E-POIESIS: O FENÔMENO RADICAL DA TEIA

  • João Carlos de Souza Ribeiro Universidade Federal do Acre
Palavras-chave: Rede, e-poiesis, e-poeta, virtual, linguagem.

Resumo

O presente estudo aborda o trânsito da literatura nos espaços emergentes do digitalismo. A rede mundial de computadores, ao agenciar o fenômeno da linguagem, na condição de teia, permite a reflexão sobre o modus operandi do texto literário, que funciona como rede, teia, em permanente expansão; sem limites. Destarte, a literatura, como módulo vivo, através de sua linguagem marcada pelo código artístico, revela em sua natureza fundadora o seu traço essencial: a virtualidade. A e-poiesis é, desse modo, a constatação do virtual fundador, inserido no virtual fundado, a partir de uma realidade singular, que é o texto literário em sua densidade hologramática. Em rede e por ser a própria rede, a poiesis, no mundo digital, propicia o vislumbre do horizonte não – tangenciável pela lógica, e transmutado pelo ludismo, que a literatura cria, através do e-poeta.

Biografia do Autor

João Carlos de Souza Ribeiro, Universidade Federal do Acre
Professor de Teoria da Literatura, Literaturas em Língua Portuguesa e Poética nos cursos de Letras - graduação e pós-graduação - na Universidade Federal do Acre.

Referências

ARMONY, Nahman. Borderline: uma outra normalidade. Rio de Janeiro: Revinter, 1998.

BARTHES, Roland. Aula. 7. ed. São Paulo: Cultrix, 1997.

CAPRA, Fritjof. 7. ed. A teia da vida. São Paulo: Cultrix, 1996.

CHESNEAUX, Jean. Modernidade-mundo. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1996.

GARCIA-ROZA, Luiz Alfredo. Palavra e verdade na filosofia antiga e na psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual? 1. ed. São Paulo: Editora 34, 1996.

LYOTARD, Jean-François. Moralidades pós-modernas. Campinas: Papirus, 1996.

PORTELLA, Eduardo. Teoria da comunicação literária. 4. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1985.

SAMUEL, Rogel. Novo manual de teoria literária. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

TORRIGO, Marcos. Universo holográfico. São Paulo: Madras, 2004.

Publicado
2018-07-27
Seção
Artigos