AS MOTIVAÇÕES DO SER DOCENTE PARA ESCOLHA E PERMANÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Autores

Palavras-chave:

Educação Infantil; Formação Docente; Formação de professores.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivos investigar os motivos para escolha e permanência na Educação Infantil e identificar as concepções de professores acerca do ser docente na educação infantil; esclarecer os motivos da inserção de professores na educação infantil; entender os motivos da permanência de professores na educação infantil. Para atingir esse objetivo planejou-se a divisão da mesma em dois momentos: pesquisa bibliográfica e buscou-se embasamento em teóricos como Basso (1998), Leontiev (1978), Vygotski (1989, 1998), Saviani (2009), Moreira (2011), Ariès (1981) e outros; realizou-se também uma pesquisa empírica tendo como sujeitos 03 (três) professores que trabalham na área de Educação Infantil e/ou que estão no último ano de formação acadêmica, encontradas em escolas públicas ou privadas e em universidades/faculdades. Os resultados apontam que a profissão docente está em crise e tem gerado de certa forma um mal estar nos professores, mas que mesmo insatisfeitos com os salários, a carreira, o ambiente de trabalho, com a formação e consequentemente com a prática pedagógica, as professoras ingressam, resistem e estão permanecendo na docência.

Biografia do Autor

Izabel Rodrigues da Silva, Universidade Federal do Piauí

ossui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Piauí (2014), especialização em Metodologia da Educação Infantil (2019) e formação em nível Técnico em Biblioteca . Atualmente é professora (acompanhante terapêutica) de uma aluna com Síndrome de Down no Instituto Dom Barreto (Teresina-PI).

Referências

AHMAD. Laila Azize Souto, Um breve Histórico da Infância e da Instituição de Educação Infantil P@rtes (São Paulo). V.00 p.eletrônica. Junho de 2009. Disponível em <www.partes.com.br/educacao/historicoinfancia.asp>. Acesso em 29/05/2014.
ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1981. 279 p.
BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.
BASSO, Itacy Salgado. Sentido e significado do trabalho docente. Caderno CEDES, vol. 19, n.44. Campinas, abri/1998.
BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente: Lei federal nº 8069, de 13 de julho de 1990. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial, 2002.
_______. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.
_______. Presidência da República. Lei n. 9.394 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial, Brasília, DF, 23 dez 1996.
BONETTI, Nilva. Leis de diretizes e bases e suas implicações na formação de professores de educação infantil. IN: FILHO, Altino José Martins (org.). Criança pede respeito: temas em educação infantil. Porto Alegre: Mediação, 2005. P 109-160.
CRUZ, Samantha Guiçardi et al. A indissociabilidade do brincar, cuidar e educar na Educação Infantil. Research, Societ and Development, v. 4, n. 4, p. 227-238, abr. 2017.
ESTEVE, J. M. O mal-estar docente: a sala de aula e a saúde dos professores. Bauru, SP: EDUSC, 1999.
FLÔR, Dalânea Cristina; DURLI, Zenilde (Orgs.). Educação infantil e formação de professores. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2012. 256p.
KRAMER, Sonia. As crianças de 0 a 6 anos nas políticas educacionais no Brasil: educação infantil e/é fundamental. EDuc. Soc., Campinas, vol. 27, n. 96 –Especial, p. 797 – 816, out. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v27n961a09v2796. Acesso em: 03 jun. 2014.
LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa, Portugal: Horizonte Universitário, 1978.
LEME, A. S. Muito prazer, sou professor!: a constituição da motivação docente. Monografia - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, SP, 2005. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000363544>. Acesso em: 30 jun. 2014.
MOREIRA, Herivelto. A investigação da motivação do professor: a dimensão esquecida. Revista Educação & Tecnologia, 2011.
PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria do Socorro Lucena. Estágio e docência. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2011.
PIMENTEL, Carla silva. Aprender a ensinar: a construção da profissionalidade docente nas atividades de estágio em geografia. 2010. 253 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.
RODRIGUES, Miguel Antônio et al. Motivação na prática pedagógica docente: um estudo de caso na Escola Estadual Professor Mariano da Silva Neto, em Francisco Santos, PI. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, Goiânia, v.8, n.15; p. 115-124. 2012.
SAVIANI, Demerval. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Minas Gerais: Revista Brasileira de Educação v. 14 n. 40 jan./abr. 2009.
VIANA, J. C. C. R. O perfil motivacional do docente da rede estadual de ensino fundamental na Paraíba. 2008. 174 f. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2010. Disponível em: <http://www.bdtd.ibict.br/. Acesso em: 30 jun. 2014.
VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989.
__________________________. A formação social da mente. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998.

Downloads

Publicado

2021-09-29

Como Citar

DA SILVA, I. R. AS MOTIVAÇÕES DO SER DOCENTE PARA ESCOLHA E PERMANÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Communitas, [S. l.], v. 5, n. 11, p. 309–321, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4700. Acesso em: 24 out. 2021.

Edição

Seção

Demanda Contínua