A FORMAÇÃO CONTINUADA: O PAPEL DO COORDENADOR PEDAGÓGICO

  • Naiara de Souza Fernandes Universidade Federal do Acre
  • Lenilda Rego Albuquerque de Faria UFAC
Palavras-chave: Formação continuada. Aspectos legais. Coordenador pedagógico.

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar a formação continuada, compreendendo sua concepção, os aspectos legais e o papel do coordenador pedagógico como principal responsável pelo processo de formação nas escolas. Portanto, para construirmos um panorama e situarmos o debate teoricamente, o presente texto está subdividido em três momentos. No primeiro, apresenta as concepções sobre formação continuada que vêm sendo apontadas pelos diferentes autores. No segundo apresenta os aspectos legais que norteiam essa formação. E no terceiro, problematiza a questão a partir da discussão do papel do coordenador pedagógico como principal responsável pelo processo de formação nas escolas. O método escolhido para o desenvolvimento deste trabalho foi à pesquisa bibliográfica desenvolvida por meio do levantamento, da seleção e da análise do material publicado a respeito do tema. Desse modo, para compreender melhor esta temática, foi fundamental buscar embasamento teórico na literatura específica de: André (2015); Barreto (2015); Freitas (2002/2014); Gatti (1997/2003); Gleglio (2003); Nóvoa (1997/2002); Placco e Almeida (2003); Santos (2008), dentre outros. Além dos principais documentos oficiais como: Lei de Diretrizes e bases da Educação Nacional (9394/96), o Plano Nacional de Educação (2014-2024) e o Conselho Nacional de Educação, resolução nº 2, de 1º de Julho de 2015. Conclui-se que o coordenador pedagógico é o principal responsável pela formação continuada na escola, portanto torna-se necessário um aprofundamento teórico capaz de ampliar sua compreensão a respeito dos problemas enfrentados pelos professores do ensino básico, condição necessária para a superação de alguns dos obstáculos recorrentes que vão surgindo no interior da escola.

Biografia do Autor

Naiara de Souza Fernandes, Universidade Federal do Acre

Mestra em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Acre.  Professora Substituta na Universidade Federal do Acre

Lenilda Rego Albuquerque de Faria, UFAC

Doutora em Educação; Docente no rograma de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Acre.  Professora Adjunta na Universidade Federal do Acre. Coordenadora do GT de Didática da Anped.

Referências

ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Cortez, 2003. (Questões da nossa época; 104).

ANDRÉ, Marli. Políticas de formação continuada e de inserção á docência no Brasil. Educação Unisinos, São Paulo, v. 19, n. 1, janeiro/abril 2015.

BARRETO, Elba Siqueira de Sá. Politicas de formação docente para a educação básica no Brasil: embates contemporâneos. Revista Brasileira de Educação, v. 20, n. 62, jul.- set. 2015.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP n. 02/2015, de 1º de julho de 2015. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, seção 1, n. 124, p. 8-12, 02 de julho de 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17719-res-cne-cp-002-03072015&Itemid=30192. Acesso em: 12 de Junho 2017.

____. Lei 9394/96, de 20/12/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, n. 248, 23 dez. 1996.

FERREIRA, Naura Syria Carapeto. Supervisão educacional para uma escola de qualidade. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 12. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996. (Coleção Leitura).

FREITAS, H. C. L. Formação de Professores no Brasil: 10 anos de embate entre projetos de formação. Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, p.136-167, set. 2002.

____. PNE e formação de professores: Contradições e desafios. Revista Retratos da escola, Brasilia, v. 8, n. 15, p.427-446, jul./dez. 2014.

GARRIDO, Elsa. Espaço de formação continuada para o professor-coordenador. In: BRUNO, Eliane Bambini Gorgueira; ALMEIDA, Laurinda Ramalho de; CHRISTOV, Luiza Helena da Silva (Orgs). O Coordenador pedagógico e a formação docente. 7. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2006. P. 9 – 16.

GATTI, B. A. Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n.37, jan./abr. 2008.

GÉGLIO, Paulo. O papel do coordenador pedagógico na formação do professor em serviço. São Paulo: Loyola, 2003.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2009.

NÓVOA, António. Formação de professores e preparação docente. In: _____. (Coord.). Os professores e sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1995. p. 13 – 33.

_____. Professor se forma na escola. Nova Escola, São Paulo: Abril, n. 142, maio 2001. p. 13 – 15. Entrevista.

¬¬_____. Revista Nova Escola. Agosto/2002, p.23.

_______. António. (coord). Os professores e sua formação. Lisboa-Portugal, Dom
Quixote, 1997.

PLACCO, V. M. de S.; ALMEIDA, L. R. O coordenador pedagógico e o cotidiano da escola. São Paulo: Loyola, 2003.

____. Formação de professores: o espaço de atuação do coordenador pedagógico-educacional. In: FERREIRA, Syria Carapeto; AGUIAR, Márcia Ângela da S. Para onde vão à orientação e a supervisão educacional? Campinas: Papirus, 2002.

SANTOS, Lucíola Licínio de C. P. políticas e processos. VII Seminário Redestrado – Nuevas Regulaciones em América Latina, Buenos Aires, 3, 4 e 5 de Julho de 2008.
Publicado
2019-08-22