ESCRITAS JUVENIS E ESPAÇOS FRONTEIRIÇOS COM A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

quais diálogos?

Autores

Palavras-chave:

Juventudes. Educação de Jovens e Adultos. Reexistências

Resumo

O objetivo geral é compreender quais diálogos vêm sendo entrelaçados entre as juventudes e a modalidade EJA, tendo em vista a relação entre seus modos de ser e fazer culturais, caracterizados aqui como escritas juvenis, com os arranjos institucionais na rede municipal pública de Fortaleza, entre os anos de 2017 até 2019. A abordagem metodológica teve caráter qualitativo, com inspirações etnográficas, tomando como principais sujeitos as juventudes que, por ora, estavam matriculadas na EJA em escolas municipais. Diante os resultados, foi possível identificar diálogos tensionados e fronteiriços. Se de um lado, as juventudes e as suas culturas entendiam que ocupar este espaço é parte de uma não ruptura do processo de escolarização e, que assim, poderiam cumprir uma etapa da educação básica; de outro modo, faziam críticas as relações sociais cotidianas na escola, as condições estruturais e as abordagens pedagógicas, denunciando o que se poderia caracterizar como racismo juvenil. Com isso, concluir o ensino fundamental através da modalidade, no contexto estudado, tem exigido dos/as jovens reexistências, criações possíveis diante do que é “ofertado” na contramão de seus desejos.

Biografia do Autor

Maria Eleni Henrique da Silva, Universidade Federal do Ceará

Possui graduação em educação física pela Universidade Federal do Ceará (1998). É professora adjunta do Instituto de educação Física e Esportes da universidade Federal do Ceará. Doutora em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (2011). Coordena projetos de extensão com ênfase na formação de professores. É professora do Programa de Pós-graduação em educação da Universidade Federal do Ceará. 

Referências

BARROSO, Raimunda Eliana C. Narrativas de idosos alfabetizados na velhice: o passado, o presente e o possível. 2018. 64 f. Relatório (Pós-Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2018.

BHABHA, Homi k. O local da cultura. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

BOURDIEU, Pierre. A “Juventude” é apenas uma palavra. BOURDIEU, Pierre. In: Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983. p. 112-121.

BRANDÃO, Carlos R. O que é educação? São Paulo: Editora Brasiliense, 1991.

BRASIL. Resolução CNE/CEB Nº 1. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos, de 5 de julho de 2000. Brasília, DF: CNE, 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB012000.pdf. Acesso em: 10 maio 2018.

CERTEAU, Michel de. A cultura no plural. Campinas: Papirus, 1995.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2012.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 2. Morar, cozinhar. Petrópolis: Vozes, 1996.

FORTALEZA. Câmara do Ensino Fundamental. Lei nº 7.991/96 – Lei (alterações) nº. 9.317/2007. Fortaleza: PMF, 2007. Disponível em: cme.sme.fortaleza.ce.gov.br. Acesso em: 25 jun.2018.

FORTALEZA. Coordenadoria de ensino fundamental. Célula da Educação de Jovens e Adultos – EJA e diversidade. Eja Jovem. Fortaleza: PMF, 2017.

FREIRE, Ana Maria A. Paulo Freire: uma história de vida. São Paulo: Villa das Letras, 2006.

MARTINS, José de S. A chegada do estranho. São Paulo: Editora HUCITEC, 1993.

PASSOS, Joana Célia dos. As desigualdades educacionais, a população negra e a Educação de Jovens e Adultos. Curitiba: Secretaria de Educação do Paraná, 2014. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/pacto_nacional_em/artigos/desigualdades_educacionais_eja.pdf. Acesso em: 13 nov. 2018.

SILVA, Marlene Rosa Nogueira da. O fim da ingenuidade: fichas do cárcere são exemplos extremos de como os filhos do “ventre livre” foram abandonados à própria sorte pela ausência de políticas públicas. Revista História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, ano 9, n. 104, p. 72-76, maio 2014.

STRECK, Daniel R.; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, Jaime José (org.). Dicionário Paulo Freire. 2. ed., rev. amp. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

Downloads

Publicado

2021-09-29

Como Citar

BESERRA, R. C. M. .; SILVA, M. E. H. da. ESCRITAS JUVENIS E ESPAÇOS FRONTEIRIÇOS COM A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: quais diálogos?. Communitas, [S. l.], v. 5, n. 11, p. 118–131, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/5174. Acesso em: 24 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Temático