CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA DO MUNICÍPIO DE BUJARI – AC: SUBSÍDIO AO ZONEAMENTO GEOAMBIENTAL

Palavras-chave: Caracterização geoambiental; elementos geoambientais; Planejamento territorial.

Resumo

Proporcionar o planejamento urbano em pequenas cidades sobre tudo quando falamos da Região Norte do Brasil, não tem sido uma tarefa simples. Considerando o fator histórico de ocupação das terras acreanas em que teve os rios como principal via de acesso e a borracha como principal economia da região, fez emergir os primeiros povoados que posteriormente se transformariam em pequenas cidades que ao longo dos anos cresceram e continuam crescendo de forma desordenada e sem planejamento. Para o ordenamento de um determinado espaço, ou seja, promover o mínimo de planejamento técnico com a manutenção do meio ambiente, utilização de recursos de forma planejada, indicação para uso especifico e ao mesmo tempo com a promoção do desenvolvimento local, se faz necessário o conhecimento mínimo dos elementos geoambientais presentes nesse espaço sujeito a transformações. Para tanto, este trabalho teve como objetivo principal   realizar uma caracterização fisiográfica detalhada dos elementos físicos presentes no território do município de Bujari, como instrumento de análise e embasamento para o desenvolvimento de um futuro zoneamento geoambietal para o município. Os principais elementos físicos caracterizados tendo como recorte o perímetro municipal foram: a Geologia, Geomorfologia, Solos, Hidrografia e Uso do Solo. Todas as análises espaciais bem como o mapeamento realizado em nosso estudo, foi desenvolvido em ambiente SIG (Sistema de Informação Geográfica).

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informações e documentação – referencias bibliográficas. Rio de Janeiro, 2002 (a).
____________. NBR 10520: informação e documentação – apresentação de citações em documentos. Rio de Janeiro, 2002 (b).
____________. NBR 14724: informação e documentação – trabalhos acadêmicos – Apresentação. Rio de Janeiro: 2002(c).
AMAC. Associação dos Municípios do Acre, disponível em: www.amac-acre.com.br; data de acesso 26/12/2017.
ANA. Agencia Nacional de Aguas. As 12 regiões hidrográficas brasileiras > região hidrográfica amazônica. Disponível em: http://www3.ana.gov.br/portal/ANA/as-12-regioes-hidrograficas brasileiras/amazonica; data de acesso 18/05/2019.
BATISTELA. T. S. O zoneamento ambiental e o desafio da construção da Gestão Ambiental Urbana. 2007. 159 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) Universidade de Brasília - UnB, Faculdade de arquitetura e Urbanismo - FAU. 2007.
BRASIL. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em
BRASIL. Estatuto da Cidade: Lei 10.257/2001 que estabelece diretrizes gerais da política urbana. Brasília, Câmara dos Deputados, 2001, 1ª Edição. Acesso em 10/05/2018.
BRASIL. Lei n. 10.257 DE 10 DE JULHO DE 2001. Regulamenta os Arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Brasília, DF, 2001.
BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br Acesso em: jan. 2017.
CABRAL, T, L. Zoneamento e mapeamento Geoambiental no município de Sorriso - MT. 2014. 131 p. Dissertação (Mestrado em Geografia) Universidade Federal de Santa Maria - Rio Grande do Sul. 2014.
CABRAL, T, L. Zoneamento e mapeamento Geoambiental no município de Sorriso - MT. 2014. 131 p. Dissertação (Mestrado em Geografia) Universidade Federal de Santa Maria - Rio Grande do Sul. 2014.
CAVALCANTE, L. M. Aspectos geológicos do estado do Acre e implicações na evolução da paisagem Rio Branco, AC: Embrapa Acre, 2006. 25 p. il. color. (Embrapa Acre. Documentos, 104)
CHRISTOFOLETTI. A. Geomorfologia. São Paulo. Edgard Blucher, 2ª Edição, 1980.
DEMO, P. Metodologia científica em Ciências Sociais. São Paulo. 1995. 3ª Edição Revista e Ampliada.
GEORGE. P. Os Métodos da Geografia. São Paulo. 1972.
http://www.uel.br/revistas/geografia.
IBGE. Manual Técnico de Pedologia, 2ª edição. Rio de Janeiro: Ministério do
INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. COORDENAÇÃO GERAL DE OBSERVAÇÃO DA TERRA. PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA AMAZÔNIA E DEMAIS BIOMAS. Desmatamento – Amazônia Legal – Disponível em: http://terrabrasilis.dpi.inpe.br/downloads/. Acesso em: 14 jun. 2019.
LIMBERGER. L. Abordagem Sistêmica e Complexidade na Geografia. Geografia - v. 15, n. 2, jul./dez. 2006. Disponível em http://www.uel.br/revistas/geografia.
LOPES et al. A Teoria Geral do Sistema e suas aplicações nas ciências naturais. Natureza Online. ISSN 1806–7409. ESFA [on line] http://www.naturezaonline.com.br. 13 (1): 1-5. Janeiro de 2015.

MARCONI, M de A e LAKATOS, E, M. Fundamentos de Metodologia Cientifica. São Paulo. 5ª Edição. 2003.
MARQUES NETO, R. A Abordagem Sistêmica e os Estudos Geomorfológicos: Algumas Interpretações e Possibilidades de Aplicação. Geografia - v. 17, n. 2, jul./dez. 2008 – Universidade Estadual de Londrina, Departamento de Geociências.
MORAES, F, T. Zoneamento geoambiental do planalto de Poços de Caldas, MG/SP a partir de análise fisiográfica e pedoestratigráfica. 2007. 173 p. Tese (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente) Universidade Estadual Paulista. Rio Claro - São Paulo. 2007.
NEVES, C, E das. GEOSSISTEMA: A HISTÓRIA DE UMA PESQUISA - Trajetórias e Tendências no Estado de São Paulo. 2015. 191 f.: il. Dissertação (Mestrado em Geografia) Universidade Estadual de Londrina - UEL Paraná. 2015.
OLIVEIRA A, V, L, C de. Caracterização do Território para subsidiar o Zoneamento Geoambiental do município de Currais Novos - RN. In:
_____.Zoneamento Geoambiental como Subsidio ao Planejamento Territorial Municipal: estudo de caso para Currais Novos/RN 2012. 109 f. Dissertação (Desenvolvimento e Meio Ambiente) Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRGN, Natal-RN 2012.
OLIVEIRA A, V, L, C de. Zoneamento Geoambiental como Subsidio ao Planejamento Territorial Municipal: estudo de caso para Currais Novos/RN 2012. 109 f. Dissertação (Desenvolvimento e Meio Ambiente) Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRGN, Natal-RN 2012.
OLIVEIRA e CESTARO. Os instrumentos de planejamento ambiental territorial no âmbito municipal: Uma análise do plano diretor e exercícios de zoneamento. In: _____. Zoneamento Geoambiental como Subsidio ao Planejamento Territorial Municipal: estudo de caso para Currais Novos/RN 2012. 109 f. Dissertação (Desenvolvimento e Meio Ambiente) Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRGN, Natal-RN 2012.
Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Diretoria de Geociências. Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. Manuais Técnicos em Geociências, número 4, 2007, p. 316.
PLERH - AC. Plano Estadual de Recursos Hídricos. Rio Branco Acre. 2012.
política urbana. Brasília, Câmara dos Deputados, 2001, 1ª Edição. Acesso em 10/05/2018.
SANTOS. Milton. Território e sociedade: Entrevista com Milton Santos. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000.
SILVA, Ludmila Ítala Soares. O Plano Diretor Urbano de Patos de Minas – MG: Uma avaliação geográfica - cartográfica. Monografia de Graduação. Universidade de Brasília. Instituto de Ciências Humanas. Departamento de Geografia. Brasília, 2015. 56p.
SILVA, J.R.T. e BEIRUTH, L.J.V. Fundamentos de Pedologia. Solos do Acre (2013)
SOUZA. A. P. C. A. de. Ordenamento territorial: uma análise do macrozoneamento de Ipirá. 2010.
TORRES, M. C. Bujari. 1ª Edição. Bujari Acre. 1996.
TORRES, M. C. Bujari. 2ª Edição. Bujari Acre. 2002.
Publicado
2020-04-22