EXPEDIÇÕES GEOGRÁFICAS DA UFAC: AUTOAVALIAÇÃO E IMPACTOS NA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO GEÓGRAFO

  • Msc. Anderson Azevedo Mesquita Universidade Federal do Acre / Professor do curso de Geografia e Doutorando do Programa de Pós-graduação em Geografia pela Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, Rondônia, Brasil. http://orcid.org/0000-0003-0947-8070
  • Dr. Rodrigo Otávio Peréa Serrano Universidade Federal do Acre / Professor do Curso de Geografia e do Programa de Pós-graduação em Ciência, Inovação e Tecnologia para a Amazônia https://orcid.org/0000-0002-7786-8305
  • Dr. Waldemir Lima dos Santos Universidade Federal do Acre / Professor do Curso de Geografia e do Programa de pós-graduação em Geografia https://orcid.org/0000-0002-5306-5612
  • Dr. José Genivaldo do Vale Moreira Universidade Federal do Acre / Programa de Pós-graduação em Ciência, Inovação e Tecnologia para a Amazônia https://orcid.org/0000-0002-2994-8482
Palavras-chave: Avaliação; Projeto; Expedição.

Resumo

O desenvolvimento de projetos, por lógica requer que um processo de acompanhamento e avaliação seja efetivado. Assim, o presente manuscrito realiza uma discussão sobre o desenvolvimento da segunda expedição geográfica da Universidade Federal do Acre focada no processo de autoavaliação do projeto, e dos seus impactos para os discentes envolvidos na atividade. Para isso, um survey on-line foi desenvolvido com auxílio do Google Forms®, e aplicado aos discentes. O survey foi estruturado em seções visando o recolhimento de informações sobre o perfil dos discentes, custos financeiros, contribuição para formação teórico e prática em áreas da geografia, e, planejamento e execução das ações. A síntese quantitativa das respostas foi processada nos softwares Bioestat®, Ecxel® e IRaMuTeQ®. Por fim, os resultados indicam que os participantes possuem média de idade e renda familiar mensal, respectivamente, de 28 anos e R$ 1552,38. Para a maioria dos discentes a expedição teve relevante contribuição na formação teórica e prática nas áreas de geografia física, humana e representação do espaço. No quesito planejamento e execução, observa-se o mesmo comportamento positivo na avaliação. Por fim, conclui-se que a expedição geográfica se tornou uma referência positiva para a valorização e ampliação da qualidade dos cursos de geografia da Ufac. 

Biografia do Autor

Dr. Rodrigo Otávio Peréa Serrano, Universidade Federal do Acre / Professor do Curso de Geografia e do Programa de Pós-graduação em Ciência, Inovação e Tecnologia para a Amazônia

Professor do curso de geografia.

Referências

AMARO, Ana; PÓVOA, Andreia; MACEDO, Lúcia. A arte de fazer questionários. Porto, Portugal: Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, 2005.
BABBIE, Earl. Métodos de pesquisas de survey. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 1999.
BONITO, Jorge; SOUSA, Manuel. Actividades práticas de campo em Geociências: uma proposta alternativa. 1997.
BUENO, Míriam Aparecida. A importância do estudo do meio na prática de ensino em geografia física. 2009.
CHIAVENATO, Idalberto. Comportamento organizacional: a dinâmica do sucesso das organizações. Editora Manole, 2005.
COMPIANI, Mauricio; CARNEIRO, Celso Dal Ré. Os papéis didáticos das excursões geológicas. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 1993, 1.2: 90-97.
COTTA, Rosângela Minardi Mitre; COSTA, Glauce Dias da. Instrumento de avaliação e autoavaliação do portfólio reflexivo: uma construção teórico-conceitual. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 2016, 20: 171-183.
FELIX, Glades Tereza; GALLINA, Simone Freitas da Silva. Gestão, avaliação e participação na autoavaliação da UFSM: em busca de compreensões sob distintos horizontes. TRABALHOS 25º SIMPÓSIO BRASILEIRO, 2º, 2011.
GONDIM, Sônia Maria Guedes. Perfil profissional e mercado de trabalho: relação com formação acadêmica pela perspectiva de estudantes universitários. 2002.
GRILLO, Marlene Correro; DE FREITAS, Ana Lúcia Souza. 4. AUTOAVALIAÇÃO: por que e como realizá-la?. Por que falar ainda em avaliação?, 2010, 45.
KUENZER, Acacia Zeneida. Competência como práxis: os dilemas da relação entre teoria e prática na educação dos trabalhadores. Boletim técnico do SENAC, 2018, 29.1: 16-27.
MELO, Claudia de O.; FERREIRA, Gisele RM. Adoção de métodos ágeis em uma Instituição Pública de grande porte-um estudo de caso. In: WORKSHOP BRASILEIRO DE MÉTODOS ÁGEIS (AGILE BRASIL 2010).(Anais) Porto Alegre: AgilCoop-Cooperativa de Desenvolvimento Ágil de Software. 2010.
OKADA, Alexandra; MEISTER, Izabel; BARROS, Daniela Melaré Vieira. Refletindo sobre avaliação na era da co-aprendizagem e co-investigação. 2013.
PEREIRA, Costa. Análise de dados qualitativos aplicados às representações sociais. Psicologia, Lisboa , v. 15, n. 1, p. 177-204, jan. 2001 . Disponível em . acessos em 13 dez. 2018.
SUERTEGARAY, Dirce Maria Antunes. Pesquisa de campo em geografia. GEOgraphia, 2009, 4.7: 64-68
SUERTEGARAY, Dirce Maria Antunes; NUNES, João Osvaldo Rodrigues. A natureza da Geografia Física na Geografia. Terra Livre, 2015, 2.17: 11-24.
TARAS, Maddalena. De volta ao básico: definições e processos de avaliação. Práxis Educativa, 2010, 5.2: 123-130
VIEIRA, Diana; COIMBRA, Joaquim Luís. Sucesso na transição escola-trabalho: a percepção de finalistas do ensino superior português. Revista brasileira de orientação profissional, 2006, 7.1.

VIEIRA, Isabel Maria Antunes. A autoavaliação como instrumento de regulação da aprendizagem. 2013. PhD Thesis.
Vizeu Camargo, Brigido, Justo, Ana Maria, IRAMUTEQ: Um Software Gratuito para Análise de Dados Textuais. Temas em Psicologia [en linea] 2013, 21 (Diciembre-Sin mes) : [Fecha de consulta: 13 de diciembre de 2018] Disponible en:
Publicado
2020-04-21