EU NÃO SOU O HOMEM DA RELAÇÃO

ressignificação BUTCH como operação política, agenciamento pós-humano e transprodução de feminilidade

Autores

Palavras-chave:

Lésbica, Ressignifcação, Butch, Feminilidade

Resumo

Resumo
Este trabalho tem por objetivo analisar, por meio das estruturas sociais e históricas de gênero e da
heteronormatividade, a transmutação política necessária enquanto alternativa para resistência lésbica.
Trata-se da exposição dos intermediadores de violência, do corpo butch enquanto zona biopolítica, mas
especialmente dos processos de enfrentamento dessas violências. O reconhecimento das vivências butch
como contraprodutivas em relação ao engessamento da sexualidade cisheteronormativa, e o quão
ameaçadoras são para o (cis)tema capitalista/patriarcal, explicitam a incansável necessidade de se afirmar
um sujeito universal. Os autores selecionados para análise exprimem a brutalidade com a qual o sistema
sexo-gênero assume o papel de regulador, normatizador e redutor dos sujeitos, transformando corpos
múltiplos e orgânicos em máquinas ontológicas (re)produtoras, fragmentadas, e no caso das lésbicas
butch, abjetas. Portanto, não se trata apenas de denunciar o trajeto público para desumanização da
existência lésbica ou a delação dos mecanismos sociais que, sistematicamente, violentam e matam as
mulheres que se negam a performar o que a sociedade heterocentrada define como feminilidade. Esse
texto trata de mostrar, acima de tudo, que a subversão inerente à butch - a plasticidade da máquina corpo,
do sexo como ato, da produção de uma feminilidade alternativa, do desejo que rompe com a padronização
- cria na estrutura heterossocial uma obsolescência, da qual só se consegue fugir com técnicas de controle
e extermínio. Contudo, denotam a força descomunal de uma comunidade, que só sendo (como é)
negligenciada e aniquilada, tamanha a capacidade de implodir toda uma estrutura social e séculos de
opressão.
Palavras-chave: lésbica; butch; ressignificação; feminilidade; violência.

Referências

ALVES, Alê. A história de Luana: mãe, negra, pobre e lésbica, ela morreu após ser espancada por
três PMs. Ponte Jornalismo, São Paulo, 25 de abr. de 2016. Disponível em: https://cutt.ly/ljvr09I.
Acesso em: 11 dez. 2020.
Amigos afirmam que DJ raptada e espancada foi assassinada por ser lésbica. Jornal de Brasília,
Brasília, 08 ago. 2019. Disponível em: https://cutt.ly/Gjnqcdo. Acesso em: 12 jan. 2021.
AMORIM, Felipe; MADEIRO, Carlos. Brasil tem a 8ª pior desigualdade de renda e supera só
países africanos. UOL, São Paulo, 15 dez. 2020, Internacional. Disponível em:
https://cutt.ly/Zjvdsyh. Acesso em: 11 dez. 2020.
BERNARDES, Thais. Casos de lesbocídio crescem 237% no Brasil. Notícia Preta, 16 mar. 2019.
Disponível em: https://cutt.ly/4jniE0Z. Acesso em: 12 jan. 2021.

14 Ver Judith Butler - Quadros de guerra.

Brasil segue no topo dos países onde mais se mata LGBTs. Central Única dos Trabalhadores, São
Paulo, 17 maio 2019. Disponível em: https://cutt.ly/UjvsA0P. Acesso em: 11 dez. 2020.
BUTLER, Judith. Precarious Life: the powers of mourning and violence. Brooklyn: Verso, 2006.
BUTLER, Judith. Cuerpos que importan: sobre los límites materiales y discursivos del sexo. Buenos
Aires: Paidó, 2010.
BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 2015.
Casal de mulher e homem trans é assassinado em crime de ódio em Angra dos Reis, no Rio de
Janeiro. Mídia 1508, Rio de Janeiro, 21 mar. 2019. Disponível em: https://cutt.ly/gjnwIfg. Acesso
em: 12 jan. 2021.
DAVIS, Angela. Mulheres, Raça e Classe. São Paulo: Boitempo, 2016.
DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O anti-édipo. São Paulo: Editora 34, 2010.
DIAS, Eduardo. Ex-policial é condenado a 35 anos por morte de jovens no ES. G1, Espírito
Santo, 11 dez. 2019. Disponível em: https://cutt.ly/0jnrWAb. Acesso em: 12 jan. 2021.
Estuprar lésbicas é um esporte saudável que revigora a alma e libera a adrenalina, todos saem
ganhando. Huffpost Brasil, São Paulo, 18 jul. 2015. Disponível em: https://cutt.ly/YjbMq6t.
Acesso em: 09 nov. 2020.
FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade: a vontade de saber. São Paulo: Graal, 2012.
FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. São Paulo: Paz & Terra, 2014.
GARCIA, Janaina. Negra, lésbica e periférica, Juliane "morreu por ser policial", dizem ativistas de
direitos humanos. UOL, São Paulo, 07 ago. 2018, Cotidiano. Disponível em:
https://cutt.ly/vjnqXDr. Acesso em: 12 jan. 2021.
Garota é assassinada ao tentar pedir a namorada em casamento. Jornal de Brasília, Brasília, 08 jan.
2018. Disponível em: https://cutt.ly/ijb69X7 . Acesso em: 12 jan. 2021.
GAYLE, Rubin. Políticas do Sexo. São Paulo: UBU Editora, 2017.
HALBERSTAM, Judith. Female Masculinity. Durham: Duke University Press, 1998.
HARAWAY, Donna. Manifesto ciborgue. Ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do
século XX. In: HARAWAY, D.; KUNZRU, H.; TADEU, T. Antropologia do ciborgue: as vertigens do
pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

IBGE divulga estimativa da população. IBGE, Rio de Janeiro, 27 ago. 2020. Disponível em:
https://cutt.ly/Ajvs6Zv. Acesso em: 11 dez. 2020.
Jovem morta em Marechal é a 2ª lésbica assassinada este ano em AL. 7Segundos, Alagoas, 18 set.
2020. Disponível em: https://cutt.ly/jjnwtj9. Acesso em: 12 jan. 2021.
KAFER, Alison. Feminist, Queer, Crip. Bloomington: Indiana University Press, 2013.
MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: N-1, 2018.
NATIVIDADE, Priscila. Casal de lésbicas e irmã são mortas a facadas por vizinho no Caminho
de Areia. Correio 24 horas, Salvador, 18 maio 2019. Disponível em: https://cutt.ly/KjnesaX.
Acesso em: 12 jan. 2021.
PLATERO, Raquel (Lucas). Transfeminismos: epistemes, fricciones y flujos. In: Críticas al
capacitismo heteronormativo: queer crips. Tafalla: Editorial Txalaparta, 2013.
PRECIADO, Paul Beatriz. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. São
Paulo: N-1 edições, 2014.
Quem era a vítima executada com 17 tiros e arrastada em Porto Alegre. GZH, Porto Alegre, 29
set. 2016. Disponível em: https://cutt.ly/7jne7i4. Acesso em: 12 jan. 2021.
REINHOLZ, Fabiana. Após 132 anos da abolição, Brasil ainda não fez a devida reparação da
escravidão. Brasil de Fato, São Paulo, 13 maio 2020, Direitos Humanos. Disponível em:
https://cutt.ly/7jOd6fM. Acesso em: 05 jan. 2021.
RICH, A. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas - Estudos gays: gêneros e
sexualidades, v. 4, n. 05, p. 18-44, 27 nov. 2012.
SUDRÉ, Lu; COCOLO, Ana Cristina. Brasil é o 5º país que mais mata mulheres. Revista
Entreteses. UNIFESP. Edição 07. São Paulo, Nov. 2016. Disponível em: https://cutt.ly/bjvskbS.
Acesso em: 11 dez. 2020.
50% dos brasileiros são católicos, 31%, evangélicos e 10% não têm religião, diz Datafolha. G1.
Rio de Janeiro, 13 jan. 2020. Política. Disponível em: https://cutt.ly/Vjvs1aB. Acesso em: 11 dez.
2020.

Downloads

Publicado

2021-03-30

Como Citar

AMATO, B.; BARBOSA GOMES, A. .; DE AVILA MOREIRA, M. R. . EU NÃO SOU O HOMEM DA RELAÇÃO: ressignificação BUTCH como operação política, agenciamento pós-humano e transprodução de feminilidade. Communitas, [S. l.], v. 5, n. 9, p. 110–126, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4607. Acesso em: 16 abr. 2021.