1984.

SOUZA, M. Teatro do indígena do Amazonas. Rio de Janeiro: Codecri, 1979.

TAVARES, R. O autor da criação coletiva em teatro na década de 1970. In: Entre coxias e recreios: recortes da produção carioca sobre o ensino de teatro. São Caetano do Sul, SP: Yendis, 2006.

TAVARES, R. Teatro Oficina de São Paulo: seus dez primeiros anos (1958 - 1968). São Caetano do Sul, SP: Yendis, 2006.

TELESI, S. F.; GUINSBURG, J. O trombone do Asdrúbal e as “atrações” do Ornitorrinco. In: SILVA, A. S. (Org.). J. Guinsburg: Diálogos sobre teatro. São Paulo: Edusp, 1992.

TELLES, T. Literatura amazonense: a presença do Modernismo no Amazonas e a poesia de Aníbal Beça. In: Aníbal Beça: nesse afago do meu fado… Disponível em: <http://portalamazonia.globo.com/anibal/literatura.htm>. Acesso em: 25 jul. 2008

TUFIC, J. Depoimento coletado de entrevista concedida à jornalista Rose Farias, publicada no jornal Página 20, Caderno Especial, de 18 de janeiro de 2003. Disponível em: <http://www2.uol. com.br/18janeiro20003/site/18012003/especial.htm> Acesso em: 13 mar. 2008.

WERNECK, H. Gol de letras. In: BUARQUE, C. Letra e música. Vol. 1. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
Melo, C. A. A. de. (2018). TEATRO EM TEMPOS ESCUROS: UM PANORAMA DE UM TEATRO DE INTERVENÇÃO. Muiraquitã: Revista De Letras E Humanidades, 6(1). https://doi.org/10.29327/216345.6.1-6
Seção
ARTIGOS