A DENSIDADE POÉTICA DA MARGEM

O LUGAR DE ONDE OS BRÔ MC´S EMITEM A SUA VOZ, O SEU CANTO

  • Lays Emanuelle Viédes Lima Universidade Federal do Acre
Palavras-chave: Densidade poética. Margem. Linguagem. Práticas culturais. Experiência.

Resumo

Brô MC´s são protagonistas do primeiro grupo de rap indígena do Brasil. Seu lócus de enunciação situa-se entre as aldeias Jaguapiru e Bororó, no município de Dourados (MS), onde vivem com outras 15 mil pessoas. Esta comunicação propõe-se discutir a densidade poética da Margem, o lugar de existência desses seres humanos, que apesar de um discurso que os produz como corpos racializados, performatizam uma lógica outra, que vai de encontro com o mundo ocidentalizado. Para tanto, nos justificamos a partir da perspectiva teórica pós-colonial, que se insere no âmbito dos Estudos Culturais e outras abordagens correlatas, tais como os estudos de Jorge Larrosa, “Tremores. Escritos sobre a experiência” (2016); Édouard Glissant, “Introdução a uma Poética da Diversidade” (2005); Homi Bhabha, “O Local da Cultura” (1998). O ponto de partida é articular interpretações com base nesses referenciais com a música “Eju Orendive”, do rap indígena dos BRÔ MC´s.

Referências

ALBUQUERQUE, G. R. “Culturas, corpos e narrativas na diversidade social latino-americana: uma certa fronteira amazônica”, In: ABEHACHE – Revista da Associação Brasileira de Hispanistas. Salvador (BA): ABH, 2017, pp. 39-60. Disponível em: https://goo.gl/KrA3ov.

BHABHA, H. O local da cultura. Trad. Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

COLUCCI, D. G.; SOUTO, M. M. M. “Espacialidades e territorialidades: conceituação e exemplificações”, In: Geo-grafias artigos científicos. Belo Horizonte (MG), janeiro-junho, 2011, pp. 114-127.

CREPALDE, A. A construção do significado do tekoha pelos Kaiowá do Mato Grosso do Sul. Porto Alegre (RS): UFRGS, 2014 (Tese de Doutorado).

GLISSANT, E. Introdução a uma Poética da Diversidade. Trad. Enilce do Carmo Albergaria Rocha. Juiz de Fora (MG): Editora da UFJF, 2005.

GLISSANT, E. O Pensamento do Tremor – La cohée Du Lamentin. Trad. Enilce do Carmo Albergaria Rocha e Lucy Magalhães. Juiz de Fora (MG): Editora da UFJF/ Gallimard, 2014.

LAROSSA, J. Tremores: escritos sobre a experiência. Trad. Crisitna Antunes, João Wanderley Geraldi. 1. Ed., 2. reimp., Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

NOGUEIRA, S. V. Biorreflexividade Narrativa, In: COLLING, A. M.; TEDESCHI, L. A . (Orgs.). Dicionário Crítico de Gênero. Dourados (MS): Editora da UFGD, 2015. Pp. 75-77.

OLIVEIRA, L.. “BroMC’s rap indígena: o pop e a constituição de fóruns cosmopolíticos na luta pela terra Guarani e Kaiowa”, In: Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, 2016, pp. 119- 220.

SANTIAGO, S. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. 2. ed., Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SILVA, D. F. “Ninguém: direito, racialidade e violência”, In: Meritum, v. 9, n.1, 2014, pp. 67- 117.

Publicado
2017-12-31
Como Citar
Lima, L. E. V. (2017). A DENSIDADE POÉTICA DA MARGEM: O LUGAR DE ONDE OS BRÔ MC´S EMITEM A SUA VOZ, O SEU CANTO. Muiraquitã: Revista De Letras E Humanidades, 5(2). https://doi.org/10.29327/216344.5.2-9
Seção
OUTROS ARTIGOS