BIOMAS BRASILEIROS: UM JOGO EDUCATIVO PARA O ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA NO ALTO SOLIMÕES, AMAZONAS

  • Jasmim Ribeiro da Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS (UFAM).
  • Weique Andrade de Almeida UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS (UFAM).
  • Renato Abreu Lima Docente da Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Resumo

Significando de grande importância no ensino-aprendizagem para os alunos, os biomas brasileiros são estudados geralmente de forma teórica, podendo não ser visualizado de forma prática. Com isso, o presente trabalho teve como objetivo utilizar um jogo lúdico como ferramenta de ensino-aprendizagem dos biomas brasileiros. O trabalho foi desenvolvido com 60 alunos do 7° ano do ensino fundamental de uma escola pública de Benjamim Constant-AM. Aplicou-se um pré-teste para analisar os conhecimentos dos alunos sobre a Amazônia, logo em seguida, apresentou-se uma aula teórica expositiva com recursos multimídia abordando os conceitos relacionados à biodiversidade, ecologia e ecossistemas. Em seguida, executou-se o jogo intitulado “Biomas Brasileiros”, onde foram organizados seis grupos, na qual constituía em identificar no mapa brasileiro, imagens paisagísticas de acordo ao bioma estudado. Após o término, aplicou-se o pós-teste, para verificar se os alunos fixarão a aula ministrada e se o jogo facilitou a compressão do conteúdo. Notou-se que 90% dos alunos já tinham estudado o conteúdo teórico em sala de aula, mas que não sabiam relacionar as plantas e animais para o bioma Amazônia. Após ministrar o conteúdo e aplicar o jogo didático, verificou-se uma notável melhora no ensino-aprendizagem, pois no pós-teste, 98% ressaltaram que por meio do jogo didático conseguiram fixar o conteúdo abordado e puderam relacionar a flora local de acordo com as características específicas de cada bioma. Conclui-se, que a utilização de ferramentas didáticas são estratégias a fim de despertar o interesse e a motivação durante as aulas.

Biografia do Autor

Jasmim Ribeiro da Silva, UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS (UFAM).
Graduação em Ciências: Biologia e Química.
Weique Andrade de Almeida, UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS (UFAM).
Graduação em Ciências: Biologia e Química.
Renato Abreu Lima, Docente da Universidade Federal do Amazonas (UFAM).
Biólogo, Pós-Graduado em Gestão Ambiental, Mestre em Meio Ambiente e Doutor em Biodiversidade e Biotecnologia pela UFAM.

Referências

ROGERS, C.R. Tornar-se pessoa. 5. ed. São Paulo: Martins, 2001.

OLIVEIRA, R.; CACURO, T.A.; FERNANDEZ, S.; IRAZUSTA, S.P. Aprendizagem Significativa, Educação Ambiental e Ensino de Química: Uma Experiência Realizada em uma Escola Pública. Revista Virtual de Química, v.8, n.3, p.913-925, 2016.

ARMSTRONG, D.L.P. Fundamentos Filosóficos do Ensino de Ciências Naturais. Curitiba: IBPEX, 2008.

CABRERA, W.B. A ludicidade para o ensino médio na disciplina de biologia: Contribuições ao processo de aprendizagem em conformidade com os pressupostos teóricos da Aprendizagem Significativa. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual de Londrina, Paraná, 2007.

TOWNSEND, C.R.; BEGON, M.; HARPER, J.L. Fundamentos em ecologia. 3 ed. São Paulo: Artmed, 2010.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466 de 12 de dezembro de 2012. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/ resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em: 10 mar. 2016.

GILL, R. Análise do discurso. In: BAUER, M.W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 2002. p.244-270.

OLIVEIRA, M.M. Como fazer pesquisa qualitativa. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p.83.

SILVA, D.M.C.; GRILLO, M. A utilização dos Jogos Educativos como instrumento de Educação Ambiental: O caso Reserva Ecológica de Gurjaú – PE. Contrapontos, v.8, n.2, p.229-238, 2008.

BRASIL. MEC. PCN+: Orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais, Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: Ministério da Educação e Cultura, 1998.

SOUZA, S.E. O uso de recursos didáticos no ensino escolar. In: I ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇAO, IV JORNADA DE PRÁTICA DE ENSINO, XIII SEMANA DE PEDAGOGIA DA UEM: “INFANCIA E PRATICAS EDUCATIVAS”. Maringá, PR, 2007. Disponível em: <http://www.pec.uem.br/pec_uem/revistas/arqmudi/volume_11/suplemento_02/artigos/019.pdf>. Acesso em 10 nov 2017.

GEE, J.P. What Games have to teach us about learning and literacy. New York, Palgrave MacMillan, 2007.

FIALHO, N.N. Jogos no Ensino de Química e Biologia. Curitiba: IBPEX, 2007.

VYGOTSKY, L.S. Psicologia Pedagógica. Trad.Claudia Schilling. Porto Alegre: Artmed, 2003.

MIRANDA, S. No fascínio do jogo, a alegria de aprender. Ciência Hoje, v.28, n.168, p.64-66, 2001.

MORTIMER, E.F. Pressupostos epistemológicos para uma metodologia de ensino de química: mudança conceitual e perfil epistemológico. Química Nova, v. 15, n. 3, p. 242-249, 2000.

JÚNIOR, A.F.N.; GONÇALVES, L.V. Oficina de Jogos Pedagógicos de ensino de ecologia e educação ambiental como estratégia de ensino na formação de professores. Revista Práxis, ano V, nº 9, 2013.

LAFUENTE, L.; BARBOSA, J.B. Uma contribuição ao ensino de ecologia através da metodologia ativa. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological, v.1, n.1, p.259-271, 2017.

Publicado
2019-08-01
Seção
Artigos Originais Educação