VARIAÇÃO GRANULOMÉTRICA E MORFOLÓGICA DOS SEDIMENTOS DE FUNDO DO RIO ACRE: CONTRIBUIÇÕES INICIAL AO ESTUDO HIDROSSEDIMENTOLÓGICO DE CANAL FLUVIAL NO SUDOESTE AMAZÔNICO

  • Fábio da Silva Lucio Universidade Federal do Acre (UFAC), cursos de Geografia Bacharelado, Rio Branco, Acre; https://orcid.org/0000-0002-7273-7648
  • Gabriel Brandão Xavier Universidade Federal do Acre (UFAC), cursos de Geografia Bacharelado, Rio Branco, Acre; https://orcid.org/0000-0001-8071-1862
  • Anderson Azevedo Mesquita Universidade Federal do Acre (UFAC), cursos de Geografia Bacharelado, Rio Branco, Acre; e Doutorando do Programa de pós-graduação em geografia da Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, Rondônia https://orcid.org/0000-0003-0947-8070
  • José Genivaldo do Vale Moreira Professor da UFAC, Campus Floresta, Cruzeiro do Sul, Acre, Brasil; e Professor do programa de pós-graduação em Ciência, Inovação e Tecnologia para a Amazônia da UFAC, Rio Branco Acre. https://orcid.org/0000-0003-0947-8070
  • Waldemir Lima dos Santos Universidade Federal do Acre (UFAC), cursos de Geografia Bacharelado, Rio Branco, Acre; e Professor do programa de pós-graduação em Geografia da UFAC, Rio Branco, Acre. https://orcid.org/0000-0002-5306-5612
  • Rodrigo Otávio Peréa Serrano Universidade Federal do Acre (UFAC), cursos de Geografia Bacharelado, Rio Branco, Acre e Professor do programa de pós-graduação em Ciência, Inovação e Tecnologia para a Amazônia da UFAC, Rio Branco Acre https://orcid.org/0000-0002-7786-8305
Palavras-chave: Granulometria de sedimentos; Dinâmica fluvial; Morfometria; Rio Acre; Sedimentologia

Resumo

O ciclo hidrosedimentológico é de fundamental importância para a compreensão da dinâmica fluvial e modelagem do ambiente físico. Em relação ao rio Acre, sua dinâmica geomorfológica está ligada ao deslizamento das margens do rio, o que obedece às variações do regime fluvial com as cheias e vazantes. Não obstante, os estudos morfológicos são um importante indicativo do comportamento hidrodinâmico, bem como os fatores externos que influenciam: rocha matriz, ambiente deposicional, agentes envolvidos e durabilidade das partículas. O presente trabalho tem por objetivo elucidar uma análise da variação granulométrica do leito do rio acre nos municípios de Assis Brasil, Brasiléia e Rio Branco, bem como, através da aplicação de técnicas de processamento de imagem associadas ao cálculo e interpretação de índices morfométricos, quantificar a variabilidade dimensional da fração areia presente no leito fluvial do rio Acre, nas amostras da cidade de Rio Branco. Por fim o trabalho conclui que: i) o tamanho médio dos grãos dos sedimentos de fundo do rio Acre, vão diminuído de diâmetro ao longo do trajeto da cidade de Assis Brasil a Rio Branco; ii) a técnica de morfometria de sedimentos mostraram evidências do processo de desgaste e remobilização das partículas desde a saída da rocha matriz até sua deposição; iii) o uso do software ImageJ se mostrou eficiente na velocidade e precisão para análise e diferenciação morfometrica dos sedimentos arenosos no trecho analisado.

Referências

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 6508 – Grãos de solo que passam na peneira 4,8mm – Determinação de massa especifica – Métodos de ensaios, dezembro, outubro, 1984.

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 7181 – Solo – Análise Granulométrica – Métodos de ensaios, dezembro, 1984.

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 6457 – Amostras de solo –Preparação para ensaios de compactação e ensaios de caracterização – Métodos de ensaios, agosto, 1986.

ACCORSI, O. J. A Exploração de areia para uso na construção civil: caracterização da atividade de dragagem e sustentabilidade na bacia hidrográfica do rio Acre. 2014. 187f. Tese de Doutorado em Engenharia Civil. Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 maio. 2020.

ANDERSSON, T. Estimating particle size distributions based on machine vision. (Thesis). Department of Computer Science and Electrical Engineering. Luleå University of Technology, 2010.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. 2 ed. São Paulo, Edgard. Voucher, 188p., 1980.

COX, E. A. Method of Assigning Numerical and Percentage Values to the Degree of Roundness of Sand Grains. Journal of Paleontology. n. 1, v. 3, 179 – 183, dez. 1927. Disponível em: . Acesso em: 02 maio. 2020.

DIAS, J. A. A Análise sedimentar e o conhecimento dos sistemas marinhos. 2004. E-book disponível online em:. Acesso em: 02 maio. 2020.

GUERRA, A. T.; GUERRA, A. J. T. Novo Dicionário Geológico –Geomorfológico. 5ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

LANDINI, G. Operadores Morfológicos para ImageJ. (2006). Disponível em: . Acesso em: 03 maio. 2020.

LEICA, M. FusionOptics: High Resolution and High Depth of Field Simultaneously. Disponível em: < https://www.leica-microsystems.com>. Acesso em: 02 jun. 2019.

MIRRA, A; MARCEL F; BRUNO, O. Análise Granulométrica (Dispersão Total): método da Pipeta. Instituto de Geociências - UFMG, 14p., 2014.

PENTLAND, A. A method of measuring the angularity of sands. MAG. MN. A.L. Acta Eng. Dom. Transaction of the Royal Society of Canada, v. 21, 1927.

POWERS, M. C. A new roundness scale for sedimentary particles. Journal of Sedimentary Petrology, v. 23, p.117-119. 1953.

RASBAND, W. S. ImageJ. National Institutes of Health, Bethesda, Maryland, USA, 2004. Disponível em: . Acesso em: 03 maio. 2020.

RIBEIRO, S.; BONETTI, C. Variabilidade morfométrica de sedimentos arenosos: revisão de métodos e uso do software ImageJ na diferenciação de ambientes deposicionais na Ilha de Santa Catarina e região continental, SC, Brasil. Revista GRAVEL. Porto Alegre, v.18, n.1, p. 38 -46, dez. 2013. Disponível em: . Acesso em: 02 maio. 2020.

RILEY, N.A. Projection sphericity. Journal of Sedimentary Petrology, v. 11, n. 2, p. 94-97, 1941.

RODRIGUEZ, J. M; EDESKÄR, T; KNUTSSON, S. Particle Shape Quantities and Measurement Techniques–A Review. EJGE, v. 18, p. 169-198, 2013.

SUGUIO, K. Geologia sedimentar. São Paulo: Blucher, 2003. 383p.

SERRANO, R. O. P. [et. al.]. Variabilidade morfométrica dos sedimentos arenosos do rio Acre. In: CARVALHO, C. M. [et al.]. Ciência, inovação e tecnologia na Amazônia. 2. ed. Rio Branco: Stricto Sensu, p. 157-170, 2019. DOI: <10.35170/ss.ed.9786580261093.11>. Acesso em: 07 maio, 2020.

TEIXEIRA, P. C. [et al.]. Manual de Métodos de Análise de Solo 3. ed. Brasília; Embrapa, 577p. 2017. Disponível em: . Acesso em: 02 maio. 2020.

VIANA, J. H. M.; CLEMENTE, E. de P.; OLIVEIRA, A. P. de. Procedimento Operacional Padronizado para Quantificação e Mensuração de Areias Via Análise de Imagens. Rio de Janeiro, RJ: EMBRAPA, (Comunicado Técnico Online, 73), 9p., 2016. Disponível em: . Acesso em: 02 de maio, 2020.

WADELL, H. Volume, Shape, and roundness of rock particles. Journal of Geology, v. 40, p. 443-451, 1932.
Publicado
2020-12-29