CULTURA MATERIAL DA MANDIQUERA E A PROPOSIÇÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Autores

Palavras-chave:

cultura material; mandiquera; currículo; educação de jovens e adultos.

Resumo

Este artigo analisa a Cultura Material da Mandiquera no cemitério e a proposição do currículo cultural para a Educação de Jovens e Adultos na Amazônia Bragantina, Estado do Pará. Metodologicamente, foi utilizada a abordagem da Nova História Cultural na observação dos objetos culturais usados pelos vendedores de mandiquera. O uso de imagens, a história oral e o documento da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) permitiram efetuar a coleta de dados. Os resultados apontaram que há no cenário brasileiro tanto o desmonte da EJA acentuada pela invisibilização dessa modalidade nas diretrizes orientadoras da BNCC, quanto à luta pela criação de currículos que valorizem os objetos culturais, os territórios e as diversidades culturais dos sujeitos da EJA, ou seja, currículos orientados pelas práticas culturais. Foi constatado, ainda, que a prática cultural de venda da mandiquera nos cemitérios de Bragança, deve ser preservada, visto ser vista como patrimônio histórico bragantino, brasileiro e mundial, e como tal, pode ser orientadora de currículo para os jovens, adultos e idosos as escolas bragantinas.

Biografia do Autor

Rogerio Andrade Maciel, Universidade Federal do Pará

Professor da Universidade Federal do Pará/Campus Universitário de Bragança. Doutor em Educação pelo Programa de Pós- Graduação em Educação, na linha de Educação, Cultura e Sociedade (PPGED/ICED/UFPA/2019). Associado da Sociedade Brasileira de História da Educação - (SBHE). Líder do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em História da Educação e Currículo na Amazônia (NIPHECA). Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação de Jovens e Adultos e Diversidade na Amazônia - (GUEAJA).

Joana d'Arc de Vasconcelos Neves, Universidade Federal do Pará

Doutora e Mestra em Educação pela Universidade Federal do Pará. Atualmente é Docente do Programa de Pós-Graduação Linguagens e Saberes da Amazônia e professora Adjunta da Universidade Federal do Pará Campus de Bragança-Pa. É membro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Coordena o Grupo de Pesquisa de Educação de Jovens e Adultos e Diversidade na Amazônia. Integrante do Movimento de Educação de Jovens e adultos na amazônia paraense.

Franciele de Almeida Magalhaes, Universidade Federal do Pará

Acadêmica do Curso de Licenciatura em Pedagogia (2017). Atualmente é bolsista do Programa de Apoio ao Doutor Pesquisador (PRODOUTOR) pela Universidade Federal do Pará/Campus Universitário de Bragança (2020-2021). Atualmente sou integrante do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em História da Educação e Currículo na Amazônia (NIPHECA).

Referências

ALBUQUERQUE, Maria Betânia B.; MALÁR, Karen Azevedo. Festa dos mortos, relações de sociabilidades e o consumo de manicuera. Muiraquitã-UFAC, Rio Branco, v. 6, n. 1, p. 1-19, jun. 2018.

ALBUQUERQUE, Maria Betânia B.; MALÁR, Karen Azevedo. Morrer e beber manicuera: relações de sociabilidade no dia de finados. Revista Ingesta, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 232-249, mar. 2019.

ARAGÓN, Luis. Há futuro para o desenvolvimento sustentável na Amazônia? In: MELLO, Alex (org.). O futuro da Amazônia: dilemas, oportunidades e desafios no limiar do século XXI. Belém: Editora Universitária, 2002. p. 33-53. v. 1.

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC). Educação é a base. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/. Acesso em: 14 fev. 2021.

BOM MEIHY, José Carlos Sebe. Manual de história oral. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

BURKE, Peter. Cultura material através de imagens. In: BURKE, Peter. Testemunha ocular: o uso de imagens como evidência histórica. Tradução de Vera Maria Xavier dos Santos. São Paulo: Unesp, 2017. p. 123-154.

BURKE, Peter. O que é história cultural? Tradução de Sérgio Goes de Paula. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, Presidência da República [1996]. Disponível em: www.planalto.gov.br › ccivil_03 › Leis. Acesso em: 15 set. 2019.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília, DF, Presidência da República [2014]. Disponível em: www.planalto.gov.br › ccivil_03 › 2014. Acesso em: 15 set. 2019.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 14 fev. 2018.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Tradução Maria de Lourdes Menezes.Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de Fazer. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 1990.

DI PIERRO, Maria Clara. Notas sobre a redefinição da identidade e das políticas públicas de Educação de Jovens e Adultos no Brasil. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v.26, n.92, p.1115-1139, out. 2015. Edição Especial.

FREIRE, Paulo. Ação cultura para a liberdade e outros escritos. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 42. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

HAESBAERT, Rogério. Identidades territoriais: entre a multiterritorialidade e a reclusão territorial (ou: do hibridismo cultural à essencialização das identidades). In: ARAÚJO, Frederico; HAESBAERT, Rogério (org.). Identidade e territórios: questões e olhares contemporâneos. Rio de Janeiro: ACCSS, 2004. p. 93-123.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

LIVRO DE AFORAMENTO DE SEPULTURAS. Acervo. Departamento de Tributo da Prefeitura Municipal de Bragança- PA: 1910 a 1960.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Editora Atlas, 2010.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Comum Para Currículos: Direitos de Aprendizagem e Desenvolvimento Para Quem? Educ. Soc., Campinas, v. 36, n. 133, p. 891-908, out./dez. 2015.

MOREIRA, Antônio; CANDAU, Vera. Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultura. Brasília: Ministério da Educação/ Secretaria de Educação Básica, 2007.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006.

SANTOMÉ, Jurjo. Os conteúdos culturais, a diversidade cultural e a função das instituições escolares. In: SANTOMÉ, Jurjo (org.). Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Tradução de Claúdia Shilling. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1998. p. 129-152.

SILVA, Tomaz da. Os estudos culturais e o currículo. In: SILVA, Tomaz da (org.). Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2017. p. 131-138.

Downloads

Publicado

2021-09-29

Como Citar

ANDRADE MACIEL, R.; D’ARC DE VASCONCELOS NEVES, J.; DE ALMEIDA MAGALHAES, F. . CULTURA MATERIAL DA MANDIQUERA E A PROPOSIÇÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS . Communitas, [S. l.], v. 5, n. 11, p. 252–270, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/5150. Acesso em: 24 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Temático